SÍNDROME DE BURNOUT EM EMPRESAS JUNIORES

Ana Carolina Molina, Vilma Meurer Sela

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar os níveis da Síndrome de Burnout nas Empresas Juniores de uma Universidade Estadual. A escolha das empresas juniores como objeto empírico deste trabalho se deu pelo fato de ser um ambiente complexo e com diversidade de cargos e funções. A pesquisa se caracterizou como uma pesquisa quantitativa e descritiva, realizada por meio de questionário MBI-GS (Maslach Burnout Inventory – General Survey). A amostra com a qual foi realizada a pesquisa foi caracterizada como amostra não probabilística por conveniência, composta por 167 membros de oito empresas juniores. O estudo revelou que, em sua maioria, as empresas juniores apresentam indicadores baixos para a Síndrome de Burnout. Todavia, uma das empresas (D) apresentou um alto índice (2,65), seguida por outras duas empresas (F e G), que apresentam um classificatório moderado (1,40 e 1,36, respectivamente), fazendo com o que o classificatório geral (1,91) fosse moderado. Ao segmentar a análise por sexo, o estudo revelou que o valor da Síndrome para o sexo feminino (2,52) é superior ao valor do sexo masculino (1,07). A pesquisa traz contribuições significativas no que tange aos estudos de Burnout, mensurando uma população específica, além de contribuir com a aplicação de MBIGS de forma inédita nas empresas juniores da universidade pesquisada.


Palavras-chave


Esgotamento profissional; Síndrome de Burnout; Empresas Juniores

Texto completo:

PDF

Referências


BECK AT, WARD CH, MENDELSON M, MOCK J, ERBAUGH J. An inventory for measuring depression. Arch Gen Psychiatry. 561–571, Jun; 1961.

CARLOTTO, M. S.; CÂMARA, S. M. Características psicométricas do Maslach Burnout Inventory – Student Survey (MBI-SS) em estudantes universitários brasileiros. Psico-USF, 167-173, 2006.

CERCHIARI, E. A. N., CAETANO, D., FACCENDA, O. Prevalência de transtornos mentais menores em estudantes universitários. Estudos de Psicologia, 413- 420, 2005.

CODO, W.; VASQUES-MENEZES, I. O que é Burnout? Educação: carinho e trabalho, 237-255. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

CRUVINEL, M.; BORUCHOVITCH, E. Compreendendo a depressão infantil. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2014. 104p.

FERREIRA, R. A organização do trabalho na Unidade de Doenças Infectocontagiosas e a ocorrência de Burnout nos trabalhadores de Enfermagem [Dissertação de Mestrado]. Disponível em: < http://www.bdtd.uerj.br/tde_arquivos/20/TDE-2011-10-18T131135Z-1898/Publico/. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

FREUDENBERGER, H. J.; RICHELSON G. Dépuisement professional: la brülure interne. Otawa: Gaetan Morin, 1987.

IQWIG (Institute For Quality And Efficiency In Health Care). Depression: What is burnout?.Disponível em:.Acesso em:12 maio 2017.

LIPP, Marilda. O modelo quadrifásico do stress. Disponível em: http://www.estresse.com.br/publicacoes/stress-na-atualidade-qualidade-de-vida-na-familia-e-no-trabalho/>. Acesso em: 16 jun. 2017.

MASLACH, C.; SCHAUFELI, W. B.; LEITER, M. P. Job burnout. Annual Review of Psychology, v. 52, p. 397-422, 2001. ISSN 0066-4308. Disponível em: < ://WOS:000167463100017 >. Acesso em: 10 de maio 2017.

MENDES, F. M. P. Incidência de Burnout em professores universitários. [Dissertação de mestrado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

PINHEIRO, F., TRÓCCOLI, B.; TAMAYO, M. Mensuração de coping no ambiente ocupacional. Psicologia: Teoria e pesquisa, 140-158, 2003.

REVISTA ÉPOCA. Mais de 75 mil pessoas foram afastadas do trabalho por depressão em 2016.Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.

TAMAYO, M.R. Burnout: relações com a afetividade negativa, o coping no trabalho e a percepção de suporte organizacional. [Tese de Doutorado]. Brasília: Universidade de Brasília, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.