A MORTE DO PRÍNCIPE: O teatro estático de Fernando Pessoa

Mayra Prachedes Queiroz, Julio Cezar dos Santos, Sibelly Resch

Resumo


O relato de prática que se apresenta tem como objetivo descrever a relação do ator com a modalidade de teatro estático a partir da apresentação de um texto (peça) de Fernando Pessoa chamado “A Morte do Príncipe”.  O teatro estático de Pessoa busca a revelação dos dramas mais íntimos do sujeito, que no texto constitui-se como um príncipe delirante à beira da morte. Para os atores, a projeção da voz é o principal desafio para a interpretação de um personagem no teatro estático. Nas duas apresentações realizadas na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, abriu-se espaço para diálogo com a plateia e ficou evidente que a peça contribuiu para o desenvolvimento de aspectos estéticos e emocionais. O estranhamento com essa modalidade teatral aponta a importância de trabalhar com diferentes linguagens para ampliação do repertório cultural do público-alvo. Fernando Pessoa tem diferentes textos que podem ser interpretados nessa modalidade teatral.


Palavras-chave


Artes; Teatro; Teatro estático; Fernando Pessoa

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Lucia Fabrini. O teatro anímico de Fernando Pessoa. Revista Arte da Cena, Goiânia, v. 1, n.2, p. 120-129, outubro 2014/março 2015. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cesp/article/view/6384 (acesso em 23/08/2018).

MACIEL, Maria Ester. CENA VIVA: POESIA E TEATRO EM FERNANDO PESSOA. Universidade Federal de Minas Gerais. Revista do Centro de Estudos Portugueses - CESP – v. 18, n. 22 – jan./jun. 1998.

MOLER, Lara Biasoli. Da palavra ao silêncio: o teatro simbolista de Maurice Maeterlinck. Tese. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. 2006.

PESSOA, Fernando. A Morte do Príncipe. Disponível em: http://arquivopessoa.net/textos/4166 (acesso em 20/08/2018).

PESSOA, Fernando. Obras em prosa. Organização, introdução e notas de Cleonice Berardinelli. Rio de Janeiro: Aguilar, 1976.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.