DESCARTE INADEQUADO DE MEDICAMENTOS VENCIDOS: EFEITOS NOCIVOS PARA A SAÚDE E PARA A POPULAÇÃO

Amanda Andrade Almeida

Resumo


No Brasil, os medicamentos não utilizados, por motivo de sobras de tratamentos farmacológicos ou de vencimento, são descartados de forma inadequada. Isto pode produzir impactos ambientais extremamente relevantes, afetando diversos ecossistemas. Trata-se uma revisão integrativa da literatura que tem como objetivo avaliar a parti da literatura as consequências disponíveis sobre o descarte incorreto de medicamentos vencidos nos domicílios dos indivíduos. Utilizaram-se as bases e dados Public Knowledge Project (PKP), Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino (UNIFAE), Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Brazilian Journal of Development (BRJD), Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). A contaminação ambiental proveniente do uso de medicamentos é considerada uma maneira silenciosa de poluição. Diversos riscos estão associados ao descarte incorreto, como por exemplo: contaminação do solo, da água, dos alimentos, intoxicação dos animais e de pessoas. A partir da realização deste trabalho, baseado nas pesquisas foi possível observar que grande parte da população não tem conhecimento sobre o descarte correto dos medicamentos, os mesmo são descartados no lixo comum, na maioria das vezes quando vencidos, pois não tem mais utilidade.


Palavras-chave


Descarte de medicamentos; saúde; impacto ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil FSF, Aguiar TDC. Sousa TM. Lima LR. DESCARTE INADEQUADO DE MEDICAMENTOS VENCIDOS: REVISÃO DE LITERATURA. 2017. Disponível em: file:///C:/Users/Necy%20Andrade/Downloads/1987-3978-1-PB.pdf>. Acesso em 1 jan. 2019.

CAMPANHER, Ronaldo. DESCARTE ADEQUADO DE MEDICAMENTOS: percepção socioambiental do empresário de drogarias frente à Logística Reversa. 2016. Disponível em: http://www.fae.br/mestrado/dissertacoes/2016/DESCARTE%20ADEQUADO%20DE%20MEDICAMENTOS.pdf>. Acesso em 3 jan. 2019.

Padilha APA. Garcia DS. Garcia FH. Almeida AR. Descarte de medicamentos e automedicação: o uso consciente pode salvar vidas ano iii. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 10, n. 7, 2018.

Souza R. Mônica F. Michele D. Dalbó S. Descarte domiciliar de medicamentos e seu impacto ambiental: análise da compreensão de uma comunidade/Dispose of household medicines and its environmental impact: analysis of a community understanding. Brazilian Applied Science Review, v. 2, n. 6, p. 1857-1868, 2018.

Costa SCR. Lira TM. Souza KAS. Silva AKM. Barbosa ARM. Rêgo NTDS. et al. Avaliação do conhecimento dos usuários de Unidades Básicas de Saúde sobre os riscos ambientais decorrentes do descarte incorreto de medicamentos. Boletim Informativo Geum, v. 8, n. 1, p. 23, 2017.

Silva RE. Almeida AFS. Panorama do descarte de medicamentos domiciliares no município de sete lagoas/mg. Revista Brasileira de Ciências da Vida, v. 5, n. 1, 2017.

Soares FGN. Nascimento FG. Piedade MC. Vieira AI. Descarte de medicamentos: Análise desta prática por moradores da cidade de Cruz Alta, Estado do Rio Grande do Sul. DI@ LOGUS, v. 4, n. 1, 2015.

Ribeiro RG. Nascimento MES. Rabelo RO. Oliveira EL. Carvalho AMR. A importância do descarte correto de medicamentos. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Necy%20Andrade/Downloads/721-2451-2-PB%20(1).pdf>. Acesso em 2 jan. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-8822

O processo de submissão de trabalhos se encontra em fluxo contínuo.

Revista indexada na seção Diretório do Sistema Latindex. http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?folio=25196&opcion=1