AUTORIDADE LEGÍTIMA: DEMASIADOS ABISMOS A SUPERAR POR UM ÚNICO CONCEITO?

Palavras-chave: Autoridade Política. Democracia. Legitimidade. Liberalismo Político. Rawls.

Resumo

O que é legitimidade política, por oposição a um poder arbitrário? Neste artigo quero revisitar este tópico clássico da filosofia política, a partir da colocação de três questões: o conceito de ‘autoridade legítima’ pode (ou consegue) dar conta simultaneamente de contextos democráticos e não-democráticos? O que significa para uma autoridade não-democrática ser legítima, se tomarmos a legitimidade num sentido normativo, e não no sentido realista ou Weberiano de autoridade que se reduz apenas a um rótulo? Por fim, a mesma noção consegue abranger a autoridade legítima dentro e fora do estado?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Ferrara, Universidade de Roma Tor Vergata

Possui doutorado em Sociology pela University of California System (1984). Atualmente é Full Professor of Political Philosophy da Università degli Studi di Roma Tor Vergata. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Political Philosophy. 

Marta Nunes da Costa, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Possui doutorado em Ciência Política - New School for Social Research (2006) com uma tese intitulada 'Redefining Individuality - Reflections on Kant, Adorno and Foucault'. A sua tese foi publicada em 2011 pela Húmus Editora (Portugal). As suas áreas de especialização são Ética, História da Filosofia Política, Teorias da democracia e estudos feministas. É professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, onde ministra aulas de graduação do curso de Filosofia da Faculdade de Ciências Humanas, e aulas de pós-graduação no âmbito do Mestrado Profissional em Filosofia. É Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação de Filosofia da Unioeste. É professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação de Ensino de Ciências na UFMS. É líder do grupo de pesquisa "Grupo de Estudos Democráticos" (CNPQ). É presidente da Comissão de Ética. Atualmente desenvolve um projeto de pesquisa intitulado ?Direito à rebelião? Reflexões críticas a partir do legado da história da filosofia política?, com apoio do Cnpq.

Referências

Benhabib S., “The multivariate polity or democratic fragmentation: On Alessandro Ferrara’s The Democratic Horizon: Hyperpluralism and the renewal of political liberalism”, in Philosophy and Social Criticism, 2016, Vol. 42 (7), 649–656

Bentham J., An Introduction to the Principles of Morals and Legislation (1789), in J.Bentham and J.S. Mill, The Utilitarians (Garden City, NY: Doubleday & Co., 1961), 5-398.

Böckenförde E.-W., Recht, Staat, Freiheit (Frankfurt: Suhrkamp, 1991).

Derrida J., Of Hospitality. Anne Dufourmantelle invites Jacques Derrida to Respond, (Stanford: Stanford University Press, 2000).

Ferrara A., The Democratic Horizon. Hyperpluralism and the Renewal of Political Liberalism (New York: Cambridge University Press, 2014).

Ferrara A., “Political liberalism revisited: A paradigm for liberal democracy in the 21st century”, ibidem, 688-693.

Gilligan C., In a Different Voice. Psychological Theory and Women's Development (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1982).

Habermas J., Between Facts and Norms. Contributions to a Discourse Theory of Law and Democracy (1992), transl. by William Rehg, (Cambridge: Polity Press, 1996).

Lijphart A:, Democracy in Plural Societies. A Comparative Exploration (New Haven: Yale University Press, 1977).

Offe C., “An 'Empty Signifier'?”, Constellations, 2009, XVI, 4, 550-62

Quong J., Liberalism Without Perfection (Oxford: Oxford University Press, 2011),

Rawls J., “Kantian Constructivism in Moral Theory”, The Journal of Philosophy, 1980, n. 88, 512-572.

Rawls J., Political Liberalism. Expanded Edition (New York: Columbia University Press, 2005).

Rawls J., “The Law of Peoples”, in The Law of Peoples, with “The Idea of Public Reason Revisited”, (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1999).

Seligman, Modernity's Wager, (Princeton: Princeton University Press, 2000),

Simmel G., “Conflict” (1908), in Conflict and the Web of Group Affiliations, transl. by R.Bendix (Glencoe: Free Press, 1964), 13-20.

Stuart Mill J., Utilitarianism, in in J.Bentham and J.S. Mill, The Utilitarians (Garden City, NY: Doubleday & Co., 1961), 399-472.

Taylor Ch., “Atomism”, in Philosophy and the Human Sciences, Vol I of Philosophical Papers (Cambridge: Cambridge University Press, 1975), 187-210.

Taylor Ch., Sources of the Self. The Making of the Modern Identity (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1989).

White S.K., The Ethos of a Late-Modern Citizen (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2009).

Williams B., In the Beginning Was the Deed. Realism and Moralism in Political Argument, selected, edited and with an introduction by G.Hawthorn (Princeton and Oxford: Princeton University Press, 2005),

Publicado
2018-09-17
Como Citar
Ferrara, A., & Rios Alves Nunes da Costa, M. (2018). AUTORIDADE LEGÍTIMA: DEMASIADOS ABISMOS A SUPERAR POR UM ÚNICO CONCEITO?. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 3(4), 120 - 137. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/6678
Seção
Traduções