O ESTATUTO DA PERCEPÇÃO E A SIGNIFICAÇÃO ONTOLÓGICA DO “RETORNO AOS FENÔMENOS” NA FILOSOFIA DE MERLEAU-PONTY

Palavras-chave: Percepção. Ontologia. Fenomenologia. Merleau-Ponty. Crítica.

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar o estatuto do movimento de “retorno aos fenômenos” na filosofia de Merleau-Ponty, mais precisamente em sua obra seminal, a Fenomenologia da percepção, de 1945. Trata-se de interrogar as motivações, pressupostos e estruturas fundamentais desse movimento. Parte-se de uma retomada dos aspectos centrais da crítica de Merleau-Ponty ao pensamento moderno, para, em seguida, colocando uma lupa sobre o projeto do filósofo francês, e situando-o no contexto de suas tensas e fecundas relações com a filosofia de Husserl, buscar apreender alguns dos traços que conferem fisionomia singular a esse projeto. Na segunda parte do trabalho, questiona-se as razões do privilégio da percepção no campo fenomenológico tal como Merleau-Ponty o circunscreve. O que nos permite reconhecer a função de abertura primordial ao ser do mundo desempenhada pelos fenômenos perceptivos, trazendo para o centro do debate filosófico as inflexões e paradoxos em torno dos quais se organizam as relações entre ser e fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Lagôas, Centro Universitário de Brasília / Universidade de Brasília

Psicanalista, graduado em Psicologia pela Universidade Federal de São João Del-Rei/MG (2006), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos/SP (2010) e Doutor em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (2016). Atualmente, é professor de psicanálise e epistemologia da psicologia no Centro Universitário de Brasília (UniCeub), onde coordena o projeto de pesquisa Epistemologia, Psicanálise e Políticas do Sofrimento Psíquico. É também pesquisador-colaborador no Programa de Mestrado do UniCeub e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília (UnB). Tem experiência nas áreas de Psicologia e Filosofia, com ênfase em Psicanálise, Epistemologia, História da Clínica e dos Sistemas Psicológicos. Atua principalmente nos seguintes temas: Sujeito, Percepção, Corpo, Psicopatologias e Políticas do sofrimento psíquico. 

Referências

ALQUIÉ, Ferdinand."Une philosophie de l’ambiguité. L’existencialisme de Maurice Merleau-Ponty". Fontaine. T. XI. n° 59, 1947.

BARBARAS, Renaud. Le desir et la distance: introducion à une phénonoménologie de la perception. Paris: Vrin, 1999.

BARBARAS, Renaud. "Le vivante comme fondement originaire de l’intentionnalité perceptive". In: Petitot, J., Varela, F., Pachoud, B., Roy, J.-M. (orgs.) Naturaliser la phénoménologie — essais sur la phénoménologie contemporaine et les sciences cognitives. Paris : CNRS Éditions, 2002.

BARBARAS, Renaud. La perception: essai sur le sensible. Paris : Vrin, 2009.

BERNET, Rudolf. “Le sujet dans la nature: réflexions sur la phénoménologie de la perception chez Merleau-Ponty”. In: RICHIR, Marc; TASSIN, Etienne (Textes réunis par). Merleau-Ponty, phénoménologie et expériences. Grenoble: Jérôme Millon, 1992. p. 57-77.

BLANCHÉ, Robert. La notion de fait psychique. Paris: Felix Alcan, 1935.

DESANTI, Jean T. Introduction à la phénoménologie. Paris: Idées/Gallimard, 1976.

GALEFFI, Dante. A. “O Que é isto – a fenomenologia de Husserl?”. Revista Ideação, n. 5, jan/jun, 2000, p. 13-36.

HUSSERL, Edmund. Meditações cartesianas. Trad: Frank de Oliveira. São Paulo: Madras Editora, 2001.

HUSSERL, Edmund. Recherches logiques. Trad. franç.: H. Elie, A. L. Kelkel et R. Scherer. Paris : PUF, 1959-1963.

HUSSERL, Edmund. A Ideia da fenomenologia. Trad: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1986.

HUSSERL, Edmund. Idées directrices pour yne phénoménologie et une philosophie pures, t. I: introduction générale à la phénoménologie pure, trad. Paul Ricoeur. Paris: Gallimard, 1950.

HUSSERL, Edmund. Conferências de Paris. Trad: Artur Morão e António Fidalgo.1992 Disponível em: <http://www.lusosofia.net/textos/husserl_conferencias_de_paris.pdf>. Acessado em 04/ 02/ 2021.

LEVINAS, Emmanuel. Theorie de L’intuition dans la Phénoménologie de Husserl. Vrin, Paris, 1984.

LEVINAS, Emmanuel. “Reflexiones sobre la ‘técnica’ fenomenológica”, in Cahiers de Royaumont – Husserl, Buenos Aires: Paidos, 1968.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad: Carlos Alberto R. de Moura. 2ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Estrutura do comportamento. Trad: José de Anchieta Corrêa. Belo Horizonte: Interlivros, 1975.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Signos. Trad: Maria Ermantina G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O Visível e o Invisível. 4a ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A Natureza: curso do Collège de France. Texto estabelecido e anotado por Dominique Séglard. Trad: Álvaro Cabral. 2° ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Sens et non-sens. Paris: NRF Éditions Gallimard, 1996.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O primado da percepção e suas conseqüências filosóficas. Trad: Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1990.

MERLEAU-PONTY, Maurice. La prose du monde. Paris: Tel Gallimard, 1969.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Résumés de cours. Paris: Gallimard, 1968.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Éloge de la philosophie et autres essais. Paris: Gallimard, 1960.

MOURA, Carlos A. R. Racionalidade e crise. Ensaios de História da Filosofia Moderna e Contemporânea. São Paulo/Curitiba: Discurso Editorial/ Editora da UFPR, 2001.

MOURA, Carlos A. R. A crítica da razão na fenomenologia. São Paulo: Nova Stella e Edusp, 1989.

MOURA, Carlos A. R. “Husserl: significação e fenômeno”. Revista dois pontos, Curitiba, São Carlos, vol. 3, n. 1, abril, 2006, p. 37-61.

MOUTINHO, Luiz D. S. Razão e Experiência: ensaios sobre Merleau-Ponty. Rio de Janeiro: Editora UNESP, 2006.

PATOCKA, Jan. Qu’est-ce que la phénoménologie? Trad : Erika Abrams. Grenoble : Éditions Jérôme Millon, 2002a.

PATOCKA, Jan. Introduction à la phénoménologie de Husserl. Trad : Erika Abrams. Grenoble : Éditions Jérôme Millon, 2002b.

SACRINI, Marcus. Fenomenologia e ontologia em Merelau-Ponty. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008. (Tese de doutorado)

SCHERER, René. “Husserl, a fenomenologia e seus desenvolvimentos”. In: CHÂTELET, F. (Org.) História da Filosofia: ideias, doutrinas. vol. 8. Trad: Guido de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1974, p. 234-261.

ZILLES, Urbano. “Fenomenologia e Teoria do conhecimento em Husserl”. Revista de Abordagem Gestáltica, XIII (2): 216-221, jul-dez, 2007, p. 218-232.

Publicado
2022-05-03
Como Citar
Lagôas, J. (2022). O ESTATUTO DA PERCEPÇÃO E A SIGNIFICAÇÃO ONTOLÓGICA DO “RETORNO AOS FENÔMENOS” NA FILOSOFIA DE MERLEAU-PONTY. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 7(12), 128 - 159. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/14734
Seção
Artigos