A RELAÇÃO ENTRE LEPTOSPIROSE, PRECIPITAÇÃO E AÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL - BRASIL

  • Lorrane Barbosa Alves Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Brasil. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboratório de Geografia Física
  • Rafael Brugnolli Medeiros Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Brasil. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboratório de Geografia Física
  • Charlei Aparecido da Silva Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Brasil. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboratório de Geografia Física
  • André Geraldo Berezuk Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Brasil. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboratório de Geografia Física

Resumo

No Brasil, um dos principais elementos climáticos causadores de desastres naturais é o volume concentrado de precipitação, acarretando também, fatores impactos negativos para a sociedade, tendo como exemplo as doenças relacionadas a veiculação hídrica. O presente trabalho tem como objetivo identificar se há relação do volume das precipitações e das zonas climáticas com o aumento de casos de leptospirose ao longo dos anos de 2001 a 2015 no Estado de Mato Grosso do Sul, auxiliando, assim, na possível elaboração de medidas mitigadoras para evitar e/ou reduzir a contaminação dos indivíduos. Para tanto, os procedimentos metodológicos consistiram em coletar dados junto ao Ministério da Saúde – DATASUS, sobre os casos leptospirose, bem como adquirir um referencial bibliográfico para analisar o clima e suas influências sobre doenças de veiculação hídrica, utilizando para a espacialização das informações, o SIG ArcGis 10®. Como resultados, apontou-se que as regiões que mais chovem no estado, que estão situadas na região Centro-Norte e Sudoeste do Estado, são justamente onde encontram-se os maiores casos de leptospirose, o que evidencia a influência das chuvas para com a disseminação da doença. Entretanto, os dados revelam, concomitantemente, que a falta de saneamento, de adequado planejamento urbano e territorial e mesmo de conscientização/sensibilização pública contribuem com o surgimento/alastramento dos casos da doença.

Referências

AMARAL, Rosangela do; RIBEIRO, Rogério R. INUNDAÇÃO E ENCHENTE. In: TOMINAGA, L.K.; SANTORO,J.; AMARAL,R. (org.) Desastres Naturais: Conhecer para Prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009. Cap.3.

AYOADE, J. O. (2002). Introdução à climatologia para os trópicos. Tradução Maria Juraci Zani dos Santos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p.291

CAMPOS, M. Reportagem “entra na água” e registra desespero de morados no Jardim Alvorada. TL NOTÍCIAS. 2015. Disponível em: <http://www.tlnoticias.com.br/noticias/reportagem-entra-na-agua-e-registra-desespero-de-moradores-no-jardim-alvorada> Acesso: 01 set. 2018.

GONCALVES, M. A.; LEAL, A. C. ; REZENDE FILHO, A. T. ; SILVA, C. A. ; IKUTA, F. A. ; RIBEIRO, J. C. . Resíduos sólidos urbanos: diagnóstico do gerenciamento na bacia do rio Ivinhema. 1. ed. Campo Grande: Editora da UFMS, 2016. 369p .

GUIMARÃES, R.M. et.al. Análise Temporal da relação entre leptospirose e a ocorrência de inundações por chuvas no município de Rio de Janeiro, Brasil, 2007-2012. Ciência e Saúde coletiva. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n9/1413-8123-csc-19-09-3683.pdf > Acesso em: 09 jul. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/ > Acesso em: 18 jul. 2017.

KLOCK, A. B. Desastres ambientais e políticas territoriais no Estado do Mato Grosso do Sul: recriando uma defesa civil. Dourados, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal da Grande Dourados, 2018. 253 p. (Tese de Doutorado)

LIMA, L. Três Lagoas fica alagada, após pouco mais de uma hora de chuvas fortes e ininterruptas. Perfil News. Três Lagoas/MS, 26 fev. 2015. Disponível em: https://www.perfilnews.com.br/noticias/tres-lagoas/tres-lagoas-fica-alagada-apos-pouco-mais-de-uma-hora-de-chuvas-fortes-e-ininterruptas Acesso em: 13 set. 2018

MARCELINO, E.V. DESASTRES NATURAIS E GEOTECNOLOGIA: CONCEITOS BÁSICOS. Santa Maria: CRS/INPE, 2008. p.12.

