A MULHER GAMER: uma análise da presença das mulheres nos jogos virtuais

  • Aline Chancaré Garcia Gasoto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus de Naviraí
  • Telma Romilda Duarte Vaz Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Relações de Gênero, Machismo, Jogos, Mulheres Gamers.

Resumo

Este estudo aborda o mundo dos jogos virtuais procurando abordar a crescente inserção da mulher dentro da cultura gamer. O objetivo foi analisar tanto as representações das personagens femininas dentro dos jogos digitais, como as relações entre homens e mulheres nesse meio. A pesquisa é de natureza quantitativa com aplicação de um survey em comunidades de jogos no Brasil. Os sujeitos respondentes foram mulheres que participam de jogos digitais. A pesquisa de campo buscou entender como as mulheres gamers enxergam o universo dos jogos, como elas veem as personagens e como se sentem e o porquê muitas mulheres não gostam de jogar games e, o mais importante, quais são os motivos que levam as que gostam a jogar. Foram realizadas entrevistas com mulheres (adolescentes e adultas) jogadoras de diversos tipos de jogos, através da internet, por meio de um formulário disponível na rede. Os resultados da pesquisa evidenciam que mesmo com o substancial aumento da participação das mulheres nos jogos digitais, ainda existe grande preconceito e violência.

Biografia do Autor

Aline Chancaré Garcia Gasoto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus de Naviraí

Cientista Social formada  pela UFMS Campus de Naviraí.

 

Telma Romilda Duarte Vaz, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutorando em Educação pela UNESP - FCT 

Referências

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003

_______________. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRANDÃO, Helena H. N. Introdução à análise do discurso. 7 ed. São Paulo: Editora da Unicamp, 1998.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. v. I. 3 ed. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BULLEY A. L. Female Exclusion from Videogames. Ithaca College, 2005.

CASSELL, J.; JENKINS, H. Chess for girls?Feminism and computer games. In J.Cassell; H. Jenkins (Eds.), From Barbie to Mortal Kombat . Boston: The MIT Press. 1999. Disponível em <http://www.media.mit.edu/gnl/publications/gg_introduction.pdf>. Acesso em: 01 de dez. de 2015.

CASTAÑEDA, Marina. O machismo invisível. Tradução Lara Christina de Malimpensa. São Paulo: A Girafa Editora, 2006.

COSTA, Ana Alice. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. 2008. Disponível em: <http://https://pactoglobalcreapr.files.wordpress.com/2012/02/5-empoderamento-ana-alice.pdf.< Acesso em: 01 de dez. de 2015.

DAL-FARRA, Rossano A.; LOPES, Paulo T.C. Métodos Mistos de Pesquisa em Educação: pressupostos teóricos In: Revista Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 24, n. 3, p. 67-80, set./dez. 2013.

DRUMONT, Mary Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. In: Perspectivas, São Paulo, 1980.

ESA - Entertainment Software Association. Infographic. Disponível em: <http://www.theesa.com/facts/pdfs/ESA_EF_2014.pdf.> Acesso em 20/11/2015.

ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo ESPM Disponível em: <http://goo.gl/gb6XAT> Acesso em 20/11/2015.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise de Discurso: Notas introdutórias. 2 ed., São Carlos: ClaraLuz, 2007.

FORTIM, Ivelise, Mulheres e Games: uma revisão do tema. 2012. Disponível em: <http://www.academia.edu/3403506/Mulheres_e_Games_uma_revis%C3%A3o_do_tema.> Acesso em: 04 de Março de 2016.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade 1: a vontade de saber. 12. ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

GARCIA, Marta I. González; SEDEÑO, Eulalia Pérez. "Ciencia, Tecnología y Género", OEI, n. 2, ene./abr. 2002. Disponível em: <http://www.oei.es/revistactsi/numero2/varios2.htm>. Acesso em: 20 de Setembro de 2015. GRANER-RAY, S. Gender-Inclusive Game Design: Expanding the Market, Charles River Media, 2003.

HAYES, E. Women And Video Gaming: Gendered - Identities At Play. University of Wisconsin-Madison. 2005. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.544.8796&rep=rep1&type=pdf > Acesso em: 01 de dez. de 2015.

