Resiliência (?) Das agências receptivas da cidade histórica de Ouro Preto (MG)

  • Ricardo Fonseca Universidade Federal de Ouro Preto / Professor
  • Gabriela Felipeti Molina UFOP / Bacharelanda em Turismo
Palavras-chave: Mercado Turístico. Agenciamento de Viagens. Gestão de Viagens. Pandemia. Ouro Preto-MG.

Resumo

O agenciamento turístico é um importante setor do turismo, tanto pela distribuição quanto pela produção da oferta turística. Na cidade histórica de Ouro Preto (MG) há diversos atrativos comercializados por agências de turismo, contanto não há estudos focados nas agências receptivas do município que, assim como o turismo, vem sendo impactadas pelas mudanças no mercado, com a atuação das agências virtuais e a própria Pandemia da Covid-19. Assim, o objetivo deste trabalho foi o de conhecer melhor o agenciamento turístico do município e identificar sua resiliência diante da pandemia. A metodologia contou com revisão bibliográfica/digital e documental de agenciamento turístico e temas afins; sistematização de base de dados de agências de turismo; elaboração de instrumento de coleta de dados qualitativo e entrevista remota junto às agências de turismo do município. Os resultados apontam que: a maior parte das agências entrevistadas é de viagens, de porte pequeno, receptiva e focadas no segmento do ecoturismo; os gestores são os próprios proprietários, homens, negros, de meia idade e média instrução; se preocupam-se com os protocolos sanitários nos roteiros para a saúde dos clientes e, por outro lado, com o apoio governamental para a crise econômica gerada pela pandemia. Conclui-se que as agências demonstram resiliência no enfrentamento da pandemia, mas de forma frágil. Espera-se que as informações sejam utilizadas pelas instâncias de decisão pública e privada, para adaptação das políticas públicas de turismo e melhor gestão dos empreendimentos, respectivamente, preparando melhor o mercado para a retomada pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Fonseca, Universidade Federal de Ouro Preto / Professor

Doutor em Ciências Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Professor do Curso de Turismo e do Programa de Pós-graduação Turismo e Patrimônio da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). E-mail: ricardo.fonseca@ufop.edu.br

Gabriela Felipeti Molina, UFOP / Bacharelanda em Turismo

Acadêmica e bolsista de IC do Curso de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). E-mail:  gabriela.molina@aluno.ufop.edu.br

Referências

Abav - Associação Brasileira de Agências de Viagens. (2013). 60 anos de História. Associação Brasileira de Agências de Viagens.

Abav. (2021, 29 setembro). Ações conduzidas pela para o enfrentamento da crise da ABAV NACIONAL COVID-19. http://www.abav.com.br/press-release/covid-19---abav-reune-acoes-de-enfrentamento-da-crise-em-e-book-com-distribuicao-nacional.

Abav-MG – Associação Brasileira de Agências de Viagens – Seccional Minas Gerais. (2021, 27 setembro). Lista de associados. http://www.abavmg.com.br/associados/associados_lista.asp.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR 15081. Turismo - Gerente de agência de viagens. ABNT.

Acerenza, M. A. (1999). Principales características organizacionales. In: M. A. Acerenza. (Org.), Agencias de viajes. (pp. 53-67). Ciudad de Mexico: Trillas.

Alvares, D. F., & Lourenço, J. M. B. B. (2011). Planejamento, competitividade e gestão do turismo Em Ouro Preto – Brasil. Annals of International Conference on Tourism & Management Studies – Universidade de Algarve.

Alves, S. C. S. (2013). Oportunidades e ameaças no uso do correio eletrônico pelas agências de viagens. [Monografia de Bacharelado em Turismo, Universidade Federal Fluminense].

Araújo, T. M. O., Farias, M. F., & Sonaglio, K. L. (2020). Um estudo das publicações em periódicos de Turismo sobre Agências de Viagens. Turismo: Estudos & Práticas, 9(2), 1-20.

Assumpção, A. L., & Castral P. C. (2019). Olhares sobre Ouro Preto: da patrimonialização ao cenário turístico. Caderno Virtual de Turismo, 19(1), 1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.18472/cvt.19n1.2019.1354

B4TComm/Panrotas. (2019, 26 abril). Influência digital em turismo. https://issuu.com/panrotas/docs/1366-issuu/46.

Bandeira, M. (2015) [1938]. Guia de Ouro Preto. Global.

Beni, M. C. (2001). Subsistema de distribuição. In: M. C. Beni, Análise Estrutural do Turismo (pp. 181-208). São Paulo, Ed. Senac São Paulo.

Bridi, G. (2010). Formação e atuação do turismólogo no cenário das agências de turismo: contrapondo competências. [Dissertação de Mestrado em Turismo, Universidade de Caxias do Sul].

