RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

sobre a tentativa de elevar o ensino de filosofia através da implementação de uma Oficina de Escrita Filosófica

Palavras-chave: Filosofia. Ensino. Escrita.

Resumo

Tendo em vista uma perspectiva estritamente pessoal, o presente artigo visa relatar a experiência docente vivenciada a partir da tentativa de implementação de uma Oficina de Escrita Filosófica no curso de graduação em filosofia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), realizada no segundo semestre de 2017. Explorando desde o contexto de surgimento da ideia da Oficina, até seus objetivos e as dificuldades em sua implementação, o presente relato não visa apenas oferecer dados técnicos, mas sobretudo compartilhar as impressões pessoais erigidas pela professora coordenadora do projeto ao longo desse processo. Embora aprender a escrever seja inegavelmente uma necessidade da maior parte dos alunos de graduação em filosofia, grande parte deles não está preparada para lidar com o esforço exigido nesse processo. A ilusão, por parte dos alunos, da existência de métodos rápidos e milagrosos leva à frustração tanto do discente, quanto do docente.

Biografia do Autor

Maíra de Souza Borba, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Filosofia - Licenciatura (2008) pela Universidade Federal de Minas Gerais, com intercâmbio na Université Paris I - Panthéon Sorbonne (1º semestre 2008) e Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011). Doutorado em filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais e pela Université Paris I - Panthéon Sorbonne (2015). Professora Adjunta do curso de Filosofia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Coordenadora do Grupo de Pesquisa "Ceticismo Moderno" da UFMS. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia Moderna e Epistemologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Ceticismo, Descartes, Metafísica e Dualismo.

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco: poética. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Maria Emsantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

COSSUTA, F. Elementos para a leitura dos textos filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

DESCARTES, René. Discurso do método; As paixões da alma; Meditações. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

EMEDIATO, Wander. A fórmula do Texto: redação, argumentação e leitura. São Paulo: Geração Editorial, 2007.

FOLSCHEID, D.; WUNENBURGER, J. Metodologia filosófica. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MARTINICH, Aloysius Patrick. Phylosophical Writing: An Introduction. Trad. Vítor Oliveira. Oxford: Backwell, 1998.

MONTAIGNE, Michel de. Os ensaios. São Paulo: Martins Fontes, 2000-2001. 3v.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Panorama da Educação: Destaques do Education at Glance 2020. Brasília: INEP/MEC, 2020. Disponível em: https://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/eag/documentos/2020/Panorama_da_Educacao_2020.pdf. Acesso em: 22 de dezembro de 2020.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens: precedido de discurso sobre as ciências e as artes. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Como ler um texto de filosofia. São Paulo: Paulus, 2008

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico [livro eletrônico]. 2. ed. São Paulo: Corttez, 2017.

WOLF, Maryanne. O cérebro no mundo digital – Os desafios da leitura na nossa era. São Paulo: Contexto, 2019.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
de Souza Borba, M. (2020). RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 5(ESPECIAL), 106 - 120. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/12194
Seção
Artigos