FENOMENOLOGIA E ARTE

a invisibilidade da vida na pintura abstrata de Kandinsky

Palavras-chave: Pintura abstrata. Michel Henry. Fenomenologia. Vida.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever a arte interpretada pela fenomenologia da vida de Michel Henry. Estabelecer-se-á uma leitura henryana da concepção de pintura abstrata e dos escritos de Kandinsky a partir da obra Ver o invisível. Assim, pretende-se descrever a relação fenomenológica com a arte através dos conceitos de interioridade, exterioridade, invisível e visível. A arte abstrata se justifica pela sensibilidade da vida invisível que se torna visível a partir dos elementos pictóricos existentes no mundo, portanto se originam por meio do ser autoafectado pelas emoções na obscuridade da vida. Nesse sentido, a fenomenologia de Henry nos ajuda a compreender a pintura abstrata de Kandinsky pela vida que se revela no pathos e em sua singularidade imanente. Portanto, o acesso a invisibilidade da vida se dá no sentir fenomenológico de modo distinto e originário em cada pathos, sendo a arte o modo de revelação do invisível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janessa Pagnussat, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) com ênfase na Linha de Pesquisa - Fenomenologia e compreensão (desde 2019). Mestre em Ciências Humanas pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Erechim (2018) e graduada em Filosofia - Licenciatura plena (2016), pela mesma universidade. Membro do Grupo de Pesquisa "Fenomenologia da Vida e da Religião" (CNPq) - UFSM. Membro colaboradora do Círculo Fenomenológico da vida e da clínica - Universidade de São Paulo (USP) - Departamento de Psicologia e Clínica. As pesquisas em desenvolvimento têm sido relacionadas em temas como fenomenologia do ego, subjetividade, intersubjetividade, narrativa, ética, ipseidade, corporeidade, afetividade e alteridade em autores como Edmund Husserl, Paul Ricoeur e Michel Henry.

Adriano André Maslowski, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Pós-graduado em Interdisciplinaridade e Práticas Pedagógicas na Educação Básica pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Pós-Graduado em Leituras da Bíblia e Mundo Contemporâneo pela Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões (URI), Graduado em Teologia pela Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões (URI) e Graduado em Filosofia pelo Instituto de Filosofia Berthier (IFIBE). Dedica-se ao estudo de temáticas como: Fenomenologia, Ética, Alteridade e Educação.

Referências

CANULLO, Carla. A barbárie na cultura e na clínica. In: REBLIN, Iuri Andréas; DAM, Júlio Adam (Orgs). Religião, mídia e cultura. São Leopoldo: EST, 2014, p. 43-59.
FURTADO, Luiz José. A filosofia de Michel Henry: uma crítica fenomenológica da fenomenologia. Dissertatio, p. 231-249, inverno/verão de 2008. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/2106/1/ARTIGO_FilosofiaMichelHenry.pdf.
GRZIBOWSKI, Silvestre. Fenomenologia do corpo subjetivo em Michel Henry: uma leitura a partir da imanência subjetiva. Voluntas, Santa Maria, v.10, n.1, 2019, p. 53-61.
HELENO, José Manuel. Michel Henry e a noção de arte. Revista Filosófica de Coimbra, n.49, 2016, p. 91-110.
HENRY, Michel. L’essence de la manifestation. Paris: Épiméthée, PUF, 2011.
HENRY, Michel. De la subjectivité. Tome II. Phénoménologie de la vie. Paris: Épiméthée, PUF, 2011b.
HENRY, Michel. Ver o invisível. Sobre Kandinsky. Trad. Marcelo Rouanet. São Paulo: É Realizações, 2012.
HENRY, Michel. Encarnação: uma filosofia da carne. Trad. Carlos Nougué. São Paulo: É Realizações, 2014.
HENRY, Michel. La esencia de la manifestación. Traducido por Mercedes H. Luxán y Miguel García-Baró. Salamanca: Sígueme, 2015.
MARTINS, Florinda; SALDANHA, Marcelo. Michel Henry: critérios para avaliação de uma obra de arte. Revista da Fundarte, n.27, janeiro/junho 2014, p. 55-64.
PRASERES, Janilce Silva. Michel Henry, vida e o corpo subjetivo: uma leitura fenomenológica. Literarius, Santa Maria, v.13, n.3, 2014, p. 1-17.
WALTON, Roberto J. Subjetividad y cosmos. In: ANTÚNEZ, Andrés E. A.; LIPSITZ, Mario (Orgs). Cadernos 2: III Jornadas Internacionais Michel Henry e textos sobre Saúde Mental. USP: São Paulo, 2020, p. 19-33.
Publicado
2022-05-03
Como Citar
Pagnussat, J., & Maslowski, A. A. (2022). FENOMENOLOGIA E ARTE. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 7(12), 183 - 194. https://doi.org/10.55028/eleu.v7i12.14665
Seção
Artigos