ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NA MATRIZ ENERGÉTICA ALEMÃ SOB A ÓTICA DAS FUNÇÕES DE SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE INOVAÇÃO

  • Thiago Carrano de Albuquerque Bernardes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Patrícia Andrade Paines Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luciano Vignochi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Osmar Possamai Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Para alguns pesquisadores o desenvolvimento da energia solar fotovoltaica na Alemanha pode ser dividido em seis fases, tendo como marco inicial as duas crises do petróleo, pois posterior a estes acontecimentos o governo federal local deu início a uma série de programas de apoio de garantia de remuneração sobre o custo da eletricidade gerada por fontes solares de energia elétrica, que serviram de ponte para a evolução desta tecnologia naquele país. No presente artigo identificam-se os fatores-chave de sucesso da tecnologia solar fotovoltaica na Alemanha sob a ótica dos indicadores funcionais do Sistema Tecnológico de Inovação. Para isso estruturou-se uma análise de processo das seis fases de implantação desta energia com bases nas políticas públicas e os atores envolvidos neste sistema tecnológico. Esta análise mostrou que em durante as fases iniciais de evolução do sistema, o progresso funcional foi impulsionado principalmente pela orientação da função desenvolvimento de conhecimento, sugerindo a existência de um alinhamento na introdução da energia solar fotovoltaica com os acontecimentos econômicos e políticos marcantes nas décadas de 1970 a 1990, como as já citadas duas crises do petróleo, o acidente nuclear de Chernobyl e conferencia das Nações Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento no Rio de Janeiro em 1992. Acontecimentos esses de repercussão direta nos recursos energéticos mundiais e consequentemente promoveram uma situação favorável à construção do sistema tecnológico desta inovação no país em parceria com instituições nacionais e internacionais.

Biografia do Autor

Thiago Carrano de Albuquerque Bernardes, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui formação em Mecatrônica Industrial pelo Instituto Federal de Santa Catarina (2010), graduação em Engenharia de Produção Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2017) e suas áreas interesse nas pesquisas são: análise de valor/engenharia de valor, modelos de difusão de inovações, manufatura avançada/indústria 4.0 e energias renováveis.

Patrícia Andrade Paines, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora (UFSC) e Mestra (UFSM) em Engenharia de Produção; Especialista em Eficiência Energética Aplicada aos Processos Produtivos (UFSM); Graduada em Matemática - Licenciatura Plena (UFSM); Técnica em Eletrotécnica e em Informática (CTISM/UFSM). Têm experiência nas áreas de Ensino, Engenharias e Estatística com ênfase em Energias Renováveis, atuando principalmente nos seguintes assuntos: Modelagem Matemática; Métodos de Análise (qualitativos, quantitativos e mistos) e Mapeamento de Dados.

Luciano Vignochi, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui Pós-Doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, com ênfase em Empreendedorismo e Inovação e Pós-Doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade do Vale do Itajaí com ênfase em Liderança, Comportamento Empreendedor, Probabilidade e Estatística. Doutor em Engenharia de Produção (Inteligência Organizacional) pela Universidade Federal de Santa Catarina com estágio de doutorado sanduíche na Escuela Técnica de Ingeniería Industrial, Depto. de Ingeniería de Organización de la Universidad Politécnica de Madrid Espanha. Mestre em Administração (Estratégia e Competitividade) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Especialista em Gestão de Pessoas (MBA). Graduado em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tem experiência em Gestão Administrativa e de Pessoas em Serviços de Saúde, Assistência Social e Psicologia com ênfase nas áreas Educacional, Organizacional, Comunitária e Clinica. Atua como docente e pesquisador, principalmente, nos seguintes temas: Inteligência Organizacional, Competências Organizacionais, Comportamento Organizacional, Comportamento Empreendedor e Liderança, Elaboração de Programas de Capacitação, Comunicação e Marketing e Psicologia Geral. Professor Substituto no Depto. de Ciências da Administração (CAD/UFSC). Possui aperfeiçoamento na plataforma Moodle - Professor Autor. Tutor/Assistente pedagógico no Moodle em disciplinas de licenciatura e bacharelado. Professor Formador UAB/EaD-UFSC/PNAP. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Empreendedorismo e Inovação (PPGEP-UFSC). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Tecnologia Social, Inovação e Desenvolvimento - Unilasalle. Membro do Corpo Editorial (Comissão Científica) do Periódico Desenvolve - Revista de Gestão da Unilasalle e da Revista UNINGÁ Review. Pesquisa em parceria com o Grupo de Investigación en Organizaciones Sostenibles ?GIOS- Unidad Docente de Organización de la Producción, del Departamento de Ingeniería de Organización, Administración de Empresas y Estadística, de la Universidad Politécnica de Madrid. Website:https://lvignochi1.wixsite.com/website.

Osmar Possamai, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Maria, Mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutorado em Génie Mécanique pela Université de Technologie de Compiègne - França. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Engenharia, com ênfase em Engenharia do Produto e Processos, atuando principalmente nos seguintes temas: Projeto de Produtos, Sustentabilidade em Projetos, Custos em produtos, Otimização de processos, Indicadores de desempenho e Engenharia Simultânea.

Publicado
2020-10-30
Como Citar
CARRANO DE ALBUQUERQUE BERNARDES, T.; ANDRADE PAINES, P.; VIGNOCHI, L.; POSSAMAI, O. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NA MATRIZ ENERGÉTICA ALEMÃ SOB A ÓTICA DAS FUNÇÕES DE SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE INOVAÇÃO. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 4, n. 1, 30 out. 2020.