CONSIDERAÇÕES SOBRE OS DETERMINANTES DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA AMÉRICA LATINA: DOS ANOS DE 1980 AO INÍCIO DO SÉCULO XXI

  • Carlos José Espíndola UFSC

Resumo

Após duas décadas de crescimento econômico pífio, em decorrência da crise da divida externa nos anos de 1980 e das políticas neoliberais ditadas pelo “Consenso de Washington” nos anos de 1990, a América Latina apresentou, a partir dos anos 2000 um período de crescimento econômico que se traduziu em uma melhor distribuição de renda uma significativa redução do nível de pobreza e uma redução do nível de desemprego. Diante deste quadro, o objetivo geral deste texto é desvendar, com base no levantamento bibliográfico e coleta de dados, os principais determinantes responsáveis pelo desenvolvimento econômico da América Latina entre 1980 e o início do século XXI. A conclusão geral é que houve uma combinação entre fatores internos e os fatores externos na alavancagem do crescimento econômico.

Biografia do Autor

Carlos José Espíndola, UFSC

Professor do Departamento de Geociências da UFSC

Referências

ANDRADE, Gabriel, V. M. Políticas Públicas Brasileiras: Uma avaliação do Programa Minha Casa, Minha Vida. Rio de Janeiro, 2012. 172 f. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2012.

ARAUJO, T. B. “Desenvolvimento regional brasileiro e políticas públicas federais no governo Lula”. In: SADER, Emir (Org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. p. 157-172. São Paulo: Boitempo, 2013.

ARROYO, Monica. A vulnerabilidade dos territórios nacionais latino-americanos: o papel das finanças. In: Questões territoriais na América Latina. LEMOS A. I. G. de; SILVEIRA M. L., ARROYO M. (orgs) Buenos Aires, Ed. Clacso, 2006.

BALANCO, P. et al. A crise econômica e a desarticulação social na América Latina:

o endividamento estrutural. Bahia Análise & Dados. v. 13, n. 3, p. 677-691. Salvador, 2003.

BANDEIRA, L. A. M. As políticas neoliberais e a crise na América do Sul In: Rev. Bras. Polít. Int. 45 (2) p. 135-146, 2002.

BLACK, C. Eventos relacionados ao superciclo de preços das commodities no século XXI. In: Indicadores Econômicos FEE, v. 40. n. 2, Porto Alegre, 2013.

BRANDÃO, R. V. da M. Reformas Neoliberais na América Latina In: Aedos, Porto Alegre, v. 9, n. 21, p. 31-56, 2017

BRASIL. Ministério do Planejamento Desenvolvimento e Gestão. Boletim sobre investimentos chineses no Brasil n.7, Brasília, 2018.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A crise da América Latina: consenso de washington ou crise fiscal? In: Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 21 n. 1, p. 3-23 1991.

CANO, W. América Latina: notas sobre a crise atual In: Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 3 (37), p. 603-621, dez. 2009.

CARDOSO, E. A; FISHLOW, A. Desenvolvimento econômico na América Latina: 1950-80. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, v. 44, n.3, p. 311-35, 1990.

CASTRO A. B. & SOUZA, F. E. P. A Economia Brasileira em Marcha Forçada. 2ª.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1985.

CAVALCANTE, P. et al. Democracia e Desempenho Econômico: uma abordagem comparada da América Latina In: 8º Encontro da ABCP. Gramado, RS 2012

CEBC. Conselho empresarial Brasil-China, Investimento Chineses no Brasil, 2017.

CEPAL. Comisión Económica para América Latina y el Caribe Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe: Recuperação num contexto de incerteza. Documento Informativo. Santiago: Cepal, 2017.

______. Series Históricas de Estadísticas Económicas de América Latina y el Caribe 1950-2008. Santiago: Cepal, 2009.

______. Estudo econômico da América Latina e do Caribe. Documento Informativo. Santiago: Chile, 2015.

______. Panorama social da América Latina e Caribe. Documento Informativo. Santiago: Cepal, 2012.

DAMICO, F. O Programa Minha Casa, Minha Vida e a Caixa Econômica Federal. In: Costa, J, C et. Al (orgs.). O desenvolvimento econômico brasileiro e a Caixa: trabalhos premiados. Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento/ Caixa Econômica Federal, Rio de Janeiro, 2011.

DELGADO, P. R., BESEN, G. M. V. Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul In: Nota Técnica. n. 1 IPARDES, Curitiba, 2010.

ESPÍNDOLA, Carlos. J. A dinâmica geoeconômica do agronegócio brasileiro de carnes e soja. In: LAMOSO, L. P. (Org.). Temas do desenvolvimento econômico brasileiro e suas articulações com o Mato Grosso do Sul. Curitiba: Íthala, 2016. p. 19-53.

________. Desempenho Exportador Brasileiro e o Transporte de Cargas nos Portos e Terminais de Uso Privativo. In: Cadernos Geográficos, n. 32. Florianópolis, 2014.

GONÇALVES, R. Liberalização econômica, desigualdade e pobreza na América Latina no século XXI. Os modelos de desenvolvimento econômico fazem alguma diferença? Texto para Discussão. n. 001, Instituto de Economia. UFRJ, Rio de Janeiro, 2018

IEDI, Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. O perfil do IED no mundo e a posição do Brasil, 2018

JANK, M. S. Entendendo a queda de preços das commodities. 2013. Disponível em: <http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,entendendo-a-queda-de-preco-das-commodities-imp-,1066204>. Acesso em: 5 jun. 2015.

