EXU E OS IBEJIS INVENTAM O CONTRATEMPO

por uma filosofia afro-brasileira da educação

Palavras-chave: Filosofia afro-brasileira. Exu. Ibeji. Educação antirracista.

Resumo

O texto tem como objetivo problematizar a persistência pela aniquilação da vida no cenário da educação. A perspectiva da educação brasileira convive historicamente com seus inimigos íntimos: o espírito antidemocrático, a aniquilação do diverso e a morte da criatividade. Alguns elementos que persistem na perpetuação dos inimigos da educação são: a vocação de um espírito antidemocrático, a antipoética e a morte do espaço público de discussão. Esses elementos são produtores de forma cultural de mortes, fundamentados pelo racismo. Irei caminhar nas paisagens das filosofias africanas e da educação antirracista. Para isso, mobilizarei os personagens de Exu e do Ibeji na tentativa de responder a seguinte problematização: quais as formas possíveis de caminharmos humanamente juntos?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Carlos Ferreira dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Licenciado em filosofia pela Universidade Federal da Bahia (2010); Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2014) e 
Doutor em Difusão do Conhecimento pelo Programa de Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento, da Universidade Federal da Bahia (2019). É membro fundador do grupo de pesquisa Rede Africanidades (UFBA). Pesquisa Filosofia contemporânea; Filosofia Africana e Afro-brasileira; História e Cultura Africana e Afro-Brasileira; Educação para as Relações Étnico-Raciais; Literatura africana e afrobrasileira; Filosofia da educação; Filosofia latino-americana; Filopoética, Imaginário e Racismo. Atuou como assistente na equipe de consultoria contratada pela Secretária do Estado da Bahia para a construção do texto-base das Diretrizes da Educação Quilombola do Estado da Bahia; atuou como Tutor a Distância no Curso de Produção de Material Didático para a Diversidade, parceria da Universidade Aberta do Brasil com a UFBA;atuou como pesquisador para a USC (Universidade do Sul da Califórnia) na pesquisa "Relações Raciais na fala do professor". Filiado a Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e participa da ANPOF - GT Filosofia da Libertação, Latino-Americana e Africana.

Referências

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese [Doutorado em Educação] – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

DURAO, Gustavo. O Renascimento do Harlem – Panafricanismo e a Luta Contra a Inferioridade Racial (1920-1930). Uberlândia: Anais do SILIAFRO, n° 01, 2012.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscara Brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Outras vozes no ensino de filosofia: O pensamento africano e afro-brasileiro. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 18:maio-out/2012, p.74-89.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Temporalidade, memória e ancestralidade: enredamentos africanos entre infância e formação. In: KOHAN, Walter; BERLE, Simone; RODRIGUES, Allan (Orgs). Filosofia e educação em errância: inventar escola, infâncias do pensar. Rio de Janeiro: NEFI, 2018.

GILROY, Paul. Entre campos: nações, cultura e o fascismo da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

GLISSANT, Édouard. Poética da Relação. Portugal: Porto Editora, 2011.

GLISSANT, Édouard. Philosophie de la Relation: poésie en étendue. Paris: Éditions

Gallimard, 2009.

GLISSANT, Édouard. Une nouvelle région du monde. Esthétque I. Paris: Éditions Gallimard, 2006.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

LUZ, Marcos Aurélio de Oliveira. Agadá: Dinâmica da Civilização Africano-Brasileira. 2. ed. Salvador: Editora EDUFBA, 2003.

MACHADO, Vanda. Pele da cor da noite. Salvador: EDUFBA, 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Editora Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Políticas da Inimizade. Portugal: Antígona, 2017.

MUNANGA, Kebenguele. Pan-Africanismo, Negritude e Teatro Experimental do Negro. São Paulo: Revista Ilha, v. 18, n˚ 1, p. 107-120. Junho, 2016.

OLIVEIRA, Eduardo David. Filosofia da Ancestralidade: Corpo e Mito na Filosofia da Educação Brasileira. Curitiba: Editora gráfica Popular, 2007.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Entre Orfe(x)u e Enxunouveau. Análise de uma estética de base afrodiaspórica na Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Azougue, 2017.

RAMOSE, Mogobe B. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Ensaios Filosóficos. Trad. de Dirce Eleonora Nigro; Solis Rafael Medina Lopes; Roberta Ribeiro Cassiano. Volume IV – outubro/2011.

SANTOS, Luís Carlos Ferreira dos. O poder de matar e a recusa em morrer: filopoética afrodiaspórica como arquipélago de libertação / Luís Carlos Ferreira dos Santos. – 2019. 236f. Tese [Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento]. Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação, Salvador, 2019.

SANTOS, Luís Carlos Ferreira dos. (2014) Justiça como Ancestralidade: em torno de uma filosofia da educação no Brasil. 2014. 192 f. Dissertação [Mestrado em Educação]. Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

SANTOS, Juana Elbein dos; SANTOS, Deoscoredes Maximiliano dos. Ésú. Salvador: Corrupio, 2014.

SEVERINO, Antônio Joaquim. A filosofia contemporânea no Brasil: conhecimento, política e educação. Petrópolis, Rj: Vozes, 2011.

SOARES, Emanoel Luís Roque. As vinte Uma faces de Exu na filosofia afrodescendente da educação. Cruz das Almas: EDUFRB; Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.

SODRÉ, Muniz. A Verdade Seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A., 1988.

SODRÉ, Muniz. Pensar nagô. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Ferreira dos Santos, L. C. (2020). EXU E OS IBEJIS INVENTAM O CONTRATEMPO. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 5(ESPECIAL), 06 - 23. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/12205
Seção
Artigos