A MULHER GAMER: uma análise da presença das mulheres nos jogos virtuais

Aline Chancaré Garcia Gasoto, Telma Romilda Duarte Vaz

Resumo


Este estudo aborda o mundo dos jogos virtuais procurando abordar a crescente inserção da mulher dentro da cultura gamer. O objetivo foi analisar tanto as representações das personagens femininas dentro dos jogos digitais, como as relações entre homens e mulheres nesse meio. A pesquisa é de natureza quantitativa com aplicação de um survey em comunidades de jogos no Brasil. Os sujeitos respondentes foram mulheres que participam de jogos digitais. A pesquisa de campo buscou entender como as mulheres gamers enxergam o universo dos jogos, como elas veem as personagens e como se sentem e o porquê muitas mulheres não gostam de jogar games e, o mais importante, quais são os motivos que levam as que gostam a jogar. Foram realizadas entrevistas com mulheres (adolescentes e adultas) jogadoras de diversos tipos de jogos, através da internet, por meio de um formulário disponível na rede. Os resultados da pesquisa evidenciam que mesmo com o substancial aumento da participação das mulheres nos jogos digitais, ainda existe grande preconceito e violência.


Palavras-chave


Relações de Gênero; Machismo; Jogos; Mulheres Gamers.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003

_______________. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRANDÃO, Helena H. N. Introdução à análise do discurso. 7 ed. São Paulo: Editora da Unicamp, 1998.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. v. I. 3 ed. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BULLEY A. L. Female Exclusion from Videogames. Ithaca College, 2005.

CASSELL, J.; JENKINS, H. Chess for girls?Feminism and computer games. In J.Cassell; H. Jenkins (Eds.), From Barbie to Mortal Kombat . Boston: The MIT Press. 1999. Disponível em . Acesso em: 01 de dez. de 2015.

CASTAÑEDA, Marina. O machismo invisível. Tradução Lara Christina de Malimpensa. São Paulo: A Girafa Editora, 2006.

COSTA, Ana Alice. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. 2008. Disponível em:

DAL-FARRA, Rossano A.; LOPES, Paulo T.C. Métodos Mistos de Pesquisa em Educação: pressupostos teóricos In: Revista Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 24, n. 3, p. 67-80, set./dez. 2013.

DRUMONT, Mary Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. In: Perspectivas, São Paulo, 1980.

ESA - Entertainment Software Association. Infographic. Disponível em: Acesso em 20/11/2015.

ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo ESPM Disponível em: Acesso em 20/11/2015.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise de Discurso: Notas introdutórias. 2 ed., São Carlos: ClaraLuz, 2007.

FORTIM, Ivelise, Mulheres e Games: uma revisão do tema. 2012. Disponível em: Acesso em: 04 de Março de 2016.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade 1: a vontade de saber. 12. ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

GARCIA, Marta I. González; SEDEÑO, Eulalia Pérez. "Ciencia, Tecnología y Género", OEI, n. 2, ene./abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 de Setembro de 2015. GRANER-RAY, S. Gender-Inclusive Game Design: Expanding the Market, Charles River Media, 2003.

HAYES, E. Women And Video Gaming: Gendered - Identities At Play. University of Wisconsin-Madison. 2005. Disponível em: Acesso em: 01 de dez. de 2015.

HARTMANN, T; KLIMMT , C; SCHRAMM, H; BRYAN, J - Parasocial interactions and relationships - Psychology of entertainment, 2006. Disponível em: Acesso em 01 de dez. de 2015.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Introdução: feminismo em tempos pós-modernos. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 7-19.

IZUKAWA, Mariana. Mulher entre espelhos: Personagens femininas customizáveis nos videogames. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Curso de Design.São Paulo, 2015. Disponível em: Acesso em: 01 de dez. de 2015.

JONES, G. Brincando de matar monstros: por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz de conta. .São Paulo: Conrad, 2004.

KROTOSKI, A. (2004). Chicks and Joystics- an exploration of woman and gaming . ELSPA (The Entertainment & Leisure Software Publishers Association). Disponível em:

Acesso em: 15 de Janeiro de 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 11 Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MOITA, Filomena. Game on: Jogos Eletrônicos na escola e na vida da geração @. Campinas, SP: Alinea Editora, 2007.

MOITA, Filomena. Relações de gênero nos games: os estabelecidos e os outsiders. Anais do X Simpósio Internacional Processo Civilizador, 2007.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas 11.2 (2000): p. 9-41.

OLIVEIRA, E. Z. O feminino e as novas tecnologias de comunicação e informação. Sociedade Brasileira De Estudos Interdisciplinares Da Comunicação Universidade Do Estado Do Rio De Janeiro. X Simpósio de Pesquisa em Comunicação da Região Sudeste – SIPEC Rio de Janeiro, 2004.

ORLANDI, Eni. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes, 2009.

PESQUISA GAME BRASIL. Disponível em , acesso em 23 de agosto de 2016.

PROVENZO, E. F. Video kids: Making sense of Nintendo. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1991.

POPESCU, George, Women in Video Games. From Barbie to Xena, in Gender and the (Post) East/West Divide, ed. Mihaela Frunză and Theodora Eliza Văcărescu, Acesso em: 15 de Janeiro de 2016.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Ed. Gradiva, Lisboa – PT, 1992.

RAPKIEWICZ, Clevi Elena. "Informática: domínio masculino?" Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 169-200, 1998.

SAFFIOTI, Heleieth I.B. Violência de Gênero no Brasil Contemporâneo. In: SAFFIOTI, H.I.B., MUÑOZ-VARGAS, Monica (orgs.), 1994.

____________________ Violência de Gênero - lugar da práxis na construção da subjetividade, Lutas Sociais, Nº 2, PUC/SP, 1997, p. 59-79.

____________________ Movimentos sociais: face feminina In Carvalho, Nanci Valadares de. (org.) A condição feminina. São Paulo, Revista dos Tribunais Ltda., Edições Vértice. 1988.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise. In: Educação e Realidade. v. 6 no. 2: Porto Alegre, 1995.

STREY, Marlene Neves. In STREY,M; MATTOS, F; FENSTERSEIFER,G; WERBA, G. Construções e perspectivas em Gênero. Editora Unisinos, 2000.

SUBRAHMANYAM E GREENFIELD Computer games for girls: what makes them play? In J.Cassell & H. Jenkins (Eds.), From Barbie to Mortal Kombat . Boston: The MIT Press. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.