IPEA. Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada. Bolsa Família 2003-2010: avanços e desafios Volume 1. Brasília. 2010. Disponível em: http://ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_bolsafamilia_vol1.pdf

MAMIGONIAN, Armen. Qual o futuro da América Latina? In: Questões territoriais na América Latina. LEMOS A. I. G. de; SILVEIRA M; L., ARROYO M. (org) Buenos Aires, Ed. Clacso, 2006.

MAMIGONIAN, A. América Latina e a economia Mundial: Notas sobre o caso chileno, mexicano e Brasileiro. Geosul, n. 14, v. 28, p. 139-151, Florianópolis, 1999

_________.O enigma Brasileiro atual: Lula será devorado. Revista Ciência Geográfica. AGB:BAURU. Ano X, v. X, n. 2, 2004.

MARQUES, R. M.; A. MENDES. O social no governo Lula: construção de um novo populismo em tempos de aplicação de uma agenda neoliberal. Revista de Economia Política, v. 26, n. 1, p.58-74. 2006.

MATTOSO, J. Produção e Emprego: Renascer das Cinzas. In: LESBAUPIN, Ivo (Org.). O Desmonte da nação. Balanço do governo FHC. Vozes, Petrópolis, Brasil. p. 24-56. 1999.

MEDEIROS C. A, CINTRA, M. R. V. Impacto da ascensão chinesa sobre os países latino-americanos. Revista de Economia Politica, vol. 35, n. 1, p. 28-42, 2015.

MIRZA, C. A Problemas emergentes en políticas sociales el foco en el MERCOSUR In: COSTA, L. C., NOGUEIRA, V. M. R., and SILVA, V. R., (orgs). A política social na América do Sul: perspectivas e desafios no século XXI. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2013, p. 43-60.

NAKAHODO, S. N.; JANK, M. S. A falácia da doença holandesa no Brasil. Documento de pesquisa. São Paulo: Ícone, 2006.

NONNENBERG, M. J. B. Exportações e inovação: uma análise para América Latina e sul-sudeste da Ásia. Texto para Discussão 1579, IPEA, Rio de Janeiro, 2011.

MUNHOZ, D G. América Latina ortodoxia econômica e dependência financeira

R. Econ. Contemp., Rio de Janeiro, 6(1) p. 7-23, 2002.

NETO, A. D. O Desemprego é âncora do Real. BENJAMIN, C. ELIAS, L. A., MINEIRO, A. dos S.(org). Visões da crise. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 95-109. 1999.

PANIZZA, F. La Marea Rosa. Análise de Conjuntura – Observatório Político

Sul-americano, n. 8, 2006.

PASE, H. L., MELO, C. C. Políticas públicas de transferência de renda na América Latina In: Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 51(2) p. 312-329, 2017.

PAULA, L. F.; PIRES, M. Crise e perspectivas para a economia brasileira. Revista de Estudos Avançados, n. 31 v. 89, p. 125-144. 2017.

PAULANI, L. Brasil Delivery. Boitempo, São Paulo, Brasil. 2008.

PRATES, D. M. A alta recente dos preços das commodities. In: Revista de Economia Política, São Paulo: v. 27, n. 3, p. 323-344, jul./set. 2007.

RANGEL I. M. Economia: milagre e anti-milagre. Rio de Janeiro: Zahar.1985.

RODRIGUES1 B. S., HENDLER, B. Investimento externo chinês na América Latina e no Sudeste Asiático: uma análise de escopo, valores e setores-alvo In: estudos internacionais. Belo Horizonte, I, v.6 n.3, p.5-25, 2018.

SADER, E. (org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma.

São Paulo: Boitempo, 2013.

SANTOS, W. G. dos. A Democracia impedida: o Brasil no século XXI. FGV Editora. Rio de Janeiro, Brasil. 2017.

SANTOS, L. B. Estado, Industrialização e os Espaços de Acumulação das multilatinas. 2012. 230f. Tese (Doutorado),Curso de Geografia, UNESP, Presidente Prudente, 2012.

SANTOS, B. G dos O ciclo econômico da América Latina dos últimos 12 anos em uma perspectiva de restrição externa.Revista do BNDES 43. Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, T. A América Latina na Encruzilhada. Revista Brasileira de Administração Publica v. 6 n. 2, 2013.

SICSÚ, J. Dez anos que abalaram o Brasil. E o futuro? Geração Editorial, São Paulo, Brasil. 2013.

SILVA, T. T.; CORREA, V. H. C. A crise mundial dos alimentos e a vulnerabilidade dos países periféricos. 2009. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/CriseAlimentosVersaofinal_17112009.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2015.

SILVA, J. G. A expansão da rede federal de educação profissional, cientifica e tecnológica na região Sul do Brasil. ENCONTRO NACIONAL DA ANPEGE, 11, 2015, Presidente Prudente. Anais... Presidente Prudente: UFGD Editora, p. 11150-11162, 2015

SILVA, F. P. da . “Até onde vai a ‘onda rosa’?” Análise de Conjuntura – Observatório Político Sul-americano, nº 2, 2010.

SINGER, A. “A (falta de) base política para o ensaio desenvolvimentista”. In: SINGER, A.; LOUREIRO, I. (Org.). As contradições do Lulismo. p. 21-55. Boitempo, São Paulo, 2015.

TAVARES, M. da C.; FIORI, J. L. Desajuste global e modernização conservadora. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

TOREZANI T. A., PIPER, D. O. Comércio exterior dos países sul-americanos: uma investigação 20 anos após o Consenso de Washington. In: Revista Economia Ensaios, Uberlândia (MG), 27(1), p. 69-86, 2012.

Publicado
2019-11-26
Seção
Artigos