A tessitura da mulher-professora em uma narrativa autobiográfica do brincar da criança com deficiência

  • Simone de Paula Rocha Souza Universidade Federal de Mato Grosso- Campus de Rondonópolis

Resumo

  Neste artigo tenciono discutir sobre o silenciamento da mulher em uma sociedade patriarcal, da criança com deficiência em uma sociedade normatizada e pensar sobre o processo do brincar em suas relações com a educação. Como ocorreu o processo de emancipação, ou tentativa desta, em minha busca como mulher no espaço público? Como se constitui a professora tecelã de uma educação de sensibilidade e o brincar da criança com deficiência? Desse modo, sob a perspectiva metodológica da narrativa autobiográfica, busco discutir os enfrentamentos que demarcam as diferentes interfaces da mulher-professora do Atendimento Educacional Especializado. Trata-se de pesquisa em andamento, cujos resultados apontam que à criança com deficiência também brinca e se expressa num diálogo constante com o Outro. 

Biografia do Autor

Simone de Paula Rocha Souza, Universidade Federal de Mato Grosso- Campus de Rondonópolis
Possui graduação em Letras - Inglês pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (2003) e graduação em Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa - FAEL (2010). Atualmente é professora formadora do grupo de Alfabetização no Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica -CEFAPRO e mestranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso -UFMT/CUR/PPGEdu.

Referências

ABRAHÃO, M. H. M. B; PASSEGGI, M. C. (Org.) Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica. Tomo I. Porto Alegre: EDIPUCRS; Natal: EDUFRN; Salvador: UDUNEB, 2012.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BARROS, M. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

BERNARDES, R. K. Narrativas estéticas na docência: em nós – mãos. In: MONTEIRO, Filomena de Arruda; NACARATO, Adair Mendes; FONTOURA, Helena Amaral da (org.). Narrativas docentes, memórias e formação. Curitiba: CRV, 2016.

BOJUNGA, L. A bolsa amarela. Rio de Janeiro: Agir, 1998.

FERREIRA-SANTOS, M. Crepusculário: conferências sobre mitohermenêutica & educação em Euskadi. São Paulo: Zouk, 2004.

FERREIRA-SANTOS, M. Experimentação pelas creanças: a brincagogia sensível. São Paulo: Sidarta, 2008. Projeto Aqui se Brinca. Disponível em: <http://www.marculus. net>. Acessado em: 14 de julho de 2017.

FERREIRA-SANTOS, M.; ALMEIDA, R. Antropolíticas da Educação. São Paulo: Képos, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra: 1987.

FRIEDMANN, A. O olhar antropológico por dentro da infância: adentrando nas casinhas das crianças. In: MEIRELLES, R. (Org.). Território do brincar: diálogo com as escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015. Coleção Território do Brincar.

FURLANETTO, E. C.; PALMA, R. C. D.; PASSEGGI, M. C. (Org.) Pesquisa (auto)biográfica, infâncias, escola e diálogos intergeracionais. Curitiba: CRV, 2016.

JOSSO, M. C. POZZER, A. Fecundação mútua de metodologias e de saberes em pesquisa-formação experencial. Observações fenomenológicas de figuras do acompanhamento e novas conceituações. In: PASSEGI, Maria da Conceição; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (org.). Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica. Tomo I. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. Coleção Pesquisa (Auto)Biográfica: temas transversais.

LARROSA, Jorge. B. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira da Educação. Nº. 19, Jan/Fev/Mar/Abr, Rio de Janeiro: ANPED, 2002.

LISPECTOR, C. A mulher que matava os peixes. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

MATURANA, H. R.; VERDEN-ZOLLER, G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo: Palas Athena, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, M. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

PASSEGGI, M. da C.; ABRAHÃO, M. H. M. B.; DELORY-MOMBERGER, Christine. Reabrir o passado, inventar o devir: a inenarrável condição biográfica do ser. In: PASSEGI, Maria da Conceição; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (org.). Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica: Tomo II. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. Coleção Pesquisa (Auto)Biográfica: temas transversais, p. 32-40.

PIORSKI, G. Brinquedos do chão. São Paulo: Petrópolis, 2016.

QUINTANA, M. Baú de espantos. São Paulo: Globo, 2006.

SKLIAR, C. A invenção e a exclusão da alteridade "deficiente" a partir dos significados da normalidade. Revista Educação e Realidade. Dez. 1999.

VEIGA-NETO, A. Incluir para saber. Saber para excluir. Pro-posições, v. 12, n. 2-3 (35-36). jul.-nov. 2001.

WILLMS, E. E. Escrevivendo: uma fenomenologia rosiana do brincar. Tese Doutorado – Programa de Pós -Graduação em Educação. Área de Concentração: Cultura, Organização e Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo), 2013.

WILLMS, E. E.; ALMEIDA, R.; FERREIRA-SANTOS, M. A pesquisa como jornada interpretativa: uma leitura metafórica do filme “A lenda do pianista do mar”. 2014. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/quipus/article/download/700/486. Acessado em: maio de 2018.

WILLMS, E. E. A fonoaudióloga da tearte: experimentação vivencial pela brincadeira. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/quipus . Ano III, n° 2, jun./nov.2014.

Publicado
2018-12-17