MARGINAIS, PROSTITUTAS E CAPETAS URBANOS: UM OLHAR PÓS-COLONIAL SOBRE A QUIMBANDA E OUTRAS IDENTIDADES AFRO-RELIGIOSAS

Rodrigo Marques Leistner

Resumo


O artigo versa sobre a relação entre as práticas afro-brasileiras menos ortodoxas, como a Quimbanda, e o discurso promovido como base do projeto de legitimação social das religiões de matriz africana na atualidade, baseado na ideia de reafricanização. Tomando como aporte teórico a crítica pós-colonial, o texto relativiza a idéia de eficácia de um discurso voltado às matrizes africanas, observando o caráter desestabilizador de algumas práticas religiosas mais sincréticas, as quais têm sido desconsideradas pela academia e menosprezadas pelos atores africanistas que negociam políticas na esfera pública. 


Texto completo:

PDF

Referências


BIBLIOGRAFIA

BALANDIER, Georges. Antropológicas. São Paulo: Editora Cultrix, 1976.

BARTHES, R. Mitologias. São Paulo: Difel, 2003.

BASTIDE, R. As religiões africanas no Brasil.1v. Paris: Press Universitaires de France, 1960.

______. Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Editora Perspectiva, 1983.

BECKER, H. S. Outsiders. Estudos de Sociologia do Desvio. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2008.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

CAMARGO, C. P. F. de. Kardecismo e Umbanda. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1961.

CARNEIRO, E. Candomblés da Bahia. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. Sabedoria popular. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1957.

CARVALHO, J. J. R. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 7, n°15, junho de 2001, pp. 107-147.

______. Violência e caos na experiência religiosa. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, n°15, Vol. 1, 1990, pp. 8-33.

CORRÊA, N. F. Sob o signo da ameaça: conflito, poder e feitiço nas religiões afro-brasileiras. São Paulo, Tese de Doutoramento em Antropologia, PUC/SP, 1998.

______. Panorama das religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. IN: ORO, A. P. (Org.). As religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora da universidade / UFRGS, 1994.

COSTA, S. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

DANTAS, B. G. Repensando a pureza nagô. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, n. 8, Julho de 1982, pp. 15-20.

DURKHEIM, É. Las formas elementales de la vida religiosa. Madrid: Alianza, 1993.

FRIGÉRIO, A. Reafricanização em diásporas religiosas secundárias: a construção de uma religião mundial. Religião e Sociedade. V. 25, n. 2, Rio de Janeiro, 2005, pp. 136-160.

HALL, S. A Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

______. “Quem precisa de identidade?”. IN: SILVA, T. T. da. (org.), Identidade e Diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

LALEYE, I. As Religiões da África Negra. IN: DELUMEAU, J. (org.). As grandes religiões do mundo. Lisboa: Editorial Presença, 2002.

LAPASSADE, G.; LUZ, M. A. O segredo da macumba. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

LEISTNER, R. Os outsiders do além: um estudo sobre a Quimbanda e outras ‘feitiçarias’ afro-gaúchas. São Leopoldo, Tese de Doutoramento em Ciências Sociais, UNISINOS/RS, 2014.

______. Encruzilhada Multicultural: estratégias de legitimação das práticas religiosas afro-umbandistas no Rio Grande do Sul. In: Diversidade Cultural Afro-Brasileira: ensaios e reflexões. Brasília: Editora da Fundação Cultural Palmares, 2012, Pp. 249-266.

LÉPINE, C. Mudanças no candomblé de São Paulo. Religião e Sociedade. V. 25, n. 2, Rio de Janeiro, 2005, pp. 121-135.

LODY, R. Candomblé: religião e resistência cultural. São Paulo: Editora Ática, 1987.

ORO, A. P. O Atual Campo Afro-Religioso Gaúcho. Civitas, Porto Alegre, v. 12, n°.13, Set./Dez., 2012, pp. 556-565.

______. Neopentecostais e afro-brasileiros: quem vencerá esta guerra? Debates do NER, Porto Alegre, ano 1, n.1, Nov., 1997, pp. 10-36.

ORTIZ, R. A morte branca do feiticeiro negro: umbanda. Petrópolis: Vozes, 1978.

PRANDI, R. As religiões afro-brasileiras e seus seguidores. Civitas, Porto Alegre, v. 3, n. 1, Jun. 2003, pp. 15-33.

______. Exu, de mensageiro a diabo: sincretismo católico e demonização do orixá Exu. Revista USP, São Paulo, n. 50, 2001, pp. 46-65.

______. Os candomblés de São Paulo. São Paulo: Hucitec - Edusp, 1991.

RAMOS, A. As culturas negras no novo mundo. São Paulo: Nacional, 1979.

SHAW, Rosalind; STEWART, Charles. Introduction: probmeatizing sycretism. In: SHAW, Rosalind; STEWART, Charles. (Orgs.). Syncretism / Anti-Syncretism: the politics of religious synthesis. London: Routledge, 1994, pp. 1-26.

SILVA, V. G. Exu do Brasil: tropos de uma identidade afro-brasileira nos trópicos. Revista de Antropologia da USP. São Paulo, volume 55, n. 2, 2013, pp. 85-114.

______. Orixás da metrópole. Petrópolis/Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WIEVIORKA, M. Em que mundo viveremos? São Paulo: Perspectiva, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.36066/.v0i18.1977

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Composição: Revista de Ciências Sociais

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul