POVO IMPOPULAR

Jordan Michel-Muniz

Resumo


Se excluir a maioria das pessoas dos frutos sociais do trabalho tem apoio
popular, como asseguram as mídias do capital, lutar pela inclusão é ser povo contra o povo, povo impopular: povo que não se quer, ideia ambígua. O povo não se gosta, ou há grupos que desprezam tal povo? Que povo? Quem não quer? A segregação multissecular de milhões de mulheres e homens – o apartheid social brasileiro – forja desculpas para a ordem social injusta, com o apoio popular que a opinião publicada falsifica. Esse o meu tema: como moldar a opinião para a maioria concordar em ser excluída? O argumento tem três partes. Primeiro, aponto o uso dúbio de povo e popular, ao chamar de popular o antipopular. Há confusão quanto ao referente de povo. Depois, foco na materialidade do conceito: a elite econômica ignora necessidades populares, mas com a opinião publicada controla as eleições, fazendo da democracia uma oligarquia disfarçada. Por último, proponho critérios ligando povo e popular ao social. Permanece a subjetividade, mas se escapa à dubiedade mal-intencionada. Povo e popular devem incluir a gente excluída, não quem a rejeita. Concluo notando contradições aparentes do texto: o povo não é grupo fixo ou a totalidade, mas ninguém deve ser marginalizado.
Palavras-chave: Povo. Popular. Apartheid social. Opinião publicada. Apoio popular.


Texto completo:

PDF

Referências


BACHA, Edmar L. O rei da Belíndia: uma fábula para tecnocratas. Disponível em: . (Originalmente publicado no jornal Opinião). Acesso em 06/11/18, p. 57-61. [1974]

BOBBIO, Norberto et alii. Dicionário de política. Tradução de Carmen C. Varriale et alii. Brasília: Editora UNB, 1998 [1983].

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. 2ª ed. rev. Porto Alegre: Zouk, 2015 [1979].

CARTER, Miguel. Desigualdade social, democracia e reforma agrária no Brasil. In: CARTER, M. (org.) Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. Tradução de Cristina Yamagami. São Paulo: Ed. UNESP, 2010.

CHOMSKY, Noam. Mídia: propaganda política e manipulação. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013 [2002].

COSTA, Marta Nunes da. Criando o povo como ‘um’?: sobre a democracia e o seu outro. In: COSTA, Marta Nunes da (Org.). Razões, paixões, utopias: democracia em questão. São Paulo: LiberArs, 2018. (13-40)

CROUCH, Colin. Post-democracy. Cambridge; Malden [MA]: Polity Press, 2017 [2004].

DUVERGER, Maurice. Los partidos políticos. Traducción de Julieta Campos y Enrique González Pedrero. 22ª. reimp. México [D.F.]: Fondo de Cultura Econômica, 2012 [1951]. (Política y Derecho)

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 46ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

GALEANO, Eduardo. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. Tradução de Sergio Faraco. 6ª ed. Porto Alegre: L&PM, 2002 [1998].

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco M. de Mello. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1ª reimpressão com alterações. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemony and socialist strategy: towards a radical democratic politics. 2nd ed. London, New York: Verso, 2001 [1985].

LEFORT, Claude. Le travail de l’oeuvre Machiavel. Paris: Gallimard, 1986 [1972].

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifeste du parti communiste. Paris: Le Libre de Poche, 1973 [1848].

MICHEL-MUNIZ, Jordan. Ética da cidade: junho de 2013 em perspective global. In: RODRÍGUEZ, F. (Org.) O junho brasileiro e seus desdobramentos. Florianópolis: Insular, 2016.

______. Democracia apresentativa e o apartheid social brasileiro: crítica da igualdade política. Florianópolis: Tese de doutorado, UFSC, 2018.

MILLS, Charles Wright. A elite do poder. Tradução de Waltensir Dutra. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981 [1956].

MISES, Ludwig von. A mentalidade anticapitalista. Tradução de Adelice Godoy. 2ª ed. Campinas: Vide Editorial, 2015 [1956].

MOUFFE, Chantal. The return of the political. London, New York: Verso, 2005a [1993]. (Radical Thinkers)

______. On the political. London, New York: Routledge, 2005b. (Thinking in Action)

______. The democratic paradox. London, New York: Verso, 2009 [2000]. (Radical Thinkers)

OLIVEIRA, Daniel. Que a morte de Marielle vos atormente tanto como a sua vida. Expresso Diário, 19/março/2018. Acesso em 15/11/18. Disponível em: .

PINZANI, Alessandro. ‘Vai trabalhar, vagabundo’: retórica antipobre e aspectos normativos de uma teoria da pobreza. In: SILVA, Hélio Alexandre da (Org.). Sob os olhos da crítica: reflexões sobre democracia, capitalismo e movimentos sociais. Macapá: UNIFAP, 2017, p. 348-388.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. Tradução de Ângela Leite Lopes. São Paulo: Editora 34, 1996 [1995]. (Coleção TRANS)

______. Nas margens do político. Tradução de Vanessa Brito e João Pedro Cachopo. Lisboa: KKYM, 2014 [1998].

REGO, Walquiria L.; PINZANI, Alessandro. Vozes do Bolsa Família: autonomia, direito e cidadania. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Tradução de Alvaro Valls. Petrópolis: Vozes, 1992 [1932].

______. A crise da democracia parlamentar. Tradução de Inês Lobbauer. São Paulo: Scritta, 1996 [1923]. (Coleção Clássica)

SOUZA, Jessé et alii. A ralé brasileira: quem é e como vive. 2ª. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016 [2009].

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

VILLAÇA, Flávio. O território e a dominação social. Margem esquerda: ensaios marxistas, n. 24, jun/2015. São Paulo: Boitempo, 2015, p. 31-36.

WOOD, Ellen Meiksins. Democracy against capitalism: renewing historical materialism. London, New York: Verso, 2016 [1995].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) ISSN: 2527-1393 

Revista Indexada: