Turismo de experiência e a tradição esquecida

  • Alan Faber do Nascimento Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Palavras-chave: Turismo; Turismo de Experiência; Tradição Teórica

Resumo

Este manuscrito, em forma de PONTO DE VISTA, procura sustentar que o chamado Turismo de Experiência não é apenas um nicho de mercado voltado para um público interessado em viagens menos estandardizadas. Pelo contrário, o Turismo de Experiência é um novo corpus teórico que, desde os anos 2000, tem procurado se contrapor à ideia de que o turismo é uma prática centrada no olhar e extraordinária. Para problematizar isso, foram escolhidas duas experiências turísticas contemporâneas: o dark tourism e o slum tourism.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Faber do Nascimento, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), com estágio pós-doutoral em Estudos do Lazer pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor do Curso de Turismo e do Programa de Mestrado em Estudos Rurais (PPGER) da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). E-mail: alan.faber@ufvjm.edu.br

Referências

Biran, A., Poria, Y., & Oren, G. (2011). Sought experiences at (dark) heritage sites. Annals of Tourism Research, 38 (3), 820-841.

Buda, D. M. (2015). The death drive in tourism studies. Annals of Tourism Research, 50 (1), 39-51.

Carvalho, F. C. (2013). O turismo comunitário na Favela Santa Marta: perspectivas sobre o programa Rio Top Tour no contexto eufórico do Rio de Janeiro pacificado. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, Recife, PE, Brasil, 15.

Dunkley, R., Morgan, N., & Westwood, S. (2011). Visiting the trenches: exploring meanings and motivations in battlefield tourism. Tourism Management, 32(4), 860-868.

Franklin, A. (2003). Tourism: an introduction. Londres: Sage.

Franklin, A., & Crang, M. (2001). The Trouble with Tourism and Travel Theory. Tourist Studies, 1 (1), 4-22.

Freire-Medeiros, B. (2010). Entre tapas e beijos: a favela turística na perspectiva de seus moradores. Sociedade e Estado, 25(1), 33-51.

Godoy, K. E., & Luna, S. B. (2012). A estética turística e cinematográfica da favela: suportes de uma autenticidade construída. Caderno Virtual de Turismo,12 (2), 239-252.

Goldfarb, J. F. M. (2017). Turismo na laje: um estudo sobre os fatores que motivam os passeios nas favelas do Rio de Janeiro. In Silveira, J. I., & Irala, M. P. Melhores trabalhos de 2012-2013: especialização em Marketing, Finanças e Gestão Empresarial (pp. 243-268). Porto Alegre: Escola de Administração da UFGRS.

Light, D. (2017). Progress in dark tourism and thanatourism research: an uneasy relationship with heritage tourism. Tourism Management, 61, 275-301.

Lipovetsky, G. (2007). A sociedade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Mussel, F. S. (Diretor). (2012). Em busca de um lugar comum. [DVD]. Rio de Janeiro: Sobretudo Produções.

Rojek, C. (1991). Ways of escape: modern transformation in leisure and travel. Basingstoke:

Palgrave MacMillian.

Sampaio, S. (2013). Estudar o turismo hoje: para uma revisão crítica dos estudos de turismo. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 17 (1), 167-182.

Sharpley, R. (2012). Towards an understanding of ‘genocide tourism’: an analysis of visitors’ accounts of their experience of recent genocide sites. In Sharpley, R., & Stone, P. (orgs.). Contemporary tourist experience: concepts and consequences (pp. 95-109). Londres: Routledge.

Stone, P., & Sharpley, R. (2008). Consuming Dark Tourism: a thanatological perspective. Annals of Tourism Research, 35 (2), 574-595.

Trigo, L. G. (2019). A viagem como experiência significativa. In Panosso Netto, A., & Gaeca, C. (orgs.). Turismo de experiência. São Paulo: SENAC.

Publicado
2021-11-17
Como Citar
do Nascimento, A. F. (2021). Turismo de experiência e a tradição esquecida. Ateliê Do Turismo, 6(1), 1-7. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/14585
Seção
PONTO DE VISTA