Histórico e perspectivas da Associação de Mulheres do Assentamento Juncal (AMAJU)

  • Daniel Zimmermann Mesquita Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul https://orcid.org/0000-0003-4807-7632
  • Rafael Aparecido Souza Gonçalves Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí
  • Marco Aurélio Argenta Mocinho Junior Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí
  • Pedro Guilherme Sinkoc Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí
  • Priscila Gonzales Figueiredo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí https://orcid.org/0000-0003-3734-3691
  • Marcelo Barcelo Gomes Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí https://orcid.org/0000-0002-3393-9888
  • Cristiana Maia de Oliveira Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí
  • Fernando Giovannetti de Macedo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul campus Naviraí https://orcid.org/0000-0002-6683-9162

Resumo

A agricultura familiar é responsável por uma parte considerável da produção agropecuária brasileira. O assentamento Juncal foi o primeiro no Brasil na qual o processo de ocupação da área ocorreu de maneira pacífica. O fortalecimento do associativismo no contexto da agricultura familiar é de suma importância para a sobrevivência e permanência dos agricultores no campo. O presente trabalho tem o objetivo de realizar uma pesquisa do histórico e perspectivas futuras sobre a Associação de Mulheres do Assentamento Juncal (AMAJU). A metodologia utilizada neste trabalho foi a realização de uma pesquisa e releitura de artigos, notícias e trabalhos publicados a respeito do início das atividades da AMAJU. Para compreensão e entendimento das perspectivas futuras da Associação, foi realizada uma visita in loco na agroindústria e também sede da AMAJU, com as agricultoras familiares associadas. Foi possível identificar as dificuldades diárias da associação, como falta de apoio técnico, e também perceber o quão resilientes são essas mulheres do campo frente aos desafios futuros.

Biografia do Autor

Daniel Zimmermann Mesquita, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (2010). Atualmente ocupa o cargo de Professor EBTT no Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS) - Campus Naviraí. Exerce desde março de 2017 a função de Coordenador do Eixo Tecnológico de Recursos Naturais do IFMS - Campus Naviraí. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Silvicultura, Grandes Culturas Agrícolas em Pivô Central na Fazenda Fortaleza de Santa Terezinha Agricultura e Pecuária LTDA ( 2010 a 2012). Trabalhou na Prefeitura Municipal de Paraty (2013 a 2016) com produção de mudas nativas, ornamentais e frutíferas no Horto Municipal de Paraty (RJ), e com extensão rural junto a agricultores familiares. Especialização em Gestão Florestal pela Universidade Federal do Paraná (2013). Especialização em Economia e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Paraná (2015). Mestre em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal" e Linha de Pesquisa "Melhoramento Vegetal" (2015). Doutorando em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal"
Publicado
2021-09-27
Como Citar
MESQUITA, D. Z.; APARECIDO SOUZA GONÇALVES, R.; ARGENTA MOCINHO JUNIOR, M. A.; GUILHERME SINKOC, P.; GONZALES FIGUEIREDO, P.; BARCELO GOMES, M.; MAIA DE OLIVEIRA, C.; GIOVANNETTI DE MACEDO, F. Histórico e perspectivas da Associação de Mulheres do Assentamento Juncal (AMAJU). Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 5, n. 1, 27 set. 2021.
Seção
EIXO 6 - Resumo Expandido - Agronegócios, Economia Rural e Bioeconomia