Braga, D. C. (2008). Discussão conceitual e tipologias das agências de turismo. In: D. B. Braga (Org.), Agências de viagens e turismo. Práticas de mercado (pp. 18-28). Rio de Janeiro: Campus/Elsevier.

Butler, R. (1980). The concept of a tourist Area Cycle of Evolution: Implication for Management of Resources. Canadian Geographer, 24(1), 5-20. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1541-0064.1980.tb00970.x

Câmara, A. L. M. S., & Maracajá, K. F. B. (2020). A influência do instagram no comportamento do consumidor de viagens: uma análise da Voyage Turismo. Turismo: Estudos & Práticas (UERN), Mossoró/RN, v. 9 (1), 1-16.

Candioto, M. F. (2012). Agências de turismo no Brasil: desenvolvimento, tipologia e serviços prestados. In; M. F. Candioto, Agências de turismo no Brasil: embarque imediato pelo portão dos desafios (pp. 3-36). Rio de Janeiro: Campus/Elsevier.

Coutinho, L., & Sarti, F. (2007). O segmento de agências e operadoras de viagens e turismo. Campinas (SP), Unicamp/MTur.

Cruz, A. M. S. (2018). A Influência do Turismo no Desenvolvimento Econômico das Cidades Históricas de Minas Gerais. [Monografia de Bacharelado em Ciências Econômicas, Universidade Federal de Ouro Preto].

Cruz, R. C. A. (2020). O evento da Covid-19 e seus impactos sobre o setor turismo: em busca de uma análise multi e trans-escalar. Observatório de Inovação do Turismo, XIV(Especial), 1-15.

Decreto nº 5.406 (2005, 21 outubro). Regulamenta o cadastro obrigatório para fins de fiscalização das sociedades empresárias, das sociedades simples e dos empresários individuais que prestam serviços turísticos remunerados, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5406.htm.

Decreto nº 43.321 (2003, 29 setembro). Dispõe sobre o reconhecimento dos Circuitos Turísticos e dá outras providências. https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=DEC&num=43321&comp=&ano=2003.

Drummond, M. F. S. I. (2011). Ouro Preto cidade em três séculos. Belo Horizonte, Liberdade.

Fenactur - Federação Nacional do Turismo. (2020). Caracterização do setor de agenciamento de viagens. Fenactur.

Autor. (não publicado). Levantamento de agências de turismo de Ouro Preto no Cadastur. Ouro Preto (MG), disciplina “Agenciamento e Elaboração de Roteiros Turísticos”, curso de bacharelado em Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto.

Glaesser, Dirk. (2006). Crisis Management in the Tourism Industry. Burlington, Elsevier.

Golets, A., Costa, H. A., Farias, J., & Pilati, R. (2020. Impactos da pandemia sobre operadores e viajantes brasileiros. Brasília, Universidade de Brasília.

Guimarães, M. G. (2016). Relações de Mercado entre as Agências de Turismo: Análise do posicionamento das agências de turismo tradicionais de Ponta Grossa - PR a respeito das agências de viagem online (OTA´s). [Monografia de Bacharelado em Turismo, Universidade Estadual do Centro-Oeste].

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021, 29 setembro). Ouro Preto. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/ouro-preto/panorama.

Lei nº 11.771. (2008, 29 setembro). Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo (...). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11771.htm.

Lei nº 12.974. (2014, 29 setembro). Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12974.htm.

Lima, B. C., Rodrigues, G. J. M., & Anjos, F. A. (2020). Inovação, criatividade e oferta: Como OTAs sobrevivem na pandemia do COVID-19. Anais do Fórum Internacional do Turismo de Iguassu.

Lohmann, G., et al. (2022). O futuro do Turismo no Brasil a partir da análise crítica do período 2000-2019. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 16, e-2456. DOI: http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v16.2456

Machado, D. F. C., & Gosling, M. (2010). A imagem do destino turístico Ouro Preto e seus reflexos na lealdade, na satisfação e na divulgação boca a boca. Observatório de Inovação do Turismo – Revista Acadêmica, V(3), 1-28. DOI: https://doi.org/10.12660/oit.v5n3.5776

Marsilio, M., & Vianna, S. L. G. (2016). A relação histórica entre a tecnologia de informação e comunicação e as agências de viagens e turismo. Anais do XIII Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. Universidade de São Paulo.

Minas Gerais. (2017). Plano Estratégico para o Desenvolvimento Sustentável do Turismo em Minas Gerais no Período de 2016 a 2018. Belo Horizonte, Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais.

MTur - Ministério do Turismo. (2006a). Caderno de Subsídios “Turismo Cultural - Estrada Real”. Brasília, MTur.

MTur. (2006b). Projeto Vivências Brasil: aprendendo com o turismo nacional - Relatório de visita técnica da Estrada Real. Brasília, MTur.

