O jongo nas comemorações do 13 de maio em São Luiz do Paraitinga

  • Ricardo Mendes Mattos Universidade de São Paulo

Abstract

Nas comemorações de 13 de maio, a dança do jongo foi o principal ritual de celebração da matriz africana e mote de organização política de afro-brasileiros em São Luiz do Paraitinga. No período pós-abolição, o jongo representou um canal de comunicação do afrodescendente na sociedade republicana nascente. O desafio de incluir o liberto na cidadania republicana teve seu vórtice na roda de jongo, que passa a sofrer transformações em sua expressão cultural, de maneira a se inserir nesse novo contexto histórico. A partir da análise da cobertura da imprensa da época, de registros de cronistas e folcloristas pretende-se contribuir para a história do jongo no 13 de maio de São Luiz do Paraitinga, bem como refletir sobre a intensa mudança nessa expressão cultural quando entram na roda de jongo as contradições sociais e raciais do período de pós-abolição e da construção da cidadania republicana.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Ricardo Mendes Mattos, Universidade de São Paulo
Doutor em Psicologia Social da Arte pela Universidade de São Paulo

References

ABREU, Martha; MATTOS, Hebe. Festas, patrimônio cultural e identidade negra, 2013. Disponível em: http://cral.in2p3.fr/artelogie/IMG/article_PDF/article_a178.pdf Acesso em: 09.03.2014.

AGUIAR, Mário. São Luís do Paraitinga (usos e costumes). Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, 1949. 66 p.

ALMEIDA, Jaime de. Foliões – festas em São Luís do Paraitinga na passagem do século (1888-1918). 1987. Tese (Doutorado em História), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Saulo, 1987.

ALMEIDA, Jaime de. Revisitando São Luís do Paraitinga: continuidades e rupturas. Em: JANCSÓ, István; KANTOR, Iris (orgs.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa (volume II). São Paulo: Hucitec;Edusp;Fapesp;Imprensa Oficial, 2001. pp. 657-679. (Coleção Estante USP – Brasil 500 anos; v.3).

ARAÚJO, Alceu Maynard. Moçambique, dançado em São Luís do Paraitinga. Folha da Manhã, São Paulo, 22.03.1949.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional (Volume II – Danças, Recreação, Música). São Paulo: Melhoramentos, 1964. 456 p.

CAVAZZI, Giovanni Antonio. Relation historique de l’Ethiopie occidentale. Paris: Charles Delespine, 1732.

DIAS, Paulo. O lugar da fala: conversas entre o jongo brasileiro e o ondjango angolano. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 59, p. 329-368, dez. 2014.

DOMINGUES, Petrônio José. “A redempção de nossa raça”: as comemorações da abolição da escravatura no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 62, p. 19-48, 2011.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Jongo no sudeste. (Dossiê Iphan; 5). Brasília, DF: Iphan, 2007. 92 p.

MACHADO, Maria Helena. O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da abolição. Rio de Janeiro: UERJ/EDUSP, 1994. 259 p.

MONSMA, Karl. A polícia e as populações “perigosas” no interior paulista, 1880-1900: escravos, libertos, portugueses e italianos. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro, Bahia, 2008. Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/mesas_redondas/trabalhos/MR%2012/Monsma%20ABA%202008.pdf Acesso em: 03.01.2015.

MONSMA, Karl. Pânico e repressão: a reação à abolição das elites nas regiões de cafeicultura paulista. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho 2011.

MORAES, Renata Figueiredo. As festas da abolição: o 13 de maio e seus significados no Rio de Janeiro (1888-1908). 325 f. 2012. Tese (Doutorado em História Social da Cultura), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

NERY, Rosa Maria de Andrade. São Luiz do Paraitinga: reduto de gente bandeirante. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

PEREIRA, Matheus Serva. As festas negras pela abolição. Sambas, batuques e jongos no 13 de maio (1888-1898). In: Ribeiro, Alexandre; Bittencourt , Marcelo; Gebara, Alexander (org.) África, passado e presente: II encontro de estudos africanos da UFF. Niterói: PPGH-UFF, 2010. p. 99-107.

PEREIRA, Matheus Serva. Uma viagem possível: da escravidão à cidadania. Quintino de Lacerda e as possibilidades de integração dos ex-escravos no Brasil. 292 f. 2011. Dissertação (Mestrado em História) Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

PETRONE, Pasquale. A região de São Luís do Paraitinga (estudo de geografia humana). Revista Brasileira de Geografia, Ano XXI, n. 03, julho/setembro de 1959. p. 03-100.

PINTO, Benedito de Souza. O jongo de São Luís do Paraitinga. Correio Folclórico, nº 45, 04 de fevereiro de 1950.

QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Escravidão negra em São Paulo: um estudo sobre as tensões provocadas pelo escravismo no século XIX. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1977.

RAYMOND, Lavínia Costa. Algumas danças populares no Estado de São Paulo. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, boletim n. 191, Sociologia n. 6, 1954. 128 p.

SANTOS, João Rafael Coelho Cursino dos. A Festa do Divino de São Luiz do Paraitinga: o desafio da cultura popular na contemporaneidade. 2008. Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós Graduação em História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SCHMIDT, Carlos Borges. Aspecto da vida agrícola no Vale do Paraitinga. Revista Sociologia, v. 1, p. 35-55, 1943.

SCHMIDT, Carlos Borges. A vida rural no Brasil: a área do Paraitinga, uma amostra representativa. São Paulo: Secretaria da Agricultura, 1951.

SLENES, Robert W. “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta no Brasil. Revista icUSP, n. 12, 1992, p. 48-67.

STEIN, Stanley J. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. (Vera Bloch Wrobel). Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990. 361 p.

Published
2018-12-17
How to Cite
MATTOS, R. M. O jongo nas comemorações do 13 de maio em São Luiz do Paraitinga. albuquerque: journal of history, v. 10, n. 19, 17 Dec. 2018.
Section
Dossiê - Patrimônio, cultura material e imaterial: diálogos e perspectivas