A importância da formação de redes informacionais na cooperação entre pequenos negócios no litoral do Paraná: informação cultural e turística sobre o barreado prato tipicamente regional

  • Luciane Scheuer Unespar - Paranaguá
  • Elaine Cristina Lopes Unespar - Paranaguá
  • Daniel Barreto Conrado
  • Helen Caroline Correia Colodel
  • Thainá Luise do Rosário Pinto
  • Iasmin Lima do Nascimento
Palavras-chave: Barreado; Litoral do Paraná; Turismo Gastronômico; Redes de Cooperação Informacional; Competitividade.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo compreender a tradição do Barreado no Litoral do Paraná e quanto a informação estratégica sobre o prato poderia ser um diferencial competitivo. No entanto, sabe-se que a padronização em seu preparo é essencial para manutenção da sua história e de questões socioculturais da região. Sendo assim, este estudo de caráter qualitativo e exploratório trouxe informações acerca da tradição do prato tipicamente regional e, também, sobre as redes informacionais entre pequenas empresas, o que poderia gerar diferencial competitivo por suas características estratégicas, intensificando pontos fundamentais para a sua conservação. Constatou-se que levar o conhecimento sobre o prato típico da região litorânea é importante para que o mesmo seja repassado às gerações futuras, a fim de cultivar essa tradição marcante que permeia a história do litoral paranaense, e ainda fortalecer o turismo nessas cidades, o que naturalmente acaba sendo o foco principal dos turistas que almejam conhecer e degustar a iguaria. Com relação à metodologia de coleta de dados, foram aplicados questionários estruturados com perguntas abertas aos empresários da região que trabalham com o prato, pois se acreditou que essas dariam suporte às questões de ordem subjetiva e qualitativa, buscando mais elementos para a compreensão dos argumentos do entrevistado, cuja amostragem aconteceu por acessibilidade. Assim, o que se verificou é que a informação estratégica pode ser relevante para o contexto regional e que a formação de redes de cooperação informacional poderia contribuir para o crescimento do conhecimento sobre o prato, já que se constatou que essas ainda não existem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Scheuer, Unespar - Paranaguá

Doutora e Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Paraná. Professora do Curso de Administração da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR – Campus Paranaguá). E-mail: Luciane.scheuer@unespar.edu.br

Elaine Cristina Lopes, Unespar - Paranaguá

Doutora e Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora do Curso de Administração da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR – Campus Paranaguá). E-mail: elaine.lopes@unespar.edu.br

Daniel Barreto Conrado

Bacharel em Administração pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). E-mail: daniel.bconrado@gmail.com

Helen Caroline Correia Colodel

Bacharela em Administração pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). E-mail: hcolodel@gmail.com

Thainá Luise do Rosário Pinto

Especialista em Gestão Estratégica de Negócios e Bacharela em Administração pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). E-mail: thayluise.r@gmail.com

Iasmin Lima do Nascimento

Bacharela em Administração pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). E-mail: iasmindaniele_@hotmail.com

 

Referências

Balestrin, A., Vargas, L. M., & Fayard, P. (2005). Criação de conhecimento nas redes de cooperação interorganizacional. RAE – Revista de Administração de Empresas, 45(3). Recuperado em 25 de setembro de 2020, de https://bityli.com/rTVK0o

Balestrin, A., & Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barreto, A. de A. (1994). A questão da informação. São Paulo em perspectiva, 8(4), 3-8.

Bernhoeft, R. (1989). Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Nobel.

Borges, C. V. (2004). Especificidades e contribuições das redes informacionais para o desenvolvimento de pequenas e médias empresas no setor de vestuário. Revista Gestão & Tecnologia, 4(1).

Braga, V. (2004). Cultura alimentar: contribuições da antropologia da alimentação. Saúde em Revista, 4(13), 37-44.

Calazans, A. T. S. (2006). Conceitos e uso da informação organizacional e informação estratégica. TransInformação, 18(1), 63-70. Recuperado em 16 de maio de 2020, de https://bityli.com/VlkaMQ

Campos, V. F. (1992). Qualidade total - Padronização de Empresas. Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni.

Caron, A. (2009). Inovação tecnológica e a pequena e média empresa local. In: Oliveira, G. B. de, & Souza-Lima, J. E. (Orgs.) O Desenvolvimento Sustentável em foco: uma contribuição multidisciplinar. pp. 97-116. São Paulo: Annablume Editora.

Correia, M. G. (2002). O Fandango que acompanha o Barreado. Paraná: Maxi Gráfica.

Costa, E. R. C. (2012, abril). Turismo Gourmand: O luxo e a gastronomia como vetores para o apetite de viajar. Turismo & Sociedade. Curitiba, 5(1), 310-339. Recuperado em 20 de junho de 2020, de https://bityli.com/X7MwUA

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

De Souza, M. (1993). Cooperação Inter-empresas e difusão das inovações Organizacionais. Campinas: SCTDE/ FECAMP/UNICAMP-IE.

Dudziak, E. A. (2001). A Information Literacy e o papel educacional das bibliotecas. Dissertação de Mestrado em Ciências da Comunicação – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP.

