USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ASSOCIAÇÃO RURAL NO SEMIÁRIDO BAIANO

Palavras-chave: PALAVRAS-CHAVE: Plantas medicinais. Saúde. Uso.

Resumo

O uso das plantas medicinais acompanha a história da humanidade, tendo como a principal forma de divulgação desse conhecimento a transmissão oral. As plantas medicinais são práticas de cuidado, bastante utilizadas pela população mundial e do Brasil no que se refere não somente ao tratamento, mas também a cura das doenças. Dentro desse contexto tem sido percebido a prática pelo uso, cultivo e a busca de conhecimentos sobre essa terapia. O objetivo desse estudo é: caracterizar uso de plantas medicinais em uma associação rural no semiárido baiano. O locús desse estudo é a comunidade de Bastião em Retirolândia-Bahia. A metodologia utilizada baseia-se na abordagem quantitativa, descritiva. O instrumento utilizado na coleta de dados foi o questionário. Verificou-se que a maioria dos participantes são mulheres, idosas, possuem ensino fundamental incompleto, agricultoras familiares e fazem uso de plantas medicinais quando acometidas por alguma doença. A planta mais citada para o uso foi a hortelã. Conclui-se o quanto é prevalente o uso das plantas medicinais pelas participantes da pesquisa o que leva a reflexões sobre a necessidade de implementação e/ou efetivação de políticas públicas que reafirmem essa prática milenar.

Biografia do Autor

karoline Oliveira da Silva, Faculdade Estácio Feira de Santana

Graduação em enfermagem, especialista em Saúde Pública e em Urgencia e Emergencia. Mestre em planejamneto Territorial

Sheyla Santana de Almeida, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduada em enfermagem

Mestre em enferamgem

Docente da graduação em enfermagem da Faculdade Estácio e Da Universidade Estadua de Feira de Santana

Referências

REFERÊNCIAS
1. Dutra, MG. Plantas medicinais, fitoterápicos e saúde pública: um diagnóstico situacional em Anápolis, Goiás. Anapólis, Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica, 2009. Dissertação de mestrado do Programa de pós-graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente.
2. Almeida, MZ. Plantas medicinais, 3. ed. – Salvador: EDUFBA, 2011.
3. Organização Mundial da Saúde (OMS). The word medicines situation – Tradicional medicines: global situation, issues and challenges; 2011. [acessado 2019 ago 20]. Disponível em: http://digicollection.org/hss/ en/m/abstract/Js18063en/.
4. Rodrigues AG, Santos MG, Simoni C. Fitoterapia na Saúde da Família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (Org.). Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade, ciclo 5, módulo 3. Porto Alegre: Artmed/Panamericana, 2011. 184 p.
5. Oliveira DMS, Lucena EMP. O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá–Ceará. Rev. Brasileira de Plantas Medicinais. 2015.17(3):407-412.
6. 6.Júnior ET. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Rev. Estudos avançados [revista em internet] 2016 janeiro-abril. [acessado 2019 dez15]. 30(86). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007 .
7. Brasil. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. 2016.
8. Santos DC. Práticas integrativas e complementares em Currais Novos/ RN: Uso de plantas medicinais? Natal: Universidade Federal de Rio Grande do Norte, 2014. Dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Saúde da Família no Nordeste.
9. Crepaldi P. Bancos comunitário de sementes do semiárido. [2020] https://fbb.org.br/pt-br/viva-voluntario/conteudo/projeto-constroi-180-bancos-comunitarios-de-sementes-no-semiarido. 2018.
10. Collière MF. Promover a vida: da prática das mulheres de virtude aos cuidados de enfermagem. 5. ed. Lisboa: Lidel, 1999.
11. Santos RA. Mulheres agricultoras e urbanas na produção e consumo de plantas medicinais – resgate de saberes. Rev.Geographia Opportuno Tempore. 2015;1(4):114 – 124.
12. Balbinot S, Velasquez PG, Dusman E. Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelos idosos do Município de Marmeleiro – Paraná. Rev. Brasileira de Plantas Medicinais. 2013;15(4): 632-638.
13. Oliveira EB, Severo E, Gabriel KOF. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais na terceira idade: cuidados de enfermagem em uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR. [revista em internet] 2017 setembro-novembro. [acessado 2019 dez05]. 20(02). Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20171001_162029.pdf
14. Pacheco NMD, Arruda TCM, Araújo EC, Gomes LHMG. Uso de plantas medicinais, obtenção, acondicionamento e preparo de remédios por idosas. Geriatria & Gerontologia [revista em internet] 2013: [acessado 2019 dez 05]. 07(04). Disponível em: http://ggaging.com/details/130/pt-BR/the-use-of-medicinal-plants--the-obtaining--packaging-and-preparation-of-remedies-by-elderly-women.

15. Ricardo LM. Uso de Plantas Medicinais: o Sistema Único de Saúde e a autonomia dos saberes comuns. Rio de Janeiro : Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca – FIOCRUZ, 2009. Trabalho de conclusão de curso de Especialização em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública.
16. Lima JJF. Perspectivas dos cirurgiões dentistas sobre a inserção da fitoterapia na atenção básica de saúde . Rio Grande do Norte. Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2005. Dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Odontologia.
17. Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev. Brasileira de Farmacognosia. 2008;18(2):308-313.
18. Junior HPL, Lemos A.L. A Hortelã. Rev. Diagnóstico e Tratamento. 2012.17(3):113-115.
19. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 1, de 17 de janeiro de 2012. Estabelece as diretrizes nacionais da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2012; 18 jan.
Publicado
2020-05-17