A INTENSIDADE TECNOLÓGICA DAS EXPORTAÇÕES DA REGIÃO OESTE PAULISTA PARA OS BRICS (BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA, CHINA E AFRICA DO SUL)

  • Tainá Akemy Chiaveri Iwata Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciência e Tecnologia - Campus de Presidente Prudente.

Resumo

O avanço da globalização e o desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação favoreceu o comércio internacional. As empresas passaram a buscar melhoria de produtos, de serviços, para tornarem-se competitivas para inserir na economia globalizada. Nesse contexto, ao longo dos últimos anos o Brasil vem expandindo suas relações comerciais entre vários países, inclusive com o Brics, o que proporcionou uma transformação na economia brasileira, ocasionando no crescimento da economia, principalmente no período 2003 até 2014, que obteve maior participação no cenário internacional. Dentre os estados brasileiros, o estado de São Paulo é o que possui o mais amplo parque industrial do país, é nesse contexto que se insere a região Oeste Paulista, o processo de industrialização da região ocasionou na expansão e no aumento seu polo industrial, além da comercialização, que ultrapassa as demandas nacionais. O presente texto tem como objetivo analisar as exportações e o grau de intensidade tecnológica dos produtos exportados pela região Oeste Paulista em relação aos países dos BRICS, destacando os municípios de Araçatuba, Marília, Presidente Prudente e São José do Rio Preto.

Referências

ALMEIDA, P. R. O BRIC e a substituição de hegemonias. In: BAUMANN, R. (org.). O Brasil e os Demais BRICs: Comércio e Política. Brasília, CEPAL, 2010.

ARRIGHI, G. Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. São Paulo: Boitempo, 2008.

ARRIGHI, G. O Longo Século XX: dinheiro, poder e as origens de nosso tempo. UNESP, Rio de Janeiro, 1995.

AYEBER, L, F. Estados Unidos e América Latina: a construção da hegemonia. São Paulo: ed. UNESP, 2002.

BANCO MUNDIAL. World Development Indicators Database. Disponível em: <http://databank.worldbank.org/data/reports.aspx?source=2&series=NY.GDP.MKTP.CD&country=# > Acesso: 28 Set. 2018.

BARBOSA, R. O Brasil, os BRICS e a agenda internacional. Policy paper. 2. ed. rev. ampl. Brasília: FUNAG, 2013, p. 223.

BAUMANN, R. Os novos bancos de desenvolvimento: independência conflitiva ou parcerias estratégicas? Revista de Economia Política, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 287-303, jun. 2017. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010131572017000200287&lng=pt& nrm=iso>. Acesso em: 04 abril 2018.

BAUMANN, R., (org). O Brasil e os demais BRICs – Comércio e Política. Brasília, IPEA, p.179, 2010. Disponível em: <https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/1396-o-brasil-os-demais-brics-comercio-politica>. Acesso em: 02 mar. 2018.

BAUMANN, R.; [et al.]. BRICS: estudos e documentos, FUNAG, p.350. Brasília, 2015. Disponível em: <http://funag.gov.br/loja/index.php?route=product/product&product_id=744> Acesso em: 02 mar. 2018.

BERGGRUEN, N., GARDELS, N. Governança inteligente para o século XXI: uma via intermediária entre ocidente e oriente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

BESHARATI, N., ESTEVES, P. Os BRICS, a cooperação sul-sul e o campo da cooperação para o desenvolvimento internacional. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 37, n. 1, p. 289- 330, abril, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010285292015000100289&lng=en&nr m=iso>. Acesso em: 04 dez 2018.

BHAGWATI, Jadish. Regionalism and Multilateralism. In: MELO, Jaime de; PANAGARIYA, Arvind (Coord.). New Dimensions in Regional Integration. Cambridge University Press, 1995.

CARMONA, R. A geopolítica do BRICS. Revista Princípios, São Paulo, n. 131, p. 37-42, Julho, 2014.

CARMONA, R. O RETORNO DA GEOPOLÍTICA: A ASCENSÃO DOS BRICS. Austral: Revista Brasileira de Estratégia & Relações Internacionais. Rio Grande do Sul, v.3, n.6, p. 37-72, Jul-Dez, 2014.

CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora Unesp/IE. Unicamp, 2002

CASAGRANDE, D. L.; ILHA, A. S.; FÜRH, J. Comércio bilateral Rio Grande do Sul-China: uma análise de 2000-2010. In: ENCONTRO DE ECONOMIA GAÚCHA, 6, 2012, Porto Alegre (RS). Anais. FEE: PUCRS, 2012.

CASELLA, P. B. BRIC - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul: uma perspectiva de cooperação internacional. São Paulo. Atlas, 2011.

CASELLA, P. B. BRIC - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul: uma perspectiva. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo: SP, São Paulo, v. 105 p. 435 - 472 jan. /Dez. 2010. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67909>. Acesso em: 02 mar. 2018.

CORREA, L. F. N. O MERCOSUL e a OMC: Regionalismo e Multilateralismo. São Paulo: Ltr Editora, 2001.

COSTA, W. M. da. Geografia Política e geopolítica - discurso sobre o território e o poder. São Paulo: Edusp, 1992.