Gândara, J. M. G. (2009). Reflexões sobre o turismo gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In: Panosso Netto, A., & Ansarah, M. G. dos R. (Orgs.). Segmentação do Mercado Turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri: Manole. pp. 179-196.

Gil, A. C. (2008) Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Gimenes, M. H. S. G. (2008). Cozinhando a tradição: festa, cultura e história no litoral paranaense. Tese de doutorado em História, Curso de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR.

Lacay, M. C., & Fayet, C. F. C. (2010). Cadeia Produtiva do Turismo: Resumo dos Resultados do Estudo da Região Turística do Litoral do Paraná–Brasil. Semintur, Caxias do Sul/RS. Recuperado em 17 de maio de 2020, de https://bityli.com/xCT1dO

Leitão, D. M. (1993). A informação como insumo estratégico. Ciência da Informação. 22(2). Recuperado em 16 de maio de 2020, de http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/497/497

Lesca, H., & Almeida, F. C. de. (2004, jul./set.). Administração estratégica da informação. Revista de Administração. São Paulo, 29(3), 66-75.

Maciel, M. E. (2004-jan./jun.). Uma cozinha à brasileira. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, 33, 25-39. Recuperado em 15 de junho de 2020, de https://bityli.com/bGpXiA

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2008). Técnicas de Pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Martins, H. H. de S. (2004). Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e pesquisa. 30(2), 289-300.

Martins, M. de F., Andrade, E. de O. A., & Candido, G. A. (2009, jan./abr.). Caracterização e Contribuição das Redes Informacionais para o Desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais no Setor de Confecções do Agreste Pernambucano. Revista Gestão.Org, 7(1), 27-46.

Mascarenhas, R. G. T., & Ramos, S. E. (2008). Qualidade e Marketing: Uma Análise da Imagem do Barreado na Sustentabilidade do Destino Turístico de Morretes-PR. Turismo: Inovações da Pesquisa na América Latina. V Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL. SeminTUR, Universidade de Caxias do Sul–UCS. v. 27.

Menasche, R., & Gomensoro, P. (2007). Curso Alimentação e Cultura. Roteiro de Reflexão. s.i.

Olave, M. E. L., & Amato Neto, J. (2001). Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas. Gestão & Produção, 8(3), São Carlos-SC. Recuperado em 25 de setembro de 2020, de https://bityli.com/cgRlPU

Oliveira, R. F., & Guerrini, F. M. (2002). Características das tipologias de redes de cooperação entre empresas. Anais. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba – PR, 23 a 25 out

Pereira, F. (2008). O que é Turismo? In: Agito Campinas. Recuperado em 12 de novembro de 2020, de https://bityli.com/XdDwc2

Petter, R. R., Ceranto, F. A. A., & Resende, L. M. M. (2011). As ações de cooperação interfirmas nos arranjos produtivos locais paranaenses. Produto & Produção, 12(3).

Porter, M. E. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Santos, C. R. A. dos. (1997, jan./dez.). Por uma História da Alimentação. In: História: questões e debates, Curitiba, 14(26/27), 54-171.

Sato, G. S. (2010). Produção de vinhos casher em São Roque, São Paulo: preservação da cultura judaica e certificação casher. Informações Econômicas, 40, 15-22

Scheuer, L. (2010). Sazonalidade do Turismo no Município de Guaratuba. Dissertação de Mestrado em Geografia – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR.

Silva, T. F. da. (2004). Rede de cooperação entre pequenas empresas do setor turístico. Miembros del Consejo Editorial, p. 267. Recuperado em 17 de maio de 2020, de https://bityli.com/iqXvDc

Souza, G. H. S., Lima, N. C.; Coelho, J. A. P. M., Oliveira, S. V. W. B., & Milito, C. M. (2015). A influência das redes de cooperação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas (MPEs). Desenvolvimento em Questão, v. 13, n. 31, p. 259-294.

Tálamo, J.R., & Carvalho, M. M. (2004). Seleção dos objetivos fundamentais de uma rede de cooperação empresarial. Gestão & Produção, 11(2). São Carlos-SC.

Tomael, M. I. (2005). Redes de informação: o ponto de contato dos serviços e unidades de informação no Brasil. Informação & Informação. 10(1-2), 5-30.

Varela, A. V. (2005). A explosão informacional e a mediação na construção do conhecimento. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB), 6. Florianópolis- SC. Recuperado em 19 de agosto de 2020, de https://bityli.com/D9kNQR

Zegarra, S. L. V. (2000). Diretrizes para a elaboração de um modelo de gestão de fluxos de informações como suporte à logística em empresas construtoras de edifícios. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Construção Civil), Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 16 de maio de 2020, de https://bityli.com/KIgMuz

Publicado
2021-11-16
Como Citar
Scheuer, L., Lopes, E. C., Conrado, D. B., Colodel, H. C. C., Pinto, T. L. do R., & Nascimento, I. L. do. (2021). A importância da formação de redes informacionais na cooperação entre pequenos negócios no litoral do Paraná: informação cultural e turística sobre o barreado prato tipicamente regional. Ateliê Do Turismo, 6(1), 56-78. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/13520
Seção
ARTIGOS