A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE COMO ESTRÁTEGIA DE PRÁTICA EDUCATIVA EM UM HOSPITAL-ESCOLA NA REGIÃO CENTRO OESTE, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA.

MARCIA CHRISTINO MACEDO

Resumo


RESUMO

A Educação Permanente em Saúde (EPS), criada em 2004, prescinde da educação dialógica e da compreensão da realidade sobre a assistência à saúde desenvolvida no trabalho. A EPS vem se consolidando nos mais variados espaços de trabalho, contudo, sua aplicação enfrenta desafios. O objetivo deste trabalho foi descrever a experiência de uma prática educativa desenvolvida a partir dos pressupostos da EPS, abordando a Ventilação Mecânica Invasiva na Unidade de Terapia Intensiva em um hospital-escola da região Centro-Oeste. Os participantes foram sete enfermeiros, duas acadêmicas de enfermagem, uma fisioterapeuta e uma técnica de enfermagem. O tema abordado e o material pedagógico foram escolhidos pelos trabalhadores, e emergiu das principais necessidades surgidas no ambiente de trabalho. A partir desta experiência pode-se concluir que quando o tema parte da necessidade dos sujeitos envolvidos e executado durante a jornada de trabalho, a participação é ativa e assídua. Assim, ao estabelecer a educação dialógica por meio de rodas de conversa, considerando o conhecimento prévio dos trabalhadores, a aplicação da EPS poderá auxiliar na construção e ampliação de novos saberes, ocasionando mudanças na execução das práticas realizadas e consequentemente em uma assistência à saúde e de enfermagem mais voltada ao ser humano em sua completude.

 

Palavras-chave: Educação em Saúde; Educação Permanente em Saúde; Enfermagem.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA (AMIB) – DIRETRIZES BRASILEIRAS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA – 2013. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/237544/mod_resource/content/1/Consenso%20VM%202013.pdf. Acesso em: 5 de out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências [Internet]. Brasília; 2004 [citado 2009 ago. 15]. Disponível em: http://www.unifesp.br/dmedprev/planejamento/pdf/port_GM198.pdf. Acesso em 4 de out. 2018.

CECCIM Ricardo Burg. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.16, p.161-77, set.2004/fev.2005. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/icse/2005.v9n16/161-168/pt Acesso em 04 de out 2018.

CECCIM, Ricardo Burg; FEUERWERKER, Laura C. M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41-65, June 2004. Disponível em: . Acesso em 07 out. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312004000100004.

CUNHA Iolete Soares. Educação permanente em saúde e planejamento estratégico situacional: o caso da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí[dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2009. Disponível em: https://bvssp.icict.fiocruz.br/pdf/25836_cunhaism.pdf. Acesso em: 5 out 2018.

FREIRE Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire / Paulo Freire. 3º ed. São Paulo: Editora Moraes; 1980;

LEMOS Marcio, FONTOURA Marilia. A Integração da Educação e Trabalho na Saúde e a Política de Educação Permanente em Saúde do SUS-BA. Rev Baiana Saúd Púb, 2009; 33(1):113-120. Disponível em: http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/195. Acesso em: 5 out. 2018.

LIMA, Sayonara Arruda Vieira; ALBUQUERQUE, Paulette Cavalcanti; WENCESLAU, Leandro David. Educação Permanente em Saúde Segundo os Profissionais da Gestão de Recife, Pernambuco. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 425-441, Aug.2014.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462014000200012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 5 out 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462014000200012.

MERHY, Emerson Elias. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 9, n. 16, p. 172-174, Feb. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832005000100015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 5 out. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000100015

PESSÔA LR, et al. A educação permanente e a cooperação internacional em saúde: um olhar sobre a experiência de fortalecimento da rede haitiana de vigilância, pesquisa e educação em saúde, no âmbito do projeto Tripartite Brasil-Haiti-Cuba. Divulg Saúd em Debat, 2013; 49:165-171. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/63802503ec0a8c6a0118ff263102e43216771f9f.PDF. Acesso em: 5 out. 2018.

SARRETA, Fernando Oliveira. Educação permanente em saúde para trabalhadores do SUS. Scielo Books. Scientific Eletronic Library Online, UNESP, 2009. Disponível em: http://www.cairu.br/portal/arquivos/biblioteca/EBOOKS/SS/Ed_permanente_em_saude_trab_SUS.pdf. Acesso em: 5 out. 2018.

SILVA, Luiz Anildo Anacleto da et al. Educação permanente em saúde e no trabalho de enfermagem: perspectiva de uma práxis transformadora. Rev. Gaúcha Enferm. (Online), Porto Alegre, v. 31, n. 3, p. 557-561, Sept. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472010000300021&lng=en&nrm=iso Acesso em 07 out. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472010000300021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.