ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RENTABILIDADE E OS INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS DAS EMPRESAS LISTADAS NO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DA [B]³ DE 2016 A 2020

Palavras-chave: Investimentos sociais; Investimentos ambientais; ROA (Retorno sobre o Ativo); ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido); Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE).

Resumo

As ações empresariais têm prejudicado constantemente o meio ambiente, por esse motivo as organizações passaram a se comprometer e aderir a ações de responsabilidade social e ambiental como ferramenta para garantir sua competitividade no mercado, uma vez que o desenvolvimento econômico sem um compromisso se torna inviável. Para demonstrar tais práticas, a transparência, o envolvimento e a preocupação das companhias com a sociedade e o meio ambiente, utilizam-se os relatórios de sustentabilidade. O objetivo deste trabalho se concentra em analisar se existe relação entre os investimentos sociais e ambientais realizados pelas empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial e sua rentabilidade. Para tal, a amostra de pesquisa é composta por 8 empresas listadas na [B]³ que participaram da carteira do ISE no período de 2016 a 2020. As variáveis dependentes escolhidas foram os indicadores ROA (Retorno sobre o Ativo) e ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido), e as independentes, os investimentos sociais e os ambientais. As relações entre as variáveis foram estudadas por meio do modelo de regressão com dados em painel com auxílio do software STATA versão 16.0. Os resultados obtidos nesse trabalho mostram que a rentabilidade das empresas analisadas dentro do período está sujeita a influência dos investimentos socioambientais, porém de uma forma insatisfatória. Uma vez que o ROA está relacionado negativamente com os indicadores sociais e ambientais e ROE evidenciou uma relação nula, não demonstrando relação com os mesmos indicadores

Biografia do Autor

Marcelo Rabelo Henrique, Strong Business School

outorando em Controladoria e Finanças (2021-2023) pela Universidade Presbiteriana - MACKENZIE, Doutor em Administração de Negócios (2019) pela Escuela Superior de Economía y Administración de Empresas - ESEADE, MBA Executivo em Administração de Empresas com ênfase em Gestão (2010) pela Fundação Getúlio Vargas - FGV, Mestre em Ciências Contábeis (2008) e Pós Graduado em Avaliações Pericias (2004) pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado - FECAP, Bacharel em Ciências Contábeis (2003) pela Universidade Camilo Castelo Branco - UNICASTELO. Atualmente é Docente da Unifesp, Strong Business School e Unip nas disciplinas do curso de Ciências Contábeis. Revisor de Periódicos sendo: Revista de Evidenciação Contábil & Finanças, Revista Espacio Abierto - Cuaderno Venezolano de Sociología, Revista UNEMAT de Contabilidade, Revista de Gestão e Sociedade, Revista Práticas em Contabilidade e Gestão, Contribuiciones a Las Ciências Sociales. Journal of Economics Finance and Administrative Science. Avaliador e Moderador de Congressos sendo: Congresso de Contabilidade e de Iniciação da USP, Congresso Semead da USP, Congresso de Contabilidade da UFPB e Congresso ANPCONT. Autor de Livro Perícia Contábil, Mediação e Arbitragem (2015) publicado pela Editora Intersaberes. Fundador da Mrhenrique Assessoria Contábil e Avaliações Periciais Ltda. Atua na área de Administração - ênfase em Ciências Contábeis - principalmente nos seguintes temas: contabilidade, tributário, mercado de capitais, perícia contábil e finanças. 

Ana Clara Pacheco Pereira, Strong Business School

Graduanda em Ciências Contábeis 

Gabriele Keiko Niebuhr Mezashi, Strong Business School

Graduada em Ciências Contábeis

Graziely De Sousa Gomes, Strong Business School

Graduada em Ciências Contábeis

Antonio Saporito, Strong Business School

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Universidade de São Paulo - FEAUSP (2005), Mestre em Controladoria e Contabilidade pela FEAUSP(1989) e Graduado em Administração pela (FEAUSP /1978). Atualmente professor associado I da EPPEN - UNIFESP, Campus Osasco, Professor convidado para cursos de MBA da FGV Manegement, avaliador de cursos de graduação cadastrado no sistema e-MEC e consultor adhoc da Revista Contabilidade e Finanças da FEA USP, da Revista Contabilidade Vista e Revista da UFMG, da Revista Brasileira de Gestão de Negócios e da Revista Contabilidade e Controladoria - RC&C. da UFPR. Consultor de empresas, de treinamento e das Câmaras Brasil Alemanha e Brasil França de comércio. Autor dos Livros Análise e Estrutura das Demonstrações Contábeis (2015) e Contabilidade Geral: Fundamentos e prática do raciocínio contábil (2017), ambos publicados pela Editora Intersaberes. Ex Diretor Acadêmico e Coordenador do curso de Ciências Contábeis de diversas instituições de nível superior. Ex diretor de cursos da Associação Brasileira de Analistas do Mercado de Capitais (ABAMEC, atual APIMEC). Experiência profissional superior a 25 anos dedicados principalmente às áreas de análise de investimento e de crédito, além de consultorias para implantação de sistemas e treinamento.

