DE HUSSERL A HEIDEGGER: O FLUXO DA FENOMENOLOGIA ATÉ A ONTOLOGIA EXISTENCIAL HERMENÊUTICA

  • Alessandra Cavalcante Scherma Schurig UFBA
  • Júlio César de Sá Rocha UFBA

Resumo

Edmund Husserl se debruça sobre o dualismo realidade/aparência que rege o platonismo para delinear uma nova concepção que superasse o essencialismo, não mais na direção da repetição do noúmeno e fenômeno, mas para um novo caminho. Esse novo caminho é finalmente pavimentado por Martin Heidegger, aluno de Husserl e brilhante filósofo que consegue levar adiante a fenomenologia criando a ontologia existencial.

Biografia do Autor

Alessandra Cavalcante Scherma Schurig, UFBA
Graduação em Direito pela Universidade Católica do Salvador (2004-2009), pós-graduação em Direito Processual Civil pela Universidade Federal da Bahia (2012-2014), pós-graduação em Direito Público pela Universidade Católica do Salvador (2014-2016) Mestranda em Direito pela Universidade Federal da Bahia (2017-2019). Tem experiência nas áreas de Filosofia do Direito, Hermenêutica Jurídica, Sociologia Jurídica, Direito Constitucional e Direito Processual Civil.
Júlio César de Sá Rocha, UFBA
Possui graduação em Direito pela Universidade Federal da Bahia (1992), mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997), doutorado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e doutorado em Doutorado Sanduíche - Tulane University (2000). Pós-doutoramento com Antropologia pela ufba (2012), Atualmente é Diretor da Faculdade de Direito da UFBA (2017-2021), professor adjunto IV da Universidade Federal da Bahia, professor do quadro permanente do mestrado e doutorado em direito da UFBA (PPGD), vice-diretor da faculdade de direito (2013-2017), Coordenador das Especializações "Direitos Humanos e Contemporaneidade" (CAPES/UAB) e "Estado e Direito dos Povos e Comunidades Tradicionais" (CAPES/UAB). Coordenador do Grupo de Pesquisa "Historicidade do Estado, Direito e Direitos Humanos: interações sociedade, comunidades e meio ambiente" da Universidade Federal da Bahia, Foi Pesquisador-visitante IPEA para Projeto "Diálogos para o aperfeiçoamento da Política e do Sistema de Recursos Hídricos no Brasil". Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direitos Especiais, atuando principalmente nos seguintes temas: Direitos Humanos, controle e participação popular, direito ambiental, recursos hídricos, meio ambiente, saúde, comunidades tradicionais e minorias, História do Direito, Sociologia Jurídica e Antropologia. Experiência em cooperação técnica internacional na área de gestão das águas com ABC/MRE e países africanos de língua portuguesa. Participante de COP´s na área ambiental (Copenhague, Madri, Curitiba). e Fórum Mundial da Água (Istambul) (Texto informado pelo autor)

Referências

Referências

ABBAGNANO, N. (2007). Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

ENGELKE, A. (2013). Relativismo e Ceticismo na obra de Richard Rorty. Desigualdade & Diversidade – Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, 171-189.

GADAMER, H.-G. (1999). Verdade e Método. Petrópolis: Editora Vozes.

HAWKING, S. W. (2012). Uma breve história do tempo: Do Big Bang aos Buracos Negros. Lisboa.

HEIDEGGER, M. (1986). Ser e Tempo. São Paulo: Vozes.

HEIDEGGER, M. (1987). Que é uma coisa? Lisboa: Edições 70.

HEIDEGGER, M. (2003). A caminho da linguagem. São Paulo: Vozes.

HUSSERL, E. (1992). A ideia da fenomenologia. Lisboa: Ediçoes 70.

NUNES, B. (2002). Heidegger & Ser e tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. doi:ISBN 85-7110-665-7

OLIVEIRA, M. A. (1996). Reviravolta linguistico-pragmática na filosofia contemporânea. São Paulo: Loyola.

RORTY, R. (1989). Contingência, ironia e solidariedade. Cambridge: Cambridge University Press.

RORTY, R. (1995). A Filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

SANTOS, L. C. (2017). Ciência e Desvelamento: a física no pensamento de Martin Heidegger. Campinas: Unicamp.

Publicado
2019-09-14
Seção
Artigos