LIMITES E POSSIBILIDADES DA PRODUÇÃO DE SEMENTES PRÓPRIAS EM FRAÇÕES CAMPONESAS DO TERRITÓRIO

  • Eliane Tomiasi Paulino
  • Josué Maldonado Ferreira
  • Rosangela Maria Pinto Moreira
  • Paulo Roberto Mrtvy

Resumo

Embora estejam disseminados por toda parte, os impactos socioambientais decorrentes da modernização da base técnica da agricultura ainda estão por ser devidamente estudados, sendo essa uma maneira de trilhar superações, até porque ainda tem sido possível desviar o foco dessa problemática empunhando-se dados que priorizam o recorte analítico centrado na produtividade, o que por ora parece ser suficiente para entorpecer uma sociedade conformada não somente com a via única, identificados por Sousa Santos (2001), mas sobretudo condicionada ao carpe diem da contemporaneidade, próprio da lógica de acumulação que impõe a mercantilização a todas as esferas da vida e, com isso, o sepultamento da parcimônia como princípio de autoconservação. No campo, esse paradigma tem representado a destruição da agricultura, nos termos explicitados por Porto Gonçalves (2006), para o qual agrobiodiversidade e saber camponês são indissociáveis. É da proposta de intervir nesse cenário, buscando-se o encontro do saber científico com o saber camponês que nasceu uma parceria cujos frutos são discutidos nesse trabalho e que dizem respeito à produção e melhoramento genético de sementes próprias por agricultores do norte do Paraná.
Publicado
2013-05-01
Seção
Artigos