Adaptando o Fantan: Uma Possibilidade para organizar o Ensino de Divisão Euclidiana para Estudantes com Deficiência Visual

  • Amanda Pasinato Cruz Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Felipe Meira Goinski Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Natalia Mota Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Maria Lucia Panossian Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Ensino de matemática, Deficiência Visual, Divisão Euclidiana, Atividade Orientadora de Ensino.

Resumo

A formação inicial de professores atentos às necessidades de estudantes com deficiência visual é o tema deste artigo. Para atender o objetivo de analisar as adaptações do jogo Fantan realizadas por licenciandos para potencializar o ensino de divisão euclidiana para deficientes visuais, foram analisados dados obtidos através de um projeto de extensão com a participação de estudantes do curso de Matemática durante um semestre letivo. No projeto, os licenciandos tiveram a possibilidade de organizar o ensino de matemática para estudantes com deficiência visual ao elaborar situações desencadeadoras de aprendizagem. Através dos elementos da Atividade Orientadora de Ensino foram analisadas ações de um subgrupo que adaptou o jogo Fantan para estudantes cegos e com baixa visão de idade entre 8 e 11 anos. As ações dos licenciandos revelaram a preocupação com o desenvolvimento do conceito matemático de divisão euclidiana, e o cuidado com adaptação do material, tornando-o acessível a todos.

Biografia do Autor

Maria Lucia Panossian, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Departamento de Matemática da UTFPR-CT

Referências

PANOSSIAN, Maria Lucia; MOURA, M. O.de. O jogo Fantan: explorações didáticas. In: Anais do X ENEM - ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2010, Salvador. Educação Matemática, Cultura e Diversidade, 2010. Disponível em: <http://www.lematec.net.br/CDS/ENEM10/artigos/RE/T4_RE438.pdf> Acesso em: 24 Ago. 2018.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação a Distância. Salto para o futuro: Educação Especial: tendências atuais. Brasília: SEED, 1999. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002692.pdf>. Acesso em: 26 out. 2018.

BRASIL. SENADO FEDERAL. Lei nº 13.146. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/513623/001042393.pdf>. Acesso em: 26 out. 2018.

BRASIL. Lei nº. 9.394. Estabelece as Diretrizes e Bases para a educação nacional. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf>. Acesso em: 26 out. 2018.

DIAS, Camila Ehrat. Uma possibilidade de ensino de polinômios para cegos. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em matemática na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Curitiba: 2017.

KRANZ, Cláudia Rosana. O desenho universal pedagógico na Educação Matemática inclusiva. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia, personalidad. 2. ed. Havana: Pueblo y Educación, 1983.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003. (Coleção cotidiano escolar). Disponível em: <https://acessibilidade.ufg.br/up/211/o/INCLUS%C3%83O-ESCOLARMaria-Teresa-Egl%C3%A9r-Mantoan-Inclus%C3%A3o-Escolar.pdf?1473202907>

MOURA, M.O de. A atividade pedagógica na teoria histórico cultural. Brasília: LiberLivro, 2010.

MOURA, M.O. de., et al. ATIVIDADE ORIENTADORA DE ENSINO: unidade entre ensino e aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 205-229, jan./abr. 2010. Curitiba, 2010. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3094/3022>. Acesso em: 07 dez. 2018.

OLIVEIRA, Luiza Maria Borges. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR); Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD); Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012. Disponível em: . <http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf>. Acesso em 07 dez. 2018.

PORTAL MEC. Ministério da Educação. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Espanha, 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 26 out. 2018.

Publicado
2019-02-28
Seção
Diversidade, Diferença e Inclusão em Educação Matemática