A CONSTRUÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA E OS PRIMEIROS SINAIS DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA SOLTEIRA/SP

Luiz Henrique Mateus Lima

Resumo


O presente artigo visa descrever como a atual cidade de Ilha Solteira passou de um potencial alojamento para os trabalhadores na construção da Usina Hidrelétrica para uma cidade planejada, cuja distribuição das casas revelam que quanto maior era a posição do funcionário na empresa e seu salário, melhor era a classe social dele, e com isso sua residência também era melhor. Por ter sido uma cidade planejada, Ilha Solteira desde seu início tem mostrado sinais onde fica evidente que existiu e ainda existe segregação socioespacial. Além do exemplo das casas destinadas aos moradores com maior salário e cargo nas empresas responsáveis pela construção da Hidrelétrica, os bairros da cidade também eram divididos, isso podia ser visto pelo modelo das casas, sendo que a zona norte da cidade era destinada aos moradores com um cargo menor e a zona sul era destinada aos trabalhadores com cargos mais importantes na empresa. Este padrão de divisão não era restrito somente as casas dos moradores, as opções de lazer e as escolas também eram divididas para os empregados e para seus filhos - no caso das escolas -, deixando evidentes os sinais de que a segregação estava presente.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

  Creative Commons License  Este trabalho está licenciado sob uma Licença Internacional Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0