EXTENSÃO RURAL COM PRODUTORES DE HORTALIÇAS DO DISTRITO VERDE EM NAVIRAÍ/MS

  • Daniel Zimmermann Mesquita Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
  • Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
  • Cícero Teixeira Silva Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
  • Nathalia Fabiane Gomes Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Estudante de Agronomia
  • Sabrina dos Santos Soares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Estudante de Pós-graduação
Palavras-chave: Olericultura, Agricultura familiar, Desenvolvimento sustentável.

Resumo

A agricultura familiar é responsável por produzir grande parte dos alimentos consumidos pelos brasileiros. Visando o abastecimento dos centros urbanos com produtos frescos e de qualidade, é desejável que a produção de hortifrútis se concentre o mais próximo possível dos mercados consumidores. A região do Distrito Verde de Naviraí é uma localidade predominantemente de produção agropecuária na qual o destaque é a produção de hortaliças com o intuito de abastecer os mercados e feiras locais. O objetivo principal deste trabalho foi proporcionar um maior conhecimento sobre as diferentes técnicas de cultivo de hortaliças aos agricultores familiares do Distrito Verde através do acompanhamento de estudantes dos cursos relacionados a ciências agrárias do IFMS-campus Naviraí, docentes e técnicos da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de Mato Grosso do Sul (AGRAER) do escritório local de Naviraí. Desta forma, realizou-se a implantação de um projeto de extensão rural que visou auxiliar os produtores em toda a cadeia produtiva das hortaliças. A melhoria nas etapas de controle de pragas e doenças, manejo dos sistemas de irrigação, cuidados na pós-colheita e transporte das hortaliças, e aplicação de novas técnicas de produção durante os cinco meses do projeto foi evidente entre os produtores.

Biografia do Autor

Daniel Zimmermann Mesquita, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (2010). Atualmente ocupa o cargo de Professor EBTT no Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS) - Campus Naviraí. Exerce desde março de 2017 a função de Coordenador do Eixo Tecnológico de Recursos Naturais do IFMS - Campus Naviraí. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Silvicultura, Grandes Culturas Agrícolas em Pivô Central na Fazenda Fortaleza de Santa Terezinha Agricultura e Pecuária LTDA ( 2010 a 2012). Trabalhou na Prefeitura Municipal de Paraty (2013 a 2016) com produção de mudas nativas, ornamentais e frutíferas no Horto Municipal de Paraty (RJ), e com extensão rural junto a agricultores familiares. Especialização em Gestão Florestal pela Universidade Federal do Paraná (2013). Especialização em Economia e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Paraná (2015). Mestre em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal" e Linha de Pesquisa "Melhoramento Vegetal" (2015). Doutorando em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal"
Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
PESQUISADOR/PROFESSOR do Instituto Federal do Mato Grosso do Sul - Campus Naviraí. Doutorando do Programa de Pós Graduação em Agronomia (Produção Vegetal) da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, no Campus de Jaboticabal, SP, UNESP Jaboticabal, na área de Agrometeorologia e Modelagem. Mestre em Agronomia (Produção Vegetal) na área de Agrometeorologia e Modelagem - UNESP Jaboticabal (2015). Engenheiro Agrônomo e Técnico em Agropecuária (2013 e 2009, respectivamente) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas - Campus Muzambinho, MG. Tem experiência no desenvolvimento e registro de softwares e aplicativos no INPI. Desenvolvedor do Software SYSWAB-System for Water Balance (INPI: BR512014001349-9), de gerenciamento de estações agrometeorologicas e monitoramento das condições climáticas, atualmente implantado na Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé-COOXUPÉ. Tem experiência na área de Agronomia e Modelagem, com ênfase em Agrometeorologia e Climatologia, atuando nos seguintes temas: Irrigação e Drenagem, Modelagem Agrometeorológica, Micrometeorologia, Balanço Hídrico, Evapotranspiração, Risco Climático, Zoneamento Climático e Agrícola, Classificação Climática, Ambiência Rural, Séries Climáticas, ECMWF, Modelos Climáticos Globais (GCM), Regressão Linear Múltipla (RLM), Regressão Não-Linear, Análise Multivariada, Redes Neurais, Cafeicultura, EXCEL e Python. Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) na modalidade de Mestrado Acadêmico (Projeto=2014/05025-4) e no doutorado (Projeto=2015/17797-4). É orientador de alunos de graduação (PIBIC e PAET) e ensino médio (PIBIC-EM).
Cícero Teixeira Silva Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Professor EBTT
Possui graduação em Agronomia (2007) e mestrado em Agronomia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Alagoas (2009) e doutorado em Agronomia (Irrigação e Drenagem) pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (2012). Atualmente é professor EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agrometeorologia, climatologia, irrigação e grandes culturas. Tem experiência na área de Irrigação e Drenagem, Modelagem Agrometeorológica, Balanço Hídrico, Evapotranspiração, Zoneamento Climático e Agrícola e Classificação Climática.
Nathalia Fabiane Gomes Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Estudante de Agronomia
Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Anhanguera Uniderp (2010). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Orientação e Aconselhamento. Em formação em Agronomia no Instituto Federal de Mato Grosso do Sul - Campus Naviraí/MS.
Sabrina dos Santos Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul/Estudante de Pós-graduação
Graduada em Ciências Biológicas Bacharelado pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES (2012-2015). Mestranda no Programa de Pós Graduação em Biologia Animal da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de ecologia e ectoparasitismo de aves.

