REESTRUTURAÇÃO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO: ESTUDO SOBRE O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DAS MUDANÇAS NA REGIÃO DE ITAQUATECETUBA/SP

  • Roseli Salvador Governo do Estado de São Paulo
  • Sibelly Resch Professora na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Reforma administrativa, política educacional, gestão de pessoas, papéis.

Resumo

Esse trabalho visa analisar o processo de reestruturação da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. Essa reestruturação é objeto do Decreto 57.141 de 18/07/2011 e tem como principal premissa a gestão de resultados com foco no aluno. Esse é um dos pilares do programa Educação Compromisso de São Paulo, que visa à melhoria do ensino nas escolas públicas estaduais. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva por meio de pesquisa bibliográfica, documental e pesquisa de campo com agentes escolares da região de Itaquatecetuba, município da região metropolitana de São Paulo. Os resultados apontam que a reforma administrativa avança para as questões político-pedagógicas das escolas, causando conflitos com os princípios constitucionais e legais da educação brasileira. Além disso, identificam-se dificuldades na mudança de papéis dos diretores de escola proposta pela reforma. 

Biografia do Autor

Roseli Salvador, Governo do Estado de São Paulo
Especialista em Administração Pública pela Universidade Metodista de São Paulo; Gerente de Escola no Governo Estadual de São Paulo

Referências

AZEVEDO, F. A. Cultura Brasileira. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1953. 3a. Edição, Tomo III.

BARROSO, J. A “escolha da escola” como processo de regulação: integração e seleção social? In: BARROSO, J. (Org.). Escola pública: regulação, desregulação e privatização. Porto: Asa, 2003. p. 79-109.

BRESSER PEREIRA, L.C. A Reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília, DF: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997. (Cadernos MARE da Reforma do Estado; v. 1). 58p.

CARVALHO, Elma Júlia Gonçalves de. Reestruturação produtiva, reforma administrativa do estado e gestão da educação. Educ. Soc., Campinas , v. 30, n. 109, p. 1139-1166, Dec. 2009.

FISCHMANN, R. Vida e Identidade da escola pública: um estudo preliminar da resistência à mudança na burocracia estatal em São Paulo. Tese. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de São Paulo (USP). 1990.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 46. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

GIL, A. C.. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MARRACH, S. A.. Neoliberalismo e educação. In: GUIRALDELLI JR, Paulo – Infância educação e neoliberalismo. São Paulo: Editora Cortez, 1996. Trecho do livro disponível em: http://www.cefetsp.br/edu/eso/neoeducacao1.html (acesso em 13.03.2016).

SÃO PAULO. DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/docs/decreto_organizacao_se.pdf (acesso em 13.03.16).

SOUZA, S. Z. L.; OLIVEIRA, R. P.. Políticas de avaliação da educação e quase-mercado no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84, p. 897-921, 2003.

Publicado
2017-10-02
Como Citar
SALVADOR, R.; RESCH, S. REESTRUTURAÇÃO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO: ESTUDO SOBRE O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DAS MUDANÇAS NA REGIÃO DE ITAQUATECETUBA/SP. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 1, n. 1, 2 out. 2017.