TOTALITARISMO

conceito, elementos persistentes e o mal no Brasil

Palavras-chave: Totalitarismo. Mal. Hannah Arendt. Política. Brasil.

Resumo

Os temas do fascismo e do totalitarismo voltaram a ser discutidos recentemente devido à ascensão de governos extremistas em vários países. Esse texto tem por objetivo recuperar a história, as dificuldades e o potencial explicativo do conceito de totalitarismo, retomar seus elementos constitutivos como apresentados por Hannah Arendt, em sua obra Origens do totalitarismo, e destacar a persistência desses elementos na estrutura econômica, social e política, para além de posicionamentos ideológicos. O texto analisa ainda as características específicas desses elementos constitutivos no Brasil, sua ameaça nas estratégias insidiosas da política recente, que se aproveita da desigualdade e do ressentimento, simplificando a realidade, capturando reivindicações e incitando a violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Carvalho Novaes, Universidade de São Paulo

Possui bacharelado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2007), bacharelado em Comunicação Social pela Fundação Armando Álvares Penteado (1996), licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2008), mestrado em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2017). Faz pós-doutorado no Departamento de Filosofia da FFLCH-USP.

Referências

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo. Ed. Jerome Kohn. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 11.ed. Revisão e apresentação Adriano Correia. Tradução Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 4.ed. Tradução Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 1997.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ARENDT, Hannah. Pensar sem corrimão: Compreender 1953-1975. Tradução Beatriz Andreiuolo, Daniela Cerdeira, Virginia Starling e Pedro Duarte. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

BULLOCK, Alan. Hitler and Stalin: Parallel Lives. London: HarperCollins, 1991.

CIPLEY, David. Liberalism in the Shadow of Totalitarianism. Cambridge: Harvard University Press, 2006.

FAUSTO, Ruy. O ciclo do totalitarismo. São Paulo: Perspectiva, 2017.

FINCHELSTEIN, Federico. Do fascismo ao populismo na história. Tradução Jaime Araújo. São Paulo: Almedina, 2019.

FRIEDRICH, Carl J.; BRZEZINSKI, Zbigniew. Totalitarian Dictatorship and Autocracy. Cabridge: Harvard University Press, 1956.

GEYER, Michael; FITZPATRICK, Sheila. (Ed.) Beyond Totalitarianism: Stalinism and Nazism Compared. New York: Cambridge University Press, 2009.

GHERMAN, Michel; KLEIN, Misha. “Entre ‘conversos’ e ‘desconversos’: o caso da influência da Nova Direita Brasileira sobre a comunidade judaica do Rio de Janeiro”, Estudios Sociales del Estado, 5(9), 101-123. Disponível em: https://doi.org/10.35305/ese.v5i9.173

GLEASON, Abbott. Totalitarianism: The Inner History of the Cold War. New York: Oxford University Press, 1995.

GRIFFIN, Roger. The Nature of Fascism. London: Routledge, 1996.

HAVEL, Vaclav. Essais Politiques. Paris: Calmann Lévy, 1989.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: O breve século XX 1914-1991. Tradução Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JAY, Martin. Marxism and Totality: Adventures of a Concept from Lukács to Habermas. Berkeley: University of California Press, 1984.

JOLY, Maurice. Diálogo no inferno entre Maquiavel e Montesquieu. Tradução Nilson Moulin. São Paulo: Ed. Unesp, 2009.

KERSHAW, Ian; LEWIN, Moshe. (Ed.) Stalinism and Nazism: Dictatorships in Comparison. New York: Cambridge University Press, 1997.

LEFORT, Claude. Un homme en trop. Paris: Seuil, 1975.

LEFORT, Claude. A invenção democrática: os limites do totalitarismo. Tradução Isabel Marva Loureiro. São Paulo: Brasiliense, 1983.

PAXTON, Robert O. The Anatomy of Fascism. New York: Knopf, 2004.

SAUER, Wolfgang. National Socialism: Totalitarianism or Fascism?, The American Review, vol. 73, n. 2, Dec, 1967, p. 404-424.

SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI: no loop da montanha russa. São Paulo: Companhia das Letras,

STANLEY, Jason. Como funciona o fascismo: a política do “nós” e “eles”. Tradução de Bruno Alexander. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018.

STERNHELL, Zeev; SZNAJDER, Mario; ASHÉRI, Maia. Naissance de l’ideologie fasciste. Paris: Fayard, 1989.

TALMON, Jacob L. The Origins of Totalitarian Democracy. New York: Frederick A. Praeger, 1961.

TRAVERSO, Enzo. El Totalitarismo: historia de un debate. Buenos Aires: EUDEBA, 2001.

VOEGELIN, Eric. The Origins of Totalitarianism. The Review of Politics. Vol. 15, n. 1, jan. 1953, p. 68-76. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1404747?seq=1

ZIZEK, Slavoj. Did Somebody say Totalitarianism? Five Interventions in the (Mis)use of a Notion. London, New York: Verso, 2001.

Publicado
2022-05-03
Como Citar
Carvalho Novaes, A. (2022). TOTALITARISMO. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 7(12), 100 - 116. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/15302
Seção
Artigos