Referências

[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3). Disponível em: . Acesso em: 25 de abril de 2021.
[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. Índice de Sustentabilidade Empresarial Regulamento 2020. Disponível em: . Acesso em: 25 de abril de 2021.
[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. ISE B3 - Processo de Seleção. Disponível em: . Acesso em: 25 de abril de 2021.
[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE. Disponível em: . Acesso em: 19 de março de 2021.
[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. Metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Disponível em: . Acesso em: 28 de abril de 2021.
[B]³ - BOLSA, BRASIL, BALCÃO. O que é o ISE B3. Disponível em: . Acesso em: 28 de março de 2021.
ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
ASHLEY, Patrícia A. (coordenação). Ética E Responsabilidade Social Nos Negócios. São Paulo: Saraiva, 2002.
AURÉLIO. Dicionário Aurélio Eletrônico - Século XXI. 1999. Editora Nova Fronteira. Versão Eletrônica de Lexikon Informática Ltda.
BARAKAT, S. R. Alinhamento entre Responsabilidade Social Corporativa e Estratégia: Estudo do Caso Itaú Unibanco. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil, 2013.
BARBOSA JR; R. F. O (2019). O efeito das boas práticas de sustentabilidade e governança no valor de mercado das empresas listadas na B3. Dissertação apresentada à escola brasileira de administração pública e de empresas da fundação Getúlio Vargas para obtenção do grau de mestre, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 29 de março de 2021.
BERTAGNOLLI, D. D. O.; OTT, E.; DAMACENA, C. Estudo sobre a influência dos investimentos sociais e ambientais no desempenho econômico das empresas. In: Congresso USP. São Paulo, 2006.
BM&FBOVESPA. Metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Disponível em: . Acesso em: 25 de abril de 2021.
BORGER, F. G. Responsabilidade Social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 2001.
BOTH, F; FISCHER, A. Gestão e contabilidade ambiental. Santa Catarina: Unoesc & Ciência, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 de abril de 2021.
BRAGA, C. Contabilidade ambiental: ferramenta para gestão da sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2007.
BRAGA, C.; PINHO, D. R. A evidenciação contábil ambiental. In: Braga, C. (Org.). Contabilidade ambiental: ferramenta para a gestão da sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2007. p. 68-71
BRASIL, Lei Nº 9.605. Seção III: Da Poluição e outros Crimes Ambientais, Art. 54. Disponível em: . Acesso em: 13 de abril de 2021.
BRASIL, Lei Nº 9.605. Seção III: Da Poluição e outros Crimes Ambientais, Art. 55. Disponível em: . Acesso em 13 de abril de 2021.
BRASIL, NBC T 15. Informações de natureza social e ambiental. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2021.
BRASIL. Constituição. Capítulo VI: Do Meio Ambiente, Art. 225. Disponível em: . Acesso em: 13 de abril de 2021.
CARVALHO, Gardênia Maria de Braga. Contabilidade ambiental - Teoria e Prática. Curitiba: Juruá, 2012.
CESAR, J. F.; SILVA, A. A relação entre a responsabilidade social e ambiental com o desempenho financeiro: um estudo empírico na Bovespa no período de 1999 a 2006. In: Congresso Associação Nacional Dos Programas De Pós-Graduação Em Ciências Contábeis, 2, 2008, Salvador. Anais. Salvador: ANPCONT, 2008.
CHEN, Y. S.; LAI, S. B, WEN, C. T. The Influence of Green Innovation Performance on Corporate Advantage in Taiwan. Journal of Business Ethics, v. 67, p. 331-339. 2006. DOI 10.1007/s10551-006-9025-5.
CMMAD – Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso Futuro Comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1991.
COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS (CPC). Pronunciamento Técnico CPC 09 – Demonstração do Valor Adicionado. Disponível em: . Acesso em: 08 de agosto de 2021.
CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resolução CFC 1.003/04. NBC T 15 – Informações de Natureza Social e Ambiental. Disponível em: . Acesso em: 08 de agosto de 2021.
COSTA, Carlos Alexandre Gehm da. Contabilidade ambiental - Mensuração, Evidenciação e Transparência. São Paulo: Atlas, 2012.
DRESNER, S. The Principles Of Sustainability. London: Earthscan, 2002.
