ÁREAS DE EXPANSÃO DA CANA-DE-AÇUCAR NO MATO GROSSO DO SUL E NO BRASIL

  • Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Cícero Teixeira Silva Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
  • Daniel Zimmermann Mesquita Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Expansão de área, Clima, Zoneamento,

Resumo

A demanda dos produtos derivados do cultivo da cana-de-açúcar vem crescendo a cada dia e uma maneira de aumentar a produção do cultivo é a expansão de novas áreas. Diante do exposto, o presente trabalho teve por objetivo estabelecer as áreas que apresentam o menor risco climático para realizar a expansão da produção de cana-de-açúcar no Mato Grosso do Sul e no Brasil. O estudo foi realizado no Brasil e foram utilizados dados de temperatura do ar e precipitação pluviométrica mensal de 4947 estações agrometeorológicas do Brasil, do período de 1950 a 2016. Utilizando as variáveis climáticas foram definidas as áreas aptas, restritas e inaptas ao cultivo canavieiro para o estado do Mato Grosso do Sul e também em âmbito nacional. O Brasil apresenta 31% das suas áreas agrícolas aptas ao cultivo de cana-de-açúcar e apenas 13% inaptas. O estado do Mato Grosso do Sul apresenta grande parte das suas áreas aptas climaticamente para o plantio canavieiro. Algumas áreas do estado apresentaram tendências de alto índice de doenças, questão essa que pode ser sanada com a utilização de produtos agroquímicos e manejo adequado da cultura.

Biografia do Autor

Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Professor do Instituto Federal do Mato Grosso do Sul - Campus Naviraí. Doutorando do Programa de Pós Graduação em Agronomia (Produção Vegetal) da Universidade Estadual Paulista 'Júlio Mesquita Filho', no Campus de Jaboticabal, SP, UNESP Jaboticabal, na área de Agrometeorologia e Modelagem. Mestre em Agronomia (Produção Vegetal) na área de Agrometeorologia e Modelagem - UNESP Jaboticabal (2015). Engenheiro Agrônomo e Técnico em Agropecuária (2013 e 2009, respectivamente) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas - Campus Muzambinho, MG. Desenvolvedor do Software SYSWAB-System for Water Balance (INPI: BR512014001349-9), de gerenciamento de estações agrometeorologicas e monitoramento das condições climáticas, atualmente implantado na Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé (COOXUPÉ). Tem experiência na área de Agronomia e Modelagem, com ênfase em Agrometeorologia e Climatologia, atuando nos seguintes temas: Irrigação e Drenagem, Modelagem Agrometeorológica, Micrometeorologia, Balanço Hídrico, Evapotranspiração, Risco Climático, Zoneamento Climático e Agrícola, Classificação Climática, Ambiência Rural, Séries Climáticas, ECMWF, Modelos Climáticos Globais (GCM), Regressão Linear Múltipla (RLM), Regressão Não-linear, Análise Multivariada e Cafeicultura. Foi bolsista na modalidade de Mestrado Acadêmico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP, 05025-4/2014). No doutorado desenvolve o Projeto FAPESP (2015/17797-4), Brasil.
Cícero Teixeira Silva Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Alagoas (2007), mestrado em Produção Vegetal pela Universidade Federal de Alagoas (2009), doutorado em Irrigação e Drenagem pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (2012). Atualmente é pós doutorando no Instituto Federal Goiano - Campus Rio Verde - GO. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agrometeorologia, Solos e Irrigação. Atua principalmente nas seguintes áreas: evapotranspiração, cana-de-açúcar, feijão, sorgo, milho, milheto e estresse hídrico.
Daniel Zimmermann Mesquita, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (2010). Atualmente ocupa o cargo de Professor EBTT no Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS) - Campus Naviraí. Exerce desde março de 2017 a função de Coordenador do Eixo Tecnológico de Recursos Naturais do IFMS - Campus Naviraí. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Silvicultura, Grandes Culturas Agrícolas em Pivô Central na Fazenda Fortaleza de Santa Terezinha Agricultura e Pecuária LTDA ( 2010 a 2012). Trabalhou na Prefeitura Municipal de Paraty (2013 a 2016) com produção de mudas nativas, ornamentais e frutíferas no Horto Municipal de Paraty (RJ), e com extensão rural junto a agricultores familiares. Especialização em Gestão Florestal pela Universidade Federal do Paraná (2013). Especialização em Economia e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Paraná (2015). Mestre em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal" e Linha de Pesquisa "Melhoramento Vegetal" (2015). Doutorando em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro na Área de Concentração "Produção Vegetal"

