FORMAÇÃO TERRITORIAL E DINÂMICA PRODUTIVA DO MUNICÍPIO DE NAVIRAÍ - MS

Wesley Osvaldo Pradella Rodrigues, Tathiane Marques Dornelas

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar as influências do processo histórico de ocupação e uso do solo no município de Naviraí/MS para a atual configuração regional em termos de estrutura fundiária e organização econômica/produtiva local. Aborda-se a evolução do processo de transformação territorial do município, tendo como parâmetro a base de produção agropecuária estabelecida na região. O trabalho parte do pressuposto de que o processo de ocupação e os padrões de especialização agropecuária do município partem de sua base natural, ou seja, da própria aptidão agrícola dos solos da região. A análise regional esta pautada sobre duas dimensões: (i) o processo histórico de formação do município e o crescimento demográfico local; (ii) as mudanças na estrutura fundiária local a evolução da produção agropecuária. Este trabalho contribui para uma melhor compreensão do processo de formação e evolução socioeconômica do município, podendo auxiliar os atuais e futuros atores públicos na elaboração e execução de políticas públicas voltadas para o crescimento e desenvolvimento socioeconômico do município e região.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, S. de. Ocupação, racionalização e consolidação do Centro-Oeste brasileiro: o espaço mato-grossense e a integração nacional. In: MARIN, J.R.; VASCONCELOS, C. A. de. História, Região e Identidades. Campo Grande: UFMS, p. 263-290, 2003.

ALBANEZ, J. L. Ervais em queda transformações no campo no extremo sul de Mato Grosso (1940-1970) – Dourados-MS: Ed. UFGD, 2013.

ALVEZ JUNIOR, G. T. O planejamento governamental e sus reflexos na estrutura fundiária de Mato Grosso. Revista Caminhos da Geografia, v. 4, n. 9, p. 17-30, jun. 2003.

ANTONIO, R. R. Um plano privatizado de colonização dirigida: a SOMECO S/A em terras do Ivinhema (1961-1974). 2015. 126f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciência Humana, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2015.

BAENINGER, R. Rotatividade migratória: um olhar para as migrações no século XVI. Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 16, 2008, Caxambu. Anais ... Belo Horizonte: ABEP, 2008.

_____________ Rotatividade migratória: um novo olhar para as migrações internas no Brasil. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 20, n. 39, p. 77-100, jul./dez. 2012.

BARROZO, J.C. (2008). Políticas de Colonização: as políticas públicas para a Amazônia e o Centro-Oeste. In: BARROZO, J. C. (Org.), Mato Grosso: do sonho à utopia da terra (15-26). Cuiabá: EdUFMT/Carlini&Caniato Editorial.

CUNHA, J. M. P da. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do Centro-Oeste brasileiro: o caso de Mato Grosso. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n. 1, p. 87-107, jan./jun. 2006.

CUNHA, J. M. P da. Migração no Centro-Oeste brasileiro: as tendências e características do período 1986/96. In: HOGAN,D. J. (Org.). Migração e ambiente no Centro-Oeste. Campinas: Núcleo de Estudos de População/UNICAMP: PRONEX, 2002.

FURTADO, C. Pequena introdução sobre o desenvolvimento. São Paulo: Nacional, 1989.

GALVÃO, J. A. C. Notas sobre a colonização em Mato Grosso de 1940 a 1980. In: Seminário Internacional de Investigación em Urbanismo, 5, 2013, Barcelona-Buenos Aires. Anais... Barcelona: Departament d’Urbanismo i OrdenacióndelTerritori, Universitat Politécnica de Catalunya, 2013, p. 58-64.

GARCIA, D. C. Um lugar chamado Naviraí. Dourados, MS: Seriema, 2016. 198 p

GUIMARÃES, E. N.; LEME, H. J. de C. Caracterização Histórica e Configuração Espacial da Estrutura Produtiva do Centro-Oeste. In: NEPO/UNICAMP. Redistribuição da população e meio ambiente: São Paulo e Centro-Oeste, 1. Campinas, 1997. p. 25-65. (Textos Nepo, 33)

HADDAD, P. R. Capitais intangíveis e desenvolvimento regional. Revista de Economia, v. 35, n. 3, p. 119-146, set./dez. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censos Agropecuários de 1980, 1985 e 1996. .

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades@. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2017.

INSTITUTO DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA. Cadastro Rural – Estatísticas Cadastrais. .

INSTITUTO DE MANEJO E CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E AGRÍCOLA - IMAFLORA. Atlas: A geografia da agropecuária brasileira, 2017.

MATOS, A. K. V. de. Revolução verde, biotecnologia e tecnologias alternativas. Caderno da FUCAMP, v. 10, n. 12, p. 1-17, 2010.

MESSIAS, Maria Lúcia (Org.). Naviraí: 50 anos construindo sonhos. Naviraí: Gráfica PSAF, 2013

MORO, N. D. O poder legalizador no processo de formação das fronteiras econômicas e demográficas no sul do estado de Mato Grosso (década de 1960-1970). Revista História em Reflexão, v. 3, n. 6, jul/dez. 2009.

PÉBAYLE, R.; KOECHLIN, J. As frentes pioneiras de mato grosso do sul: abordagem geográfica e ecológica. Espaço e Conjuntura, 4, USP, São Paulo,1981.

SANTANA JUNIOR, J. R. Formação territorial da região da Grande Dourados: colonização e dinâmica produtiva. Revista Geografia, v. 18, n. 2 p. 89-107, jul./dez. 2009.

TERRA, A. A modernização agropecuária de Mato Grosso do Sul: 1970-1985. In. Encontro de Grupo de Pesquisa, 2, 2006. Anais ... Uberlândia: Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, 2006.

TRUBILIANO, C. A. B; MARTINS JUNIOR, C. Rumo à brasilidade: Mato Grosso e a marcha para o oeste (1937-1945). In: Semana de História, 10, 2007, Três Lagoas. Anais ... Campo Grande: Ed UFMS, 2007 p. 38-53.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.