ATIVIDADE LEITEIRA E MÃO DE OBRA FAMILIAR: O TRABALHO E OS RISCOS À SAÚDE DO HOMEM DO CAMPO NO SUL DO BRASIL.

André Fernandes Peres, Emanoele Figueiredo Serra, Cristina Mendes Peter, Amanda Krummenauer, João Luiz Zani

Resumo


O setor agropecuário familiar é responsável por produzir grande parte dos alimentos consumidos no Brasil. Nesse sistema, o núcleo familiar está envolvido em todas as fases do processo produtivo. A intensa jornada de trabalho e as dificuldades ambientais e econômicas podem afetar de várias formas a saúde dos produtores rurais, de suas famílias e da comunidade onde estão inseridos, assim como influenciar suas práticas no trabalho e hábitos de vida. Essa pesquisa objetivou obter informações sobre a percepção de produtores rurais acerca da própria condição de saúde, bem como familiar. Para isto, realizou-se um inquérito epidemiológico-ocupacional com 188 produtores rurais vinculados à atividade leiteira do município de Canguçu – RS. Os entrevistados eram predominantemente do sexo masculino e tinham entre 30 e 59 anos. Desses, 93,02% não completaram o ensino fundamental. As enfermidades de maior ocorrência relatadas foram hipertensão (24,46%) e diabetes (5,85%). O tabagismo e consumo alcoólico tiveram uma prevalência de 27,12% e 59,57%, respectivamente. Dos produtores que praticavam agricultura, 75,53% faziam uso de agrotóxicos, totalizando 29 princípios ativos distintos, com as finalidades: inseticida (14/29), herbicida (09/29), fungicida (05/29) e inibidora de crescimento (01/29). A baixa escolaridade dos produtores entrevistados pode estar relacionada à prática de hábitos danosos à saúde.


Palavras-chave


agricultura familiar; situação de saúde; riscos ambientais.

Texto completo:

PDF

Referências


- Hoffmann R. A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil? Segur Aliment Nutr. 2014; 21(1): 417-421.

-Brasil. Lei nº 11.326. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais, 24 jul 2006.

-Guilhoto J, Azzoni CR, Silveira FG, Ichihara SM, Diniz BPC, Moreira GRC. PIB da agricultura familiar: Brasil-Estados. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário; 2007.

-Winck CA, Neto AT. Diagnóstico da adequação de propriedades leiteiras em Santa Catarina às normas brasileiras de qualidade do leite. Rev Ciênc Agrovet. 2014; 8(2): 164-172.

-Organização Mundial Da Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO), 22 jul 1946.

-Moura EC, Malta DC. Consumo de bebidas alcoólicas na população adulta Brasileira: características sociodemográficas e tendência. Rev bras epidemiol. 2011; 14(1): 61-70.

-Wilson D, Parsons J, Wakefield M. The health-related quality-of-life of never smokers, ex-smokers, and light, moderate, and heavy smokers. Prev Med. 1999; 29(3): 139-144.

- IBGE. Censo Agropecuário 2006. Agricultura Familiar. Primeiros resultados. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. 2009.

-Anjos FS, Caldas NV. O futuro ameaçado: o mundo rural face aos desafios da masculinização, do envelhecimento e da desagrarização. Ensaios FEE. Jun 2005; 26(1): 661-694.

-Costa JSDD, Barcellos FC, Sclowitz ML, Sclowitz IKT, Castanheira M, Olinto MTA, et al. Prevalência de hipertensão arterial em adultos e fatores associados: um estudo de base populacional urbana em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Arq Bras Cardiol. 2007; 88(1): 59-65.

-BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Ministério da Saúde. 2012.

-Lanini J, Duarte-Almeida JM, Nappo S, Carlini EA. "O que vêm da terra não faz mal" - relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais por raizeiros de Diadema/SP. Rev bras farmacogn. 2009; 19(1): 121-129.

-Lima PJP, Oliveira HB. Aspectos de saúde e qualidade de vida de residentes em comunidades rurais. Rev Baiana de Saúde Pública. 2014; 38(4): 913-930.

-World Health Organization. WHO report on the global tobacco epidemic, 2013: enforcing bans on tobacco advertising, promotion and sponsorship. World Health Organization. 2013.

-Cargnin MCS, Echer IC, Ottobelli C, Cezar-Vaz MR, Mantovani VM. Prevalence and factors associated with smoking among tobacco growers in southern Brazil. Rev Bras Enferm. 2015; 68(4): 603-608.

-Ezzati M & Lopez AD. Estimates of global mortality attributable to smoking in 2000. The Lancet. 2003; 362(9387): 847-852.

-World Health Organization. Global status report on alcohol and health. World Health Organization. 2011.

-Beck Filho JA, Amorim AM, Fraga-Maia H. Consumo de álcool entre os trabalhadores do corte da cana-de-açúcar: prevalência e fatores associados. Revista Pesquisa em Fisioterapia. 2016; 6(3): 306-316.

-Stuart GW, Laraia MT. Enfermagem psiquiátrica. Tradução da 4ª ed. Rio de Janeiro: Reichmann Affonso; 2002.

-Edwards G, Marshall EJ, Cook CCH. O Tratamento do Alcoolismo: Um Guia para Profissionais da Saúde. Porto Alegre: Artmed; 2005.

-Portugal FB, Corrêa APM, Siqueira MMD. Alcoolismo e comorbidade em um programa de assistência aos dependentes de álcool. SMAD. Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2010; 6(1): 1-13.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Manual de vigilância da saúde de populações expostas a agrotóxicos. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 1997.

-Ribas PP, Matsumura ATS. A química dos agrotóxicos: impacto sobre impacto sobre a saúde e a saúde e a saúde e meio ambiente meio ambiente. Revista Liberato. 2009; 10: 149-158.

-World Health Organization. Public health impact of pesticides used in agriculture. 1990.

-Mori NC, Horn RC, Oliveira C, Leal PAP, Golle DP, Koefender J, et al. Alterações bioquímicas e toxicológicas de agricultores familiares da região do Alto Jacuí, Rio Grande do Sul. Sci Med. 2015; 25(3): 20999.

-Lima CAB, Grützmacher DD, Krüger LR, Grützmacher AD. Diagnóstico da exposição ocupacional a agrotóxicos na principal região produtora de pêssego para indústria do Brasil. Cienc Rural. 2009; 39(3): 900-903.

-Bonato AA. A fumicultura e a Convenção-Quadro: desafios para a diversificação. Curitiba: Departamento de Estudos Sócio-Econômicos Rurais (DESER). 2009.

-Ehlers E. Agricultura sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. 2ª ed. Guaíba: Agropecuária. 1999; 1: 1-64.

-Gomes I. Sustentabilidade social e ambiental na agricultura familiar. Revista de biologia e ciências da terra. 2004; 5(1): 1-17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-8822

O processo de submissão de trabalhos se encontra em fluxo contínuo.

Revista indexada na seção Diretório do Sistema Latindex. http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?folio=25196&opcion=1