ELKINGTON, J. Cannibals With Forks: The Triple Bottom Line Of 21st Century Business. Choice Reviews Online, v. 36, n. 07, p. 36-3997-36–3997, 2013.
FÁVERO, Luiz Paulo; BELFORE, Patrícia. Manual de Análise de Dados: Estatística e Modelagem Multivariada com Excel, SPSS e STATA. 1ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GRZEBIELUCKAS, C. et al. Contabilidade e custos ambientais: um levantamento da produção científica no período de 1996 a 2007. Santa Catarina: Produção, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 de abril de 2021.
GUESSER, J. M.; BEUREN, I. M. Caracterização e mensuração dos custos ambientais. Contab. Vista & Ver. Belo Horizonte, v.9, n. 3, set. 1998.
GUJARATI, Damodar. N; PORTER, Dawn C. Econometria Básica. 5ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2011.
IBRACON. NPA 11 - Normas e procedimentos de auditoria - Balanço e ecologia. São Paulo: Ibracon, 1996. Disponível em: . Acesso em: 08 de agosto de 2021.
INSTITUITO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS – IBASE. Balanço Social, dez anos: o desafio da transparência. Rio de Janeiro: IBASE, 2008.
INSTITUTO ETHOS. Sobre o Instituto. Disponível em: Acesso em: 10 de outubro de 2021.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Análise de balanços. 11. ed.. São Paulo: Atlas, 2017.
IUDÍCIBUS, Sérgio; MARTINS, Eliseu. Contabilidade Introdutória. 11.ed. São Paulo: Atlas, 2010.
KRAEMER, Maria Elizabeth Pereira. (B) Contabilidade Ambiental – Passaporte para Competitividade. Universo ambiental (2000): 51 par, 52 par. Disponível em: . Acesso em: 08 de agosto de 2021.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina De Andrade. Fundamentos metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2003.
LEITE, Luciano. Direito Ambiental – Comentários ao artigo 225 da Constituição Federal. Disponível em: . Acesso em: 13 de abril de 2021.
LOPES, I. F.; GASPARETTO, V.; SCHNORRENBERGER, D.; LUNKES, R. J. Relação do desempenho financeiro e dos riscos operacionais na remuneração de executivos de empresas brasileiras com ADRs. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 28, n. 3, p. 22-52, 2018. Disponível em: . Acesso em: 2 de novembro de 2021.
MAEHARA, L. M. Análise das Empresas Excluídas da Carteira do ISE no Período de 2005 a 2012. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, 2013.
MARCONDES, Adalberto Wodianer; BACARJI, Celso Dobes. ISE – Sustentabilidade do Mercado de Capitais. São Paulo, Report Editora, 2010.
MARQUES, J. F., & COMUNE, A. E. A teoria neoclássica e a valoração ambiental. Embrapa Meio Ambiente Capítulo em livro científico (ALICE), 1997.
MARQUES, L. D. Modelos dinâmicos com dados em painel: revisão da literatura. Série Working Papers do Centro de Estudos Macroeconômicos e Previsão (CEMPRE) da Faculdade de Economia do Porto, Portugal, n. 100, 2000.
MARQUES, Vagner Antônio.; COLARES, Ana Carolina Vasconcelos.; MAIA, Saulo Cardoso. Sustentabilidade e desempenho empresarial: uma comparação entre os indicadores de rentabilidade das empresas participantes do mercado de capitais. In: Congresso Brasileiro de Custos, MG. Anais eletrônicos...CBC XVII, 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 de agosto de 2021.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.
MARTINS, Eliseu; RIBEIRO, Maisa de Souza. A informação como instrumento de contribuição da contabilidade para a compatibilidade do desenvolvimento econômico e a preservação do meio ambiente. Revista Contabilidade vista & revista, p. 22-25, dez/1995. Acesso em: 20 de março de 2021.
MAZZER, Lílian Perobon. Responsabilidade social corporativa e desempenho econômico financeiro: um estudo em empresas brasileiras. 2015. 153 f., il. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Programa Multi-institucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, João Pessoa, 2015.
ORELLANO, V. I. F.; QUIOTA, S. Análise do retorno dos investimentos socioambientais das empresas brasileiras. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 51, n. 5, p. 471-484, 2011.
PADOVEZE, Clóvis Luís; BENEDICTO, Gideon Carvalho. Análise das Demonstrações Financeiras. 3ª Ed. Revista e Ampliada. São Paulo: CENGACE Learning