Referências

Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural -ASBRAER (2018). Disponível em: <http://www.asbraer.org.br/>. Acesso em 31/03/2018.

CAIXETA FILHO, J.V. Losses in the transportation of fruits and vegetables: A Brazilian case study. International Journal of logistics: Research and applications, v. 2, n. 3, 1999.

COSTA, C., GUILHOTO, J., & BURNQUIST, H. Impactos econômicos de reduções nas perdas pós-colheita de produtos agrícolas no Brasil. In: 55th Congress of the European Regional Science Association: "World Renaissance: Changing roles for people and places", 25-28 August 2015, Lisbon, Portugal (2015).

DOS SANTOS, J. P., WAMSER, A. F., BECKER, W. F., MUELLER, S., & SUZUKI, A. Captura de insetos sugadores e fitófagos com uso de armadilhas adesivas de diferentes cores nos sistemas de produção convencional e integrada de tomate em Caçador, SC. Hortic. bras, 26(2). 2008.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Statistics. Databases.

FAOSTAT. Production. Disponível em: <http://faostat3.fao.org/faostatgateway/go/to/download/Q/*/E>. Acesso em: 22 de setembro de 2018.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura. Viçosa: UFV, 421 p., 2000.

FURLANI, P. R., SILVEIRA, L. C. P., BOLONHEZI, D., FAQUIN, V. Cultivo hidropônico de plantas. Campinas: Instituto Agronômico. 1999.

MALUF, R. S. (2004). Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, 25(1), 2004.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil: atores e cenários ao longo da história. Paco Editorial, 2017.

MARTINEZ, H. E. P., & DA SILVA FILHO, J. B. Introdução ao cultivo hidropônico de plantas. Viçosa, Editora UFV, 111 p., 2006.

Ministério da Educação (MEC) – Resolução CNE n°3 (2002). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/rede/legisla_rede_resol03.pdf.> Acesso em 18 de maio de 2018.

PACHECO, E. M (Org). Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília, DF: Fundação Santillana; São Paulo: Moderna, 2011.

Secretária Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Disponível em: <http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/o-que-%C3%A9-agricultura-familiar>. Acesso em 10 de Junho 2018.

VILELA, N. J.; LANA, M. M.; NASCIMENTO, E. F.; & MAKISHIMA, N. O peso da perda de alimentos para a sociedade: o caso das hortaliças. Horticultura Brasileira, 21(2), 142-144. 2003.

Publicado
2018-12-11