A TECNOLOGIA SOCIAL E SEU PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO: uma Análise no Contexto da Economia Solidária

Daniel Teotonio Nascimento, Elcio Gustavo Benini, Edi Augusto Benini, Gustavo Henrique Petean

Resumo


Apesar de todos os avanços tecnológicos das últimas décadas, uma série de contradições permanecem inalteradas. Buscando meios de inserção social, os Empreendimentos Econômicos Solidários (EES) e a Tecnologia Social (TS) têm se colocado como formas organizacionais alternativas. Ainda assim, mesmo nos EES, a TS é desenvolvida ainda de maneira incipiente. Por considerar que novos arranjos necessitam de uma institucionalização correspondente, este artigo teve como objetivos: (i) analisar o processo de institucionalização da TS no contexto da economia solidária, considerando as práxis dos EES; bem como, (ii) analisar o processo de formulação e implementação de Políticas Públicas de TS. Por meio de uma abordagem qualitativa, investigou-se o processo de institucionalização em 3 cooperativas de agricultura familiar, bem como, o arcabouço legal brasileiro relativo à TS. Verificou-se que o estado de institucionalização da TS nas Cooperativas investigadas ainda é embrionário, estando num estágio inicial de Pré-institucionalização (Habitualização). As Cooperativas têm preocupação pela Legitimidade Normativa, e não sofrem pressão de nenhum Isomorfismo. Observou-se também que a TS não está respaldada pela Lei 13.243/2016, porém, haveriam melhores perspectivas, com a eventual aprovação do Projeto de Lei 3.329/2015. Portanto, entende-se que a efetivação da TS nos EES passa, necessariamente, por uma institucionalização organizacional e estatal.


Palavras-chave


Autogestão; Políticas públicas; Instituições; Cooperativas; Teoria institucional.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, T. et al. Tecnologia Social e Economia Solidária: desafios educativos. Diálogo, n. 18, p. 13–35, 2011.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2009.

BRASIL. Lei 13.243 de 11 de jan. 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação (...). Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projetos de leis e outras proposições. 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

CRESWELL, J. W. Qualitative Inquiry and Research Design. Thousand Oaks: SAGE Publications, 1998.

CUNCA, P. C. Trabajo asociado y tecnología: reflexiones a partir del contexto y de la experiencia de las Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares en Brasil. Íconos: Revista de Ciencias Sociales, n. 33, p. 67–75, 2009.

DAGNINO, R. Tecnologia Social: contribuições conceituais e metodológicas. Campina Grande, PB: EDUEPB; Florianópolis, SC: Ed. Insular, 2014. 319 p.

DAGNINO, R; BRANDÃO, F. C.; NOVAES, H. T. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: FBB. Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: FBB, 2004.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. Introduction. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. The new institucionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, p. 1-38, 1991.

______. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas (RAE), v. 45, n. 2, p. 74-89, 2005.

FBB (Fundação Banco do Brasil). Conceito de tecnologia social. 2005. Disponível em: ˂ http://tecnologiasocial.fbb.org.br/tecnologiasocial/o-que-e/tecnologia-social/o-que-e-tecnologia-social.htm>. Acesso em: 24 abr. 2018.

FURTADO, C. O Mito do Desenvolvimento Econômico. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1974, 117 p.

GAIGER, L. I. 2003. Empreendimentos Econômicos solidários. In: CATTANI, A. D. (Org.). A Outra Economia. Porto alegre: Veraz, 2003. p. 135-143.

______. Eficiência sistémica. In: CATTANI, A. D. (org.). La otra economía. Buenos Aires: Altamira, 213-220, 2004.

______. A economia solidária na contramarcha da pobreza. Sociologia, Problemas e Práticas [Online], v. 79, p. 43-63, 2015.

GODOY, A. S. A pesquisa qualitativa e sua utilização em Administração de Empresas. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 4, p. 65-71, 1995.

GREENWOOD, R. E.; HINNINGS, C. R. Understanding radical organizational change: bringing together the old and the new institutionalism. Academy of Management Review, v. 21, n. 4, 1022-1054, 1996.

HALL, P; TAYLOR, R. Political Science and three new institutionalisms. Political Studies. 44, p. 936-957, 1996.

IPIRANGA, A. S. R.; AMORIM, M. A.; FARIA, M. V. C. M. Tecnologia Social de Mobilização para Arranjos Produtivos Locais: uma proposta de aplicabilidade Social. Cadernos EBAPE.BR, v. 5, n. 3, p. 1–23, 2007.

ITS (Instituto de Tecnologia Social). Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. In: DE PAULO, A. et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

LIMA, M. T.; DAGNINO, R. P. Economia solidária e tecnologia social: utopias concretas e convergentes. Otra Economía, v. 7, n. 12, p. 3-13, 2013.

MEYER, J. W.; ROMAN, B. Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

NASCIMENTO, D. T.; JOHANN, J. A.; BASSO, D. O grau de satisfação dos agricultores familiares em relação ao programa de aquisição de alimentos. RPCA, v. 11, n. 2, p. 82-107, abr./jun. 2017.

NOVAES, H. T.; DIAS, R. Contribuições ao Marco Analítico-Conceitual da Tecnologia Social. In: DAGNINO, Renato (Org.). Tecnologia Social: Ferramenta para construir outra sociedade. Campinas/ SP: IG / UNICAMP, 2009.

ONU (Organização das Nações Unidas). Relatório dos objetivos para um desenvolvimento sustentável. ˂Disponível em: https://unstats.un.org/sdgs/report/2016/goal-02/>. Acesso em: 24 abr. 2018.

PINHEIRO, D. C.; PAES DE PAULA, A. P. Autogestão e práticas organizacionais transformadoras: contribuições a partir de um caso empírico. Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 33, p. 233-266, 2016.

PINHEIRO NETO, G.; SÁ DE ABREU, M. Desafios na incubação e sobrevivência no mercado: estudo multicaso em cooperativas de artesanato e confecção. Gepros: Gestão da Produção, Operações e Sistemas, v. 10, n. 3, p. 177-191, 2015.

RODRIGUES, I.; BARBIERI, J. C. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 6, p. 1069–1094, 2008.

SCHIOCHET, V. Institucionalização das políticas públicas de economia solidária: breve trajetória e desafios. IPEA, Mercado de trabalho, v. 40, 2009.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations: foundations for organizational science. London: Sage, 2001.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2002.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999, v. 1.

THOMAS, H. De las tecnologías apropiadas a las tecnologías sociales. Conceptos / estrategias / diseños / acciones. In: Ciclo de Debates para Honrar el Bicentenario – Instituto Nacional de Tecnologías Industrial INTI (2010). Disponível em: < http://inti.gob.ar/bicentenario/documentoslibro/pdf/anexo_4/jornadas_tecno_soc_hernan_thomas.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2018.

UNICOPAS (União Nacional das Organizações Cooperativistas Solidárias). Quem somos. Disponível em: ˂http://unicopas.org.br/?page_id=17>. Acesso em: 12 abr. 2018.

VEBLEN, T. The place of science in modern civilization and other essays. New York: Huebsch, 1919.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZUCKER, The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, v. 41, n. 5, p. 726-743, 1977.

______. Institutional theories of organization. Annual Review of Sociology, 13, 443-464, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.