PAIVA, P. R. Contabilidade ambiental: evidenciação dos gastos ambientais com transparência e focada na prevenção. São Paulo: Atlas, 2003.
PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; FERNANDES, Valdir. Gestão empresarial e sustentabilidade. Barueri: Câmara Brasileira do Livro, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 de março de 2021.
PORTER, Michael E.; KRAMER, Mark R. Estratégia & sociedade: O elo entre vantagem competitiva e responsabilidade social empresarial. Harvard Business Review Brasil, p.1-5, dez/2006. Acesso em: 20 de março de 2021.
RIBEIRO, Maísa de Sousa. Contabilidade ambiental. São Paulo: Saraiva, 2010.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.
ROMEIRO, A. R. Economia ou economia política da sustentabilidade? Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 102, setembro de 2001
ROSS, S. A. et al. Fundamentos de administração financeira. 9. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.
ROVER, S.; BORBA, J. A.; BORGET, A. Como as Empresas Classificadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Evidenciam os Custos e Investimentos Ambientais? Revista de Custos e @gronegócio online, v. 4, n. 1, 2008.
SAMPAIO, M. S.; GOMES, S. M. S.; BRUNI, A. L.; DIAS FILHO, J. M. Evidenciação de Informações Socioambientais e Isomorfismo: um estudo com mineradoras brasileiras. Revista Universo Contábil, v. 8, p. 105-122, 2012
SANTOS, Luiz P. R.; SOUZA, Leonice D. Contabilidade ambiental: uma contribuição da ciência contábil à sustentabilidade da gestão ambiental. Disponível em: . Acesso em: 09 de maio de 2021.
SAVITZ, A. W. A empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é o lucro com responsabilidade social e ambiental. 2 ed. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
SCHWEITZER, J. Economics, conservation and development: a perspective from USAID. Vicent, JR, Crawford, EW, & Hoehn, JP Valuing environmental benefits in developing countries: proceedings. Est. Lansing: Michigan State Univ, 1990.
SHIELDS, D.; BELOFF, B.; HELLER, M. Environmental cost accounting for chemical & oil companies: a benchmarking study. Disponível em: . Acesso em: 13 de abril de 2021.
SILVA, Alexandre Alcântara da. Estrutura análise e interpretação das demonstrações contábeis. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2019.
SILVA, V. M.; LUCENA, W. G. L. Contabilidade ambiental: análise da participação no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e a rentabilidade das empresas listadas na [B]3. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 19, n. 2, p. 109-125, 2019.
SILVAS, Adriana R.; CRUZ, Cássia V. O. A. A importância da Contabilidade Ambiental no mundo globalizado. Londrina: UNOPAR, 2007.
SILVEIRA, A. D. M.; YOSHINAGA, C. E.; BORBA, P. R. F. Crítica à teoria dos stakeholders como função-objetivo corporativa. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, janeiro/março 2005.
SOUSA, Valdiva Rossato de; RIBEIRO, Maísa de Sousa. Aplicação da Contabilidade Ambiental na Indústria Madeireira. Eac Fea Usp. ano. (2004): 19 par, Disponível em: . Acesso em: 09 de agosto 2021.
STATUS INVEST. Status Invest: Ações, fundos imobiliários e tudo sobre investimentos. Disponível em: . Acesso em: 28 de abril de 2021.
TINOCO, J. E. P.; KRAEMER, M. E. P. Contabilidade e gestão ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
TINOCO, João Eduardo Prudêncio; KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Contabilidade ambiental e gestão ambiental. São Paulo: Atlas, 2011.
TUPY, O. Investimentos em meio ambiente, responsabilidade social e desempenho econômico-financeiro de empresas no Brasil. Revista de Estudos Politécnicos, v. 6, n. 10, p. 73-86, 2008.
U.S. ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (EPA). Introduction to environmental Accounting as a business management tool: key concepts and terms. Washington, junho 1995.
ULTRAMARI, C. A respeito do conceito de sustentabilidade. Curitiba: Ipardes/IEL-PR.
VITAL, J. T. et al. A influência da participação no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) no desempenho financeiro das em,presas. Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 24, p. 11-40, 2009.
WOOLDRIDGE, J. M. Econometric analysis of cross section and panel data. MIT Press, 2010.
Publicado
2022-05-02