FEISTEL, P. R.; MISSAGGIA, S. Z. O intercâmbio comercial Rio Grande do Sul –China: concentração, desempenho e perspectivas. In: ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE, 8, 2014, Rio do Sul (SC).

FIORI, J.L. O poder global e a nova geopolítica das nações. São Paulo, Boitempo Editorial, 2007.

FLEMES, D. O Brasil na iniciativa BRIC: soft balancing numa ordem global em mudança? Revista brasileira de Política Internacional, Brasília, v. 53, n. 1, p. 141-156, Jul 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003473292010000100008&lng=en&nr m=iso>. Acesso em: 13 abril 2018.

FUKUYAMA, F. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro (RJ): Rocco, 1992.

GOMES, M. T. S. O processo de reestruturação produtiva em cidades médias do oeste paulista: Araçatuba, Birigui, Marília, Presidente Prudente e São José do Rio Preto. 2007. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Acesso em: 17 fev 2019.

GOMES, M. T. S. Reestruturação Produtiva em Cidades Médias: Uma Análise das Empresas Industriais do Oeste Paulista. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, nº 28, pp. 93 - 103, 2010.

GONÇALVES, R; BAUMANN, R; PRADO L. C; CANUTO, O. A Nova Economia Internacional. Uma Perspectiva Brasileira, Rio de Janeiro, Ed. Campus, 1998.

HAESBAERT, R. (Org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Niterói: UFF, 2013, p. 113-136.

HUOTARI, M.; HANEMANN, T. As potências em ascensão e mudanças na “Ordem Financeira Global". Potências emergentes e desafios globais, ano 13, v. 2, p. 33-57. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2013

HURREL, A; et al. Os BRICS e a Ordem Global. Rio de Janeiro: FGV, 2009. 168 p.

HURRELL, A. Hegemonia, liberalismo e ordem global: qual é o espaço para potências emergentes? In: HURRELL, Andrew. (Org). Os BRICS e a Ordem Global. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: 28 set 2018.

KENNEDY, P. Ascensão e queda das grandes potências: transformação econômica e conflito militar de 1500 a 2000. Rio de Janeiro: ed. Campus, 1989.

LIMA, M. R. S. Brasil e polos emergentes do poder mundial: Rússia, Índia, China e África do Sul. In: BAUMANN, Renato (org.). O Brasil e os Demais BRICs: Comércio e Política. Brasília: CEPAL, 2010.

MDCI - Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Base de dados do comércio exterior brasileiro. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/base-de-dados-do-comercio-exterior-brasileiro-arquivos-para-download> Acesso em: 28 Set. 2018.

NOGUEIRA, G. BRICS: Potencial de Desenvolvimento e Desafios para a Construção de um Novo Cenário Econômico Mundial. São Paulo: Editora Saint Paul, 2013.

O’NEILL, J. Building Better Global Economic BRICs. Global Economics Paper 66, November 2001. Disponível em: http://www2.goldmansachs.com/ideas/brics/building-better-doc.pdf Acesso em: 29/06/2011

OEC. The observatory of economic complexity. Exportação e Importação brasileira. Disponível em: <https://atlas.media.mit.edu/pt/profile/country/bra/>. Acesso em: 28 set. 2018.

OMC Trade Profiles - Organização Mundial do Comércio. 2016 Disponível em:<http://stat.wto.org/CountryProfile/WSDBCountryPFView.aspx?Language=E&Country=BR%2cCN%2cIN%2cRU%2cZA> Acesso em: 28 Set. 2018.

O'NEILL, J. O mapa do crescimento: oportunidades econômicas nos BRICs e além deles. 1ª edição. São Paulo: Globo, 2012.

PREFEITURA DE SÃO JOSE DO RIO PRETO. Disponível em <https://www.riopreto.sp.gov.br/>. Acesso em: 12 fev 2019

SAGUIN, A. L. A evolução e a renovação da Geografia Política. In: Boletim Geográfico. Rio de Janeiro. IBGE, ano 35, N. 235. p. 5-23, 1977.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de dados. Portal de estatísticas do Estado de São Paulo. Disponível em: <https://www.seade.gov.br/#> Acesso em: 28 Set 2018.

SICSÚ, J. Rumos e definições da política econômica brasileira: do plano A de FHC para o plano A+ de Lula. In: SICSÚ, J. Emprego, juros e câmbio – Finanças globais e desemprego. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

SOARES, R. B.; SANTOS, É. H. dos. BRICS: compreender o contexto "brics" e qual sua importância para o Brasil. XXXVIII ENANGRAD. Brasília, agosto 2017. Disponível em: <http://www.enangrad.org.br/pdf/2017_ENANGRAD110.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2018

VIEIRA, F. V.; VERÍSSIMO, M. Crescimento econômico em economias emergentes selecionadas: Brasil, Rússia, Índia, China (BRIC) e África do Sul. Econ. Soc., Campinas v. 18, n. 3, p.513-546, dez, 2009. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642750> Acesso em: 02 mar 2018.

VIZENTINI, P. F. 2004. Relações Exteriores do Brasil (1945-1964): O nacionalismo e a política externa independente. Petrópolis: Vozes, 2004. 279p.

ZAKARIA, F. O mundo pós-americano. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Publicado
2019-10-30
Seção
Artigos