MARQUES, J. de P. A. Diagnóstico e análise das condições dos resíduos sólidos urbanos de Dourados (MS). Dourados, Programa de Pós-Graduação em Geografia 2011. 200p. (Dissertação Mestrado

MENDONÇA, F. Aspectos da interação clima-ambiente-saúde humana: da relação sociedade-natureza à (in)sustentabilidade ambiental. R. RA’EGA, Curitiba, n. 4. p. 85-99. 2000. Editora da UFPR

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Glossário de Doenças Relacionadas à Água. 2010. Disponível em: < https://www.aguabrasil.icict.fiocruz.br/index.php?pag=doe > Acesso em: 18 jul. 2017.

MIRANDA, P; LIMA, L. Chuva forte faz cartão postal de Três Lagoas “transbordar”. Perfil News. Três Lagoas/MS, 26 fev. 2015. Disponível em: https://www.perfilnews.com.br/noticias/tres-lagoas/chuva-forte-faz-cartao-postal-de-tres-lagoas-transbordar Acesso em: 01 set. 2018

NASCIMENTO, L. Prevenção/ Leptospirose. Associação de Deficientes visuais e Amigos (ADEVA), s/d. Disponível em: <http://www.adeva.org.br/jornalconviva/artigo_detalhe.php?jornal=21&registro=564> Acesso em: 10 jul. 2017.

NUNES, B.B. S; MENDES, P.C. CLIMA, AMBIENTE E SAÚDE: UM RESGATE HISTÓRICO. Revista Caminhos de Geografia. v. 13, n. 42. jun/2012. p. 258–269.

RIBEIRO, L. Chuva alaga ruas do centro e danifica pontes na região rural de Bonito. Campo Grande News, Campo Grande/MS, 29 nov. 2017. Disponível em: https://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/chuva-alaga-ruas-do-centro-e-danifica-ponte-na-regiao-rural-de-bonito Acesso em: 01 set. 2018

RODRIGUES, L. Temporal deixa rastro de destruição após ventania, enchentes e alagamentos. Campo Grande News. 2016. Disponível em: <https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/temporal-deixa-rastro-de-destruicao-apos-ventania-enchente-e-alagamento> Acesso: 01 set. 2018.

RODRIGUES, F. CEMTEC na mídia: Chuvas em São Gabriel do Oeste. Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul (CEMTEC/MS), 2017. Disponível em: http://www.cemtec.ms.gov.br/?p=1299 Acesso: 01 ago. 2018.

SOARES, J.A.S. et al. Impactos da Urbanização Desordenada na Saúde Pública: Leptospirose e Infraestrutura Urbana. Revista Polêmica. v.13, nº1, p. 1006-1020, 2014. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/9632/7672> Acesso em: 12 jul. 2017.

SOARES, N. K. C. ; SILVA, C. A. . Políticas públicas aplicadas aos resíduos sólidos urbanos no estado do Mato Grosso do Sul: o contexto da bacia hidrográfica do rio Ivinhema. Revista Formação (Presidente Prudente), v. 4, p. 137-160, 2017.

SOUZA, C.G.; NETO, J.L.S. Geografia da Saúde e Climatologia Médica: ensaios sobre a relação clima e vulnerabilidade. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. p. 116-126, Jun/2008.

PORTAL DA SAÚDE. Situação Epidemiológica/Dados. s/d. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/situacao-epidemiologica-dados> Acesso em: 12 jul. 2017.

PORTAL DA SAÚDE. DATASUS. s/d. Disponível: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203> Acesso em: 10 jul. 2017.

ZAVATTINI, J.A. Dinâmica Climática no Mato Grosso do Sul. Geografia, Rio Claro, 17(2): 65-91, outubro/1992.

Como Citar
ALVES, L. B.; MEDEIROS, R. B.; SILVA, C. A. DA; BEREZUK, A. G. A RELAÇÃO ENTRE LEPTOSPIROSE, PRECIPITAÇÃO E AÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL - BRASIL. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros Seção Três Lagoas, n. 28, p. 133-150, 11.
Seção
Artigos