CIRCUNSCRIÇÕES SOBRE O CONCEITO DE VERDADE EM NIETZSCHE

as bases para o reconhecimento de uma interlocução valorativa entre a ciência e a moral

Palavras-chave: Filosofia nietzschiana. Niilismo. Verdade. Ciência. Moral.

Resumo

Ao considerarmos os diversos aspectos e as distintas fases da produção intelectual nietzschiana, é possível afirmar que suas exposições sobre o conceito de verdade apresentam grande consistência. Isto pode ser explicado levando-se em conta que nos colocamos diante de um conceito-chave para a fundamentação de sua compreensão da moral, da religião e da ciência como âmbitos operando a partir de um mesmo arcabouço valorativo e metafísico. Sem qualquer pretensão de esgotar a vasta temática da verdade em Nietzsche, coligimos alguns de seus pensamentos de juventude e de maturidade para darmos início a uma inicial compreensão sobre o assunto. Tomamos esta nossa análise como uma forma possível de explorar o método investigativo de Nietzsche acerca do conceito de verdade em suas perquirições sobre a gênese das valorações morais. Para Nietzsche fica evidente, principalmente por meio de suas apreciações dos tipos do filósofo, do sacerdote e do asceta, a íntima correspondência entre as valorações morais e as considerações de ordem epistêmicas. Para ele, na origem do conceito de verdade habitaria um até então não revelado impulso moral para a verdade, uma Vontade de Verdade, sem o qual nem filosofia, nem religião, nem ciência teriam emergido. Por sua vez, o impulso para a verdade estaria ancorado em relações de forças originárias, cuja dinâmica é articulada, em Nietzsche, sobretudo por meio do conceito-chave de niilismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eberth dos Santos, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), mestrado em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) e doutorado em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (2008). Atua nas áreas de Filosofia da Psicanálise, História da Matemática, História da Filosofia Moderna e Contemporânea.

Referências

DELEUZE, G. Nietzsche et la philosophie. Paris: PUF, 1973.

LOPARIC, Z. Ética e finitude. 2ª edição revista e ampliada, São Paulo: Editora Escuta, 2004.

KAUFMANN, W. Nietzche: philosopher, psychologist, antichrist. Princenton: Princenton University Press, 1974.

MÜLLER-LAUTER, W. Nietzsche: sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. Tradução Clademir Araldi com apresentação de Scarlett Marton. São Paulo: Editora Unifesp, 2011.

NIETZSCHE, F. Komplett Werke: Werke in drei Bänden. Herausgegeben von Karl Schlechta. Carl hanser Verlag München, 1955.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução de Paulo César de Souza, São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Cia das Letras, 1992a.

NIETZSCHE, F. Gesammelt Werke: Werke in zwei Bänden, Phaidon, 1997.

NIETZSCHE, F. Humano demasiado humano (tomo I). Tradução de Paulo César de Souza, São Paulo: Cia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza, São Paulo: Cia das Letras, 2016a.

NIETZSCHE, F. O anticristo e ditirambos de Dionísio. Tradução de Paulo César de Souza, São Paulo: Cia das Letras, 2016b.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos: ou como filosofar com o martelo. Tradução Paulo César de Souza, São Paulo: Cia. das Letras, 2021.

STEGMAIER, W. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche. Org. Jorge Luiz Viesenteiner e André Luis Muniz Garcia, Petrópolis: Vozes, 2013.

Publicado
2022-05-03
Como Citar
dos Santos, E. (2022). CIRCUNSCRIÇÕES SOBRE O CONCEITO DE VERDADE EM NIETZSCHE. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 7(12), 59 - 80. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/15411
Seção
Artigos