PERCEPÇÃO DOS DISCENTES DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM AGRICULTURA DO CAMPUS PONTA PORÃ SOBRE AS METODOLOGIAS DE ENSINO

  • Cristiana Maia de Oliveira IFMS
  • Leandro Martins Ferreira Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, campus Naviraí
  • Helenice Serikaku Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, campus Ponta Porã
  • Renato Massao Shiwa Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, campus Ponta Porã

Resumo

O objetivo dessa pesquisa é conhecer quais são as metodologias e ferramentas de ensino mais adotadas no Curso Técnico Subsequente em Agricultura do IFMS, campus Ponta Porã, aquelas consideradas mais eficazes na percepção dos discentes para a aprendizagem e discutir o uso de metodologias ativas. Foi realizado levantamento com o uso de questionário semiestruturado contendo dez perguntas, aplicados aos estudantes do segundo e quarto período do técnico subsequente em agricultura. A pesquisa teve foco nas metodologias e ferramentas utilizadas nas disciplinas de agrárias. Os resultados mostraram que sob a perspectiva dos estudantes as metodologias mais adotadas pelos docentes são as aulas expositivas associadas as práticas e como ferramenta para aplicação dos conteúdos o uso de data show. Tais metodologias são consideradas eficazes pelos estudantes e a maioria se mostram satisfeitos, revelando que os mesmos se sentem bem no papel de sujeitos passivos na aprendizagem. Portanto o desafio é a aplicação de metodologias que cativem os estudantes e o tornem protagonistas no seu próprio aprendizado e os professores atuantes como mediadores nesse processo. Para isso é necessário o suporte da unidade escolar, estímulo a capacitação docente e sua aplicação em aulas oportunizando aos estudantes conhecerem metodologias diferentes do que estão habituados.

Publicado
2020-10-31
Como Citar
MAIA DE OLIVEIRA, C.; MARTINS FERREIRA, L.; SERIKAKU, H.; MASSAO SHIWA, R. PERCEPÇÃO DOS DISCENTES DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM AGRICULTURA DO CAMPUS PONTA PORÃ SOBRE AS METODOLOGIAS DE ENSINO. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 4, n. 1, 31 out. 2020.