HARTMANN, T; KLIMMT , C; SCHRAMM, H; BRYAN, J - Parasocial interactions and relationships - Psychology of entertainment, 2006. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=en&lr=&id=AVnhAQAAQBAJ&oi=fnd&pg=PA291&ots=cbwHUJtFXY&sig=10FUvAV5WGJpHri0OhoqO0veWnE&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false.> Acesso em 01 de dez. de 2015.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Introdução: feminismo em tempos pós-modernos. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 7-19.

IZUKAWA, Mariana. Mulher entre espelhos: Personagens femininas customizáveis nos videogames. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Curso de Design.São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.fau.usp.br/fauforma/2015/assets/mariana_izukawa.pdf> Acesso em: 01 de dez. de 2015.

JONES, G. Brincando de matar monstros: por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz de conta. .São Paulo: Conrad, 2004.

KROTOSKI, A. (2004). Chicks and Joystics- an exploration of woman and gaming . ELSPA (The Entertainment & Leisure Software Publishers Association). Disponível em:

<http://www.elspa.com/assets/files/c/chicksandjoysticksanexplorationofwomenandgaming_176.pdf.> Acesso em: 15 de Janeiro de 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 11 Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MOITA, Filomena. Game on: Jogos Eletrônicos na escola e na vida da geração @. Campinas, SP: Alinea Editora, 2007.

MOITA, Filomena. Relações de gênero nos games: os estabelecidos e os outsiders. Anais do X Simpósio Internacional Processo Civilizador, 2007.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas 11.2 (2000): p. 9-41.

OLIVEIRA, E. Z. O feminino e as novas tecnologias de comunicação e informação. Sociedade Brasileira De Estudos Interdisciplinares Da Comunicação Universidade Do Estado Do Rio De Janeiro. X Simpósio de Pesquisa em Comunicação da Região Sudeste – SIPEC Rio de Janeiro, 2004.

ORLANDI, Eni. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes, 2009.

PESQUISA GAME BRASIL. Disponível em <http://www.pesquisagamebrasil.com.br/#!pesquisa-2016/i7cep>, acesso em 23 de agosto de 2016.

PROVENZO, E. F. Video kids: Making sense of Nintendo. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1991.

POPESCU, George, Women in Video Games. From Barbie to Xena, in Gender and the (Post) East/West Divide, ed. Mihaela Frunză and Theodora Eliza Văcărescu, <http://www.iiav.nl/epublications/2005/gendeRomania.pdf.> Acesso em: 15 de Janeiro de 2016.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Ed. Gradiva, Lisboa – PT, 1992.

RAPKIEWICZ, Clevi Elena. "Informática: domínio masculino?" Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 169-200, 1998.

SAFFIOTI, Heleieth I.B. Violência de Gênero no Brasil Contemporâneo. In: SAFFIOTI, H.I.B., MUÑOZ-VARGAS, Monica (orgs.), 1994.

____________________ Violência de Gênero - lugar da práxis na construção da subjetividade, Lutas Sociais, Nº 2, PUC/SP, 1997, p. 59-79.

____________________ Movimentos sociais: face feminina In Carvalho, Nanci Valadares de. (org.) A condição feminina. São Paulo, Revista dos Tribunais Ltda., Edições Vértice. 1988.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise. In: Educação e Realidade. v. 6 no. 2: Porto Alegre, 1995.

STREY, Marlene Neves. In STREY,M; MATTOS, F; FENSTERSEIFER,G; WERBA, G. Construções e perspectivas em Gênero. Editora Unisinos, 2000.

SUBRAHMANYAM E GREENFIELD Computer games for girls: what makes them play? In J.Cassell & H. Jenkins (Eds.), From Barbie to Mortal Kombat . Boston: The MIT Press. 1999.

Publicado
2018-12-06
Como Citar
GASOTO, A. C. G.; VAZ, T. R. D. A MULHER GAMER: uma análise da presença das mulheres nos jogos virtuais. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 2, n. 1, 6 dez. 2018.