Referências

ALMEIDA, B. M. et al. Comparação de métodos de estimativa da ETo na escala mensal em Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, Fortaleza-CE, v.4, n.2, p.93-98, 2010.

BACCHI, O. O. S. Ecofisiologia da Cana-de-Açúcar. Piracicaba: IAA/PLANALSUCAR, 1985. 20 p.

BARBIERI,V.; VILLA NOVA, N.A Climatologia e a cana-de-açúcar. Araras: PLANALSUCAR, 1977. 22 p.

BATISTA, E. L. S. Efeitos do estresse hídrico sobre o crescimento de cultivares de Cana-de-Açúcar. 2012. 117 f. Trabalho de Conclusão de Curso (tese) Pós-Graduação em Meterologia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa-UFV, Viçosa, 2012.

DOOREMBOS, J.; KASSAN, A.H. Efeitos da água no rendimento das culturas. Roma: FAO, 1994. 212 p. (Estudos FAO: Irrigação e Drenagem, 33).

FLEXAS, J.; RIBAS-CARBO, M.; BOTA, J.; GALMES, J.; HENKLE, M.; MARTINEZ-CANELLAS, S.; MEDRANO, H. Decreased Rubisco activity during water stress is not induced by decreased relative water content but related to conditions of low stomatal conductance and chloroplast CO2 concentration. New Phytologist, v.172, p.73-82, 2006.

IBGE, Censo. "Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/default.shtm." Acesso em 15 de agosto de 2017. (2006).

INMAN-BAMBER, N.G.; SMITH, D.M. Water relations in sugarcane and response to water deficits. Field Crops Research, v.92, p.185-202, 2005.

LYRA G. B.; BATISTA, E. L. S.; LYRA, G. B.; PEREIRA, C. R.; SILVA, L. D. B.; SILVA, G. M. Coeficiente da cultura da cana-de-açúcar no estádio inicial de desenvolvimento em campos dos Goytacazes, Rj. Irriga, Botucatu, v. 17, n. 1, p. 102-113, janeiro-março, 2012.

Nunes, E. L.; Amorim, R. C. F. de; Souza, W. G. de; Ribeiro, A.; Senna, M. C. A.; Leal, B. G. Zoneamento agroclimático da cultura do café para a bacia do Rio Doce. Revista Brasileira de Meteorologia, v.22, n.3, p.297-302, 2007.

PIMENTEL, C. A relação da planta com a água. Seropédica: Edur, 2004. 191p.

RAMESH, P. Effect of different levels of drought during the formative phase on growth parameters and its relationship with dry matter accumulation in sugarcane. Journal of Agronomy and Crop Science, v.185, p.83-89, 2000.

ROBERTSON, M.J.; MUCHOW, R.C.; DONALDSON, R.A.; INMAN-BAMBER, N.G.; WOOD, A.W. Estimating the risk associated with drying-off strategies for irrigated sugarcane before harvest. Australian Journal of Agricultural Research, v.50, p.65-77, 1999.

RUDORFF, B. F. T. et al. Studies on the rapid expansion of sugarcane for ethanol production in São Paulo State (Brazil) using Landsat data. Remote sensing, 2(4):1057-1076, 2010.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 719 p.

TEODORO, I. et al. Crescimento e Produtividade da cana-de-açúcar em cultivo de sequeiro nos tabuleiros costeiros de Alagoas. STAB, Março/Abril, v. 27, n. 4, 2009.

WANG, L. et al. Economic and GHG emissions analyses for sugarcane ethanol in Brazil: Looking forward. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 40:571-582, 2014.

Publicado
2017-10-03