LEI DE NATUREZA, CONSENTIMENTO E LIMITES DA PROPRIEDADE: LOCKE REINTERPRETADO

Palavras-chave: Direito de propriedade. Consentimento. Lei de natureza.

Resumo

Neste trabalho, reconstrói-se a abordagem lockeana acerca da lei de natureza, das cláusulas que regem o direito de propriedade no estado de natureza e do princípio de fidelidade, que prescreve o cumprimento das promessas e contratos livremente estabelecidos. Uma vez que, no Segundo Tratado, Locke não aborda suficientemente a interrelação desses três elementos, há margem para argumentar que o consentido pode interpor-se não apenas às limitações do direito de propriedade, oriunda das cláusulas que regulamentam este direito no estado de natureza, como também às determinações próprias da lei de natureza, de preservação de cada ser humano e da humanidade em geral. Esta interposição se apresenta especialmente com o pacto social. Não apenas considera-se que isto se dá em circunstâncias mais desfavoráveis como defende-se que esta interposição não pode ocorrer, dado que afronta o estatuto moral superior da lei de natureza, derivado de sua íntima conexão com Deus, autoridade suprema e soberana. Assim, o que se argumenta, com base na teoria política de Locke, é que há um dever das instituições sociais, bem como dos seres humanos em geral, de não opor-se ao necessário à consecução da preservação de si e da humanidade como também de fomentar o que for necessário à consecução deste fim.

Biografia do Autor

Danilo Caretta, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Filosofia pela UEL (2013) e mestrado em Filosofia pela UFSC (2017). Atualmente é doutorando em Filosofia pela UFSC. Atuou como professor substituto no departamento de Filosofia da UFMS entre 2017 e 2018, tendo lecionado as seguintes disciplinas: História da Filosofia Contemporânea I, II e III; PELPEF I, II e III; Filosofia da História I. Tem experiência em pesquisa na área de Ética e Filosofia Política, com especial interesse pelos seguintes temas: teorias da justiça, liberalismo, democracia. 

Referências

DAY, J. P. Locke on Property. The Philosophical Quarterly (1950-), Vol. 16, No. 64, History of Philosophy Number (Jul., 1966), pp. 207-220. Disponível em: . Acesso em 18 de janeiro de 2020.
LOCKE, John. Dois Tratados Sobre o Governo. Tradução de Julio Fischer. Introdução e notas de Peter Laslett. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
______. Two Treatises of Government and A Letter Concerning Toleration. Nova York: Yale University Press, 2003.
______. Segundo Tratado sobre el Gobierno Civil: Un ensayo acerca del verdadero origen, alcance y fin del Gobierno Civil. Tradução de Carlos Melizzo. Madri: Editora Tecnos, 2006.
OLIVERCRONA, Karl. Locke's Theory of Appropriation. The Philosophical Quarterly (1950-), Vol. 24, No. 96 (Jul., 1974), pp. 220-234. Disponível em: . Acesso em 17 de janeiro de 2020.
RAWLS, John. Conferências sobre a história da filosofia política. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.
Publicado
2020-05-22
Seção
Artigos