MTur. (2015a). Índice de Competividade do Turismo Nacional. Relatório Brasil. Brasília, Ministério do Turismo.

MTur. (2015b). Relatório do Índice de Competividade do Turismo Nacional - Ouro Preto. Brasília, MTur.

MTur. (2020a). Boletim de sondagem empresarial. Empresários do setor de Agências e Organizações de Viagens no Brasil. Brasília, MTur.

MTur. (2020b). Relatório de Impacto da Pandemia de COVID-19 nos setores de turismo e cultura no Brasil. Brasília, MTur.

MTur. (2021a, 29 setembro). Cadastur. Agências de Turismo - Ouro Preto. https://cadastur.turismo.gov.br/hotsite/#!/public/sou-turista/inicio.

MTur. (2021b, 21 outubro). Metodologia. Mapa do Turismo Brasileiro. http://www.regionalizacao.turismo.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=88&.

MTur. (2021c, 29 setembro). Retomada do Turismo. https://retomada.turismo.gov.br/#o-que.

MTur. (2021c, 29 setembro). Selo Turismo Responsável. http://antigo.turismo.gov.br/seloresponsavel/.

Nassar, M. (2020, 29 setembro. Discurso de abertura no ABAV Collab. https://www.panrotas.com.br/mercado/opiniao/2020/09/leia-na-integra-o-discurso-de-magda-nassar-na-abertura-do-abav-collab_176900.html.

Onu – Organização das Nações Unidas. (2015). Relatório dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Madri, Onu.

OTMG – Observatório de Turismo de Minas Gerais. (2017, 29 setembro). Pesquisa de demanda turística Minas Gerais – Ouro Preto. https://www.dropbox.com/s/118db4ueat408d8/Munic%C3%ADpios%20consolidados.zip?dl=0&file_subpath=%2F23+-+Ouro+Preto+-+Consolidado.pdf.

OTMG. (2019a, 29 setembro). Censo Turismo. https://5dffd0f3-0433-40fb-a99d-04acf2eeba7e.filesusr.com/ugd/66eb0f_216b6bf5f67b4772a3b61f28c9b96bb7.pdf.

OTMG. (2019b, 29 setembro). Fluxo e receita turística. https://www.observatorioturismo.mg.gov.br/?p=4524.

OTMG. (2021a, 29 setembro). Painel de Monitoramento do Turismo. https://www.observatorioturismo.mg.gov.br/.

OTMG. (2021b, 29 setembro). Panorama e tendências para o turismo em MG pós-pandemia. https://www.dropbox.com/sh/91nehyo9y1ff1nl/AADtHSq1nmbMQPHD6VuYmNoWa?dl=0&preview=Panoramas+e+tend%C3%AAncias+para+o+turismo+em+MG+p%C3%B3s+covid+19+-+Volume+11.pdf.

Panosso Netto, A. (2010). O que é turismo. São Paulo, Brasiliense.

Pardini, I. P. (2018). Influência das notícias sobre as barragens de rejeito no destino turístico Ouro Preto – MG. [Monografia de Graduação em Turismo, Universidade Federal de Ouro Preto].

Pazini, R. (2015). Os produtos turísticos de Curitiba desde a perspectiva dos gestores das agências de turismo receptivo. [Dissertação de Mestrado em Turismo, Universidade Federal do Paraná].

Pereira Jr., S., & Porto, A. P. S. (2021). Entre posts e parcerias: Práticas de marketing de influência em agência de viagem receptiva. Ateliê do Turismo, 5(1), 42-65.

Petrocchi, M., & Bona, A. (2003). Agências de turismo. Planejamento e gestão. São Paulo, Futura.

Petry, T. R. E., Tomelin, C. A., & Pereira, R. M. F. A. (2015). Gênese e caracterização das agências de viagens e turismo no estado de Santa Catarina – Brasil. Turydes, 8(19): 1-16.

Pires, M. C. (2017). Das Viagens dos Cientistas no Século XIX aos Modernistas: a Mineiridade e o Despertar do Turismo das Cidades Históricas de Minas Gerais, Brasil. Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 9(3), 405-416. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v9i3p405

PMOP – Prefeitura Municipal de Ouro Preto. (2006, 29 setembro). Lei nº 659. Dispõe sobre o Conselho Municipal de Turismo/COMTUR. https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/assets/info-uteis/comtur.pdf.

PMOP. (2017, 29 setembro). Plano Municipal de Turismo 2017-2020. Ouro Preto, Prefeitura Municipal de Ouro Preto. https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/assets/info-uteis/PMT_Plano_Municipal_de_Turismo.pdf.

Rejowski, M. (2000). Agência de Viagem. In: M. G. R. Ansarah (Org.), Turismo. Como aprender, como ensinar (pp. 37-64). São Paulo, Senac São Paulo.

