Guia de Avaliação para a Aprendizagem de Inglês por Crianças: elaboração e instrumentos de avaliação

  • Eleonora Sonoda Gomes Universidade Estadual de Londrina
  • Juliana Reichert Assunção Tonelli UEL
Palavras-chave: Inglês; Crianças; Autoavaliação; Instrumentos.

Resumo

Com a crescente oferta do ensino de inglês para os anos iniciais, algumas demandas surgem no âmbito da formação de professores para atuar nesse contexto. Uma dessas demandas é possibilitar reflexões sobre a avaliação para a aprendizagem da língua inglesa nos anos iniciais de escolarização. Usualmente quando falamos em avaliação, pensamos em provas escritas que servem às finalidades somativas revelando uma nota final. No entanto, a literatura da área mostra a importância da avaliação processual que possa indicar para o aluno e para o professor o desenvolvimento da criança, no nosso caso, no que tange à aprendizagem da língua inglesa. Mais especificamente, detivemo-nos à autoavaliação para a aprendizagem como conceito que explora o ato de refletir, com a ajuda do docente, sobre o seu próprio percurso de aprendizagem e também como instrumento de emancipação do aprendiz criança. Os objetivos da pesquisa foram: 1) discutir a autoavaliação como uma proposta no ensino e na avaliação para a aprendizagem de inglês para crianças, e 2) sugerir adaptações de atividades para realizá-la em sala de aula de LI com crianças. Para isso, foram analisados excertos de transcrições da gravação de um curso voltado à educação de professores e professoras de inglês que atuam ou desejam atuar junto a crianças. A partir da literatura especializada e dos dizeres tematizados pelas cursistas, foram sugeridas adequações em atividades que possam ser utilizadas na avaliação para a aprendizagem. Conclui-se que a adequação de instrumentos de avaliação é uma prática que necessita ser promovida entre professores e professoras de inglês com crianças e que, por ser pouco utilizada no Brasil, a autoavaliação necessita ser melhor explorada, em especial, no contexto em tela.

Biografia do Autor

Juliana Reichert Assunção Tonelli, UEL

Professora Associada no Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual de Londrina. 

Referências

ANDRADE, Bárbara. Avaliação na produção oral de língua estrangeira para crianças: uma proposta de acompanhamento do processo de aprendizagem. 2016. 58 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016.
ANDRADE, Heidi; DU, Ying. Student responses to criteria‐referenced self‐assessment. Assessment & evaluation in higher education, v. 32, n. 2, p. 159-181, 2007.
XXX. Ensino de língua inglesa para crianças: um olhar sobre o desenvolvimento de atividades. REVELLI-Revista de Educação, Linguagem e Literatura (ISSN 1984-6576), v. 9, n. 4, 2018.
BIAGIOTTI, Luiz Claudio Medeiros. Conhecendo e aplicando rubricas em avaliações. In: Congresso Brasileiro de Educação a Distância. 2005. p. 1-9.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018, p. 241.
BRASIL, Ministério da Educação. Educação Infantil: Subsídios para a construção de uma sistemática de avaliação. Brasília, p.14, 2012. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11990-educacao-infantil-sitematica-avaliacao-pdf&category_slug=novembro-2012-pdf&Itemid=30192
BREWSTER, Jean; ELLIS, Gail; GIRARD, Denis. The Primary English Teacher’s Guide. London: Penguin, 2002.
CAMERON, Lynne. Teaching English to Young Learners. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
CIRINO, Dayane Rita de Souza; DENARDI, Didie Ana Ceni. Há espaço para o ensino de Inglês para crianças no currículo de cursos de Letras Português-Inglês?. Sêmina: Ciências Sociais e Humanas, v. 40, n. 2, p. 209-224, 2019.
FINARDI, Kyria Rebecca; PORCINO, Maria Carolina. Tecnologia e metodologia no ensino de inglês: impactos da globalização e da internacionalização. Ilha do Desterro, n. 66, p. 239-283, 2014.
FLUMINHAN, Carmem Silvia Lima; MURGO, Camélia Santina; FLUMINHAN, Antonio. O feedback como ferramenta avaliativa e motivadora no processo de aquisição de língua estrangeira. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 19, n. 2, p. 43-58, 2018.
GIRALDO, Frank. A Reflection on Initiatives for Teachers’ Professional Development Through Language Assessment Literacy. Profile Issues in Teachers Professional Development, v. 23, n. 1, p. 197-213, 2021.
GOTO BUTLER, Yuko; LEE, Jiyoon. The effects of self-assessment among young learners of English. Language testing, v. 27, n. 1, p. 5-31, 2010.
GRILLO, Marlene Correro; GESSINGER, Rosana Maria; FREITAS, Ana Lúcia Souza de; CÔRTES, Helena Sporleder; HARRES, João Batista Siqueira; CAMPOS, Márcia de Borba; LIMA, Valderez Marina do Rosário. Por que falar ainda em avaliação? EDIPUCRS: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, p. 45, 2010.
KAWACHI-FURLAN, Cláudia Jotto; ROSA, Marina Márcia. Mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças. Revista Estudos em Letras, v. 1, n. 1, p. 7-20, 2020.
McKAY. P. Assessing young language learners. Cambridge: University Press, 2006.
MORAES, Isadora Teixeira; BATISTA, Estogildo Gledson. Letramento em avaliação para professores de línguas estrangeiras para crianças: orientações teórico-práticas. Revista Horizontes de Linguística Aplicada, v. 19, n. 2, 2020.
NIKOLOV, Marianne. A framework for young EFL learners’ diagnostic assessment:‘Can do statements’ and task types. In: Assessing young learners of English: Global and local perspectives. Springer, Cham, 2016. p. 2.
PÁDUA, Lívia Souza. O portfólio como instrumento avaliativo no ensino-aprendizagem de língua inglesa para crianças. 2016. 56 fls. Trabalho (Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016.

