HORÁRIO GRATUITO DE PROPAGANDA ELEITORAL: A ELOQUENCIA DOS DISCURSOS E A PRODUÇÃO DOS EFEITOS DE SENTIDO DOS CANDIDATOS NAS ELEIÇÕES ESTADUAIS EM MATO GROSSO DO SUL EM 1998.

Suellen Cerqueira Souza

Resumo


Este artigo é um fragmento das reflexões da dissertação de mestrado ainda em fase embrionária, e tem como objeto as eleições estaduais ocorridas no estado de Mato Grosso do Sul em 1998.A partir da análise do Horário Político de Propaganda eleitoral (HGPE) exibido no período pelos candidatos: Pedro Pedrossian, Ricardo Bacha e Zeca do PT, este último foi o vencedor da disputa. Problematizamos da seguinte maneira: como a propaganda exibida produz efeitos de sentido conforme as competências discursivas de cada candidato. Conforme o referencial teórico metodológico que envolve a Análise do Discurso, compreendemos que o sentido não tem origem nem nos interlocutores e nem na língua, mas se constitui na relação entre interlocutores no uso da língua, frente às condições sociais de produção do enunciado. Nesse sentido, nossa análise vai de encontro a buscar elementos que nos auxiliem a compreender em que medida as condições de produção da propaganda produzida para o HGPE (específica desta eleição) afeta o discurso dos candidatos. Percebendo o sentido, concebido como efeito, não é algo que se origina do apelo eloqüêncial dos candidatos, mas da relação de pertencimento que ele mantém com sentidos já produzidos, reconhecidos socialmente no âmbito voltado para os possíveis eleitores. Para a verificação de nossas premissas, realizamos análises das propagandas, as compreendendo como fontes históricas relevantes, e utilizando os métodos da história articulados ao referencial teórico metodológico da Análise do Discurso.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Afonso de. Política versus televisão: o Horário Gratuito na campanha presidencial de 1999. In: Comunicação & Política, n.s., vol I, n 3, p. 49-54, 1995.

_____________. Aqui você vê a verdade na teve: A propaganda política na televisão. Niterói: MCII (Publicações do Mestrado em Comunicação, Imagem e Informação), 1999.

ALMEIDA,AlbertoCarlos.PorqueLula?Ocontexto e as estratégias políticas que explicam a eleição e a crise. Rio de Janeiro, Editora Record, 2006.

BARTHES, Roland, Mitologias. Trad. Rita Buomgermino, Pedro de Souza e Rejane Janowitzer. 3a ed. Rio de Janeiro: Difel, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder Simbólico. Lisboa: Diefel/Bertrand, 1989.

BOBBIO, Norberto. (org.). Dicionário de política. Brasília: UNB, 1986. CANETTI, Elias. Massa e poder. São Paulo: Companhia das letras, 1995

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. 26a ed. São Paulo: Editora palas Athena, 2008.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Narrativa, Sentido e História. São Paulo,1997,Papirus

CHARTIER, Roger. À Beira da Falésia: A história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre,1997 Ed. Universidade/UFRGS

FERREIRA, M. C. L. A ciranda de sentidos. IN: Discurso midiático: sentidos de memória e arquivo, ROMÃO, L. M. S.; GASPAR, N. R. (orgs). São Carlos: Pedro & João Editores, 2008

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996

FERREIRA, Marieta de Moraes. A nova velha história: O retorno da história política. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, pp. 265-271.

GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias Políticas. Tradução: Maria Lúcia Machado. São Paulo. Ed.Cia das Letras,1987

RENÉ Remond (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Fundação Getulio Vargas, 1997. 472 p.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social e discurso sobre a economia política. São Paulo, SP: Hemus, 1981.

SANTOS, Boaventura de Souza. Una nueva cultura política emancipatoria. In: Boaventura de Souza Santos. Renovar la teoría crítica y reinventar la emancipación social: encuentros en Buenos Aires. Buenos Aires: Universidade de Buenos Aires, 2006

NAPOLITANO,Marcos. “Fontes audiovisuais: a história depois do papel” IN: PINSKY, Carla (org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005

PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tania Regina de (org.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009,

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações- São Paulo, 2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.