Rejowski, M., & Perussi, R. F. (2008). A trajetória das agências de turismo: apontamentos no mundo e no Brasil. In: D. B. Braga (Org.), Agências de viagens e turismo. Práticas de mercado. (pp. 2-17). São Paulo, Elsevier.

Sánchez, L.E., Alger, K., Alonso, L., Barbosa, F.A.R., Brito, M.C.W., Laureano, F.V., May, P., Roeser, H., & Kakabadse, Y. (2018). Os impactos do rompimento da Barragem de Fundão. O caminho para uma mitigação sustentável e resiliente. Relatório Temático no 1º do Painel do Rio Doce. Gland, UICN.

Santa Ana, A. G. (2019). Turismo Brasileiro 4.0: do analógico ao digital. A digitalização e a mudança na venda de “pacotes” de viagens nas operadoras de turismo do Brasil. [Dissertação de Mestrado em Gestão Empresarial, Fundação Getúlio Vargas].

Santos, C. A. J., Campos, A. C., & Barbosa, F. A. J. (2020). O Instagram como Ferramenta Promocional em Agências de Receptivo em Aracaju/Sergipe, Brasil. Turydes, 13(28), 1-20.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2020). Orientações para retomada segura das atividades - Agências de Turismo. São Paulo, Sebrae.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas/ /MTur - Ministério do Turismo. (2017). Panorama das Agências de Viagens e Operadores Turísticos no Brasil. Brasília, Sebrae/MTur.

Sebrae/MTur. (2019). Pesquisa de sondagem empresarial. Empresários do setor de agências e organização de viagens no brasil. Brasília, Sebrae/MTur.

Setic-OP – Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de Ouro Preto. (2017a, 26 abril). Perfil do visitante do Carnaval de Ouro Preto. https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/static/semana-santa/Pesquisa_Carnaval_2017_divulgacao.pdf.

Setic-OP. (2017b, 28 setembro). Perfil do visitante da Semana Santa de Ouro Preto. https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/static/semana-santa/Resultados_Semana_Santa_2017_divulgacao.pdf.

Setic-OP. (2020, 27 setembro). Cartilha de boas práticas. Orientações de combate ao COVID-19 para segmentos do turismo em Ouro Preto. https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/static/Cartilha_Boas_Pr%C3%A1ticas_Turismo_2020.pdf.

Sonaglio, K. E. (2017). Aproximações entre o turismo e a resiliência: um caminho para a sustentabilidade. Revista Turismo Visão e Ação, 20(1), 80-104. http://doi.org/10.14210/rtva.v20n4.p80-104

Soares, J. R. R., Gabriel, L. P. M. C., & Romo, R. S. (Coord.) (2020). Impacto do Covid-19 no comportamento do turista brasileiro. Fortaleza, Universidade Estadual do Ceará.

Souza, B. F., Oliveira, F. F. R., Leal, D. S., & Taboada, G. V. (2018). A importância da gestão de crises para o turismo: uma análise da crise de 2008. Anais do Fórum Internacional do Turismo de Iguassu.

Tito, A. L. A., & Araújo, M. V. P. (2019). Estudos sobre Gestão de Crises no Turismo: abordagens e contextos. Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 11(2), 476-491. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v11i2p476

Tomelin, C. A. (2001). As agências de viagens e turismo no setor de viagens. In: C. A. Tomelin. Mercado de agências de viagens e turismo. Como competir diante das novas tecnologias (pp. 15-31). São Paulo: Aleph.

Torres Junior, A. S., Brambilla, A., & Vanzella, E. (2017). Perfil dos gestores das agências de viagens em João Pessoa: relevância da sua atuação nas agências. Revista Mangaio Acadêmico, 2(1), 43-51.

Trigo, L. G. G. (1998). Turismo básico. 2. ed. São Paulo: Senac.

TRVL LAB. (2020, 27 setembro). Pulso Turismo e Covid-19. 3ª ed. https://panrotasstoragenews.blob.core.windows.net/conteudo/TravelLab/TRVL%20Lab%20-%20Pulso%20Covid%203a.%20Jul%202020.pdf.

UNWTO – The World Tourism Organization. (2021, 29 setembro). 2020: a year in review. https://www.unwto.org/covid-19-and-tourism-2020.

Young, T. (1807) A course of lectures on natural philosophy and the mechanical arts. London: Johnson.

Publicado
2021-12-08
Como Citar
Eustáquio Fonseca Filho, R., & Felipeti Molina, G. (2021). Resiliência (?) Das agências receptivas da cidade histórica de Ouro Preto (MG). Ateliê Do Turismo, 6(1), 99 - 119. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/14515
Seção
ARTIGOS