GENTES E FRONTEIRAS: A MULTITERRITORIALIDADE NAS CIDADES GÊMEAS DE CORONEL SAPUCAIA-BR E CAPITÁN BADO-PY

Alexandre da Silva Gonçalves, João Carlos Nunes Ibanhez

Resumo


A multiterritorialidade nas cidades gêmeas de Coronel Sapucaia-BR e Capitán BadoPY, está posta sobre dois territórios (Brasil e Paraguai), consequentemente em uma área de fronteira. Esta condição repercute no cotidiano das pessoas (“gentes”), que ali estabelecem suas vivencias, ora de afirmação de uma identidade nacional estabelecendo fronteiras, ora de conciliação de uma identidade comum a ambos, de hibridismo cultural.  Condição que foi verificada em trabalho de campo realizado em Coronel Sapucaia (Brasil) e Capitán Bado (Paraguai) na disciplina de Espaço, População e Fronteira, ofertada no curso de Geografia da Universidade Federal da Grande Dourados, com levantamento fotográfico e entrevistas com moradores e autoridades de Coronel Sapucaia e Capitán Bado. Sendo verificado as porosidades dessa relação de fronteira estabelecida por brasileiros e paraguaios, e consequentemente a territorialidade que se constitui sob os territórios nacionais, formando uma identidade fronteiriça. 

PALAVRAS–CHAVES: Multiterritorialidade; Fronteira; Cidades gêmeas; Coronel Sapucaia-BR; Capitán Bado-PY


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, J. L. A dinâmica das fronteiras: Os brasiguaios na fronteira entre o Brasil e o Paraguaio. 1. ed. São Paulo, SP: Annablume, 2010. p. 268.

FERNANDES, D. Território e Territorialidade: algumas contribuições de Raffestin. Perspectivas em Politicas Públicas, Belo Horizonte, v. 4, n. 9, p.59-68, dez. 2009. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2015.

GOETTERT, J. D. Fronteiras na Fronteira: “Falas atravessadas” entre Brasil e Paraguai. Revista Geonorte, v. 7, n. 1, p. 748 - 766. 03/07/2013. Semestral. Disponível em: http://www.revistageonorte.ufam.edu.br/ attachments/article/14/fronteiras%20na%20fronteira%20%e2%80%9cfalas%20atravess adas%e2%80%9d%20entre%20br sil%20e%20paraguai.pdf. Acesso em: 09 jul. 2015.

HAESBAERT, R. C. Da desterritorialização à multiterritorialidade. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, São Paulo: USP, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2015.

HAESBAERT, R. C. O mito da desterritorialização: Do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. 3. ed. Rio De Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2007. p. 400.

HISSA, C. E. V. A mobilidade das fronteiras: inserções da geografia na crise da modernidade. Editora UFMG, 2002.

Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros – Seção Três Lagoas/MS – nº 29 – Ano 15, Maio 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (Cidades). Coronel Sapucaia. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2015.

LANDER, E. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: Lander Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocêntrico e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colecion Sur-Sur, CLACSO, Ciudad Autonoma de Buenos Aires, Argentina, 2005, p. 08-23. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2015.

CAPRIGLIONE, L. Brasileiro faz fortuna e má fama no Paraguai. 2014. Diário. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2014.

LEFEBVRE, H. Les contradictions de l’ État moderne, 1978. In: RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática S.A., 1993. p. 266.

MARTINS, J. de S. Fronteira: A degradação do Outro nos confins. 1. ed. São Paulo, SP:1997. p. 192.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática S.A., 1993. p. 266.

SILVA, T. T. da. Identidade e diferença: A Perspectiva dos Estudos Culturais. 11. ed. Petrópolis, RJ: VOZES, 2009. p. 136.

ZAMBRANO, C. 2001. Territórios plurales, cambio sociopolítico y gobernabilidad cultural. In: HAESBAERT, Rogério Costa. Da desterritorializacao amultiterritorialidade. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, São Paulo: USP, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

  Creative Commons License  Este trabalho está licenciado sob uma Licença Internacional Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0