DINÂMICA SOCIOESPACIAL URBANA: AS TERRITORIALIDADES DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS EM BIRIGUI/SP

  • Alexandre de Oliveira Polatto UFMS

Resumo

RESUMO: Este trabalho objetivou compreender a cidade como mercadoria, apresentada em forma de diferentes produtos para diferentes classes sociais – que perde sua essência e sua função social quando deixa de servir como local de moradia e relações para tornar-se fonte de lucro. Entre esses produtos, os espaços residenciais fechados destacam-se a partir das ideias de insegurança nas cidades e qualidade de vida. Os primeiros empreendimentos dessa categoria surgiram no Brasil a partir da década de 1970, na região metropolitana de São Paulo; porém, atualmente, verificamos esses empreendimentos nas cidades de porte médio – como Birigui, no interior do Estado de São Paulo, cidade média, fragmentada, com grande número de espaços residenciais fechados e forte segmentação social. A legalidade dos empreendimentos imobiliários na cidade, mais precisamente de seus espaços residenciais fechados, é questionada – uma vez que os instrumentos jurídicos que poderiam embasá-los não estão de acordo com a realidade da cidade e prestam-se, apenas, ao cumprimento do protocolo burocrático. A mudança da relação entre centro e periferia não resultou na diminuição das distâncias sociais; a autossegregação acompanhou a segregação e os muros separam as diferentes classes sociais.

 

PALAVRAS-CHAVE: Autossegregação. Espaços residenciais fechados. Segmentação social. Birigui.

Biografia do Autor

Alexandre de Oliveira Polatto, UFMS
Professor de Geografia da rede estadual de educação de São Paulo, mestrando do Programa de Pós Graduação em Geografia da UFMS CPTL

Referências

REFERÊNCIAS

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp, 2000.

CASTELLO BRANCO, M. L. Cidades médias no Brasil. In: SPÓSITO, Maria Encarnação Beltrão; SPOSITO, Eliseu Savério; SOBARZO, Oscar (Org.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2007.p. 245-277.

CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. 3. ed. São Paulo: Ática, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Perfil dos municípios brasileiros. Brasília: IBGE, 2015.

MAGRINI, Maria Angélica. Vida em enclaves: imaginários das cidades inseguras e fragmentação socioespacial em contextos não metropolitanos. 2013. 488 p. Tese (Doutorado em Geografia), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2013.

MILANI, Patrícia Helena. A produção da diferenciação socioespacial em Catanduva e São José do Rio Preto- SP: uma análise a partir do cotidiano de moradores de espaços residenciais fechados. 2016. 252 p. Tese (Doutorado em Geografia), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2016.

NEGRI, Silvio Moisés. Segregação sócio-espacial: alguns conceitos e análises. Coletâneas do Nosso Tempo, RondonópolisT, v. 7, n. 8, p. 129-53, 2008.

SILVA, Andresa Lourenço da. Breve discussão sobre o conceito de cidade média. Geoingá, Maringá, v. 5, n. 1, p. 58-76, 2013.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Desafios para o estudo das cidades médias. In: Seminário Internacional de la Red Iberoamericana de Investigadores sobre Globalización y Território, 11, 2010, Mendoza. Anais. Mendoza: UNCUYO, 2010. p. 1-18.

______; GÓES, Eda Maria. Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação. São Paulo: Unesp, 2013.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-

Como Citar
POLATTO, A. DE O. DINÂMICA SOCIOESPACIAL URBANA: AS TERRITORIALIDADES DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS EM BIRIGUI/SP. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros Seção Três Lagoas, n. 28, p. 76-103, 11.
Seção
Artigos