ROCHA, Cláudia Hilsdorf; COSTA, Leny; SILVA, Kleber Aparecido. Inglês para crianças do Ensino Fundamental: visões implícitas da avaliação proposta por um livro didático e as crenças dos professores. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 6, n. 2, p. 79-112, 2006.
SANTOS, Leonor. Auto-avaliação regulada: porquê, o quê e como?. Avaliação das Aprendizagens. Das concepções às práticas, p. 75-84, 2002.
SCARAMUCCI, Matilde Virginia Ricardi. Avaliação de rendimento e ensino-aprendizagem de português como língua estrangeira. In: ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. (Org.). Parâmetros atuais para o ensino de português língua estrangeira, p. 75-88. Campinas: Pontes, 1997.
SILVA, Liliana Raquel Barros. A autoavaliação: um pilar para o sucesso dos alunos. 2013. Tese de Doutorado. Instituto Politécnico do Porto. Escola Superior de Educação.
SIQUEIRA, Sávio; BARROS, Kelly Santos. Por um ensino intercultural de inglês como língua franca (For an intercultural teaching of English as a lingua franca). Estudos Linguísticos e Literários, v. 2, n. 48, 2013.
XXX. O parecer descritivo na avaliação do ensino e da aprendizagem de crianças aprendendo inglês como língua estrangeira. PERcursos Linguísticos, v. 9, n. 23, p. 110-129, 2019.
XXX. A autoavaliação como instrumento para o ensino-avaliação-aprendizagem de língua inglesa para crianças. Self-assessment as an instrument for teaching-assessment-learning of english language for children. Revelli - Revista de Educação, Linguagem e Literatura, v. 12, 2020.
XXX. O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças. Calidoscópio, v. 8, n. 1, p. 65-76, 2010.
XXX. A sequência didática como uma proposta de instrumento de avaliação de aprendizagem de inglês para crianças. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 52, p.508 - 530, dez, 2016.
XXX. Saberes necessários ao professor para avaliar a aprendizagem de crianças na sala de aula de línguas estrangeiras. fólio, v. 11, n. 1, 2019.
VIEIRA, Isabel Maria Antunes. A autoavaliação como instrumento de regulação da aprendizagem. 2013. 153p. Dissertação (Mestrado em Supervisão Pedagògica) – Universidade Aberta, Lisboa, 2013.
Publicado
2022-06-03