VERIFICAÇÃO DA APLICABILIDADE DE UMA ESTRUTURA COMPUTACIONAL DE INTERVENÇÕES PROGRAMADAS PARA REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES EDUCACIONAIS VIA SMARTPHONES

Joab Cavalcante da Silva, Laurentino Augusto Dantas, Giselle Giovanna do Couto de Oliveira

Resumo


A presença massiva dos dispositivos móveis na sociedade tem possibilitado transformações nas ofertas de serviços virtuais e possibilitado muitas facilidades no acesso à informação. Os smartphones atuais são equipamentos que possuem grande quantidade de recursos e a cada dia são capazes de realizar maior quantidade de atividades. O uso de dispositivos móveis em atividades educacionais é, atualmente, um assunto expressivamente debatido e investigado por pesquisadores. Porém, até o momento, pouco tem sido explorado o potencial desses equipamentos no contexto da educação. Essa pesquisa investiga a aplicabilidade de uma estrutura computacional de intervenções programadas para a realização de atividades educacionais por parte dos alunos, em seus próprios dispositivos móveis. Os resultados obtidos sugerem que: o ferramental utilizado tem grande potencial para despertar interesse dos alunos pelo conteúdo estudado. E o smartphone pode ser um grande aliado do professor para promover o conhecimento.


Palavras-chave


Educação; Smartphone; Tecnologia; Notificação

Texto completo:

PDF

Referências


AFREEN, Rahat. Bring your own device (BYOD) in higher education: opportunities and challenges. International Journal of Emerging Trends & Technology in Computer Science, v. 3, n. 1, p. 233-236, 2014.

BARAN, Evrim. A review of research on mobile learning in teacher education. Journal of Educational Technology & Society, v. 17, n. 4, p. 17, 2014.

BARBOSA, Débora Nice Ferrari et al. Experiências com o uso de Tablets no contexto da Educação escolar e não escolar. Revista Prâksis, v. 2, p. 67-80, 2015.

BATISTA, Silvia Cristina Freitas; BARCELOS, Gilmara Teixeira. Análise do uso do celular no contexto educacional. RENOTE, v. 11, n. 1, 2017.

BEAL, Daniel J. ESM 2.0: State of the art and future potential of experience sampling methods in organizational research. Annu. Rev. Organ. Psychol. Organ. Behav., v. 2, n. 1, p. 383-407, 2015.

BENTO, M., Silva, B. D. D., Osório, A. J., Lencastre, J. A., & Pereira, M. B. (2017). Trazer vida à sala de aula: utilização inovadora de dispositivos móveis no processo educativo.

BRODA, Michael. Using Multilevel Models to Explore Predictors of High School Students’ Nonresponse in Experience Sampling Method (ESM) Studies. Social Science Computer Review, v. 35, n. 6, p. 733-750, 2017.

BRUDER, Patricia. Gadgets go to school: The benefits and risks of BYOD (bring your own device). The Education Digest, v. 80, n. 3, p. 15, 2014.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly; LARSON, Reed. Validity and reliability of the experience-sampling method. In: Flow and the foundations of positive psychology. Springer, Dordrecht, 2014. p. 35-54.

FELIZOLA, M. P. M., Araújo, N. A., de Souza Nunes, M. C., Gomes, V. J. B. M., & Menezes, M. W. M. (2017). O nordeste conectado: Um quadro do acesso às tecnologias digitais de comunicação pelos jovens. Fronteiras-estudos midiáticos, 19(1), 120-128.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008.

GUY, Retta. Mobile learning defined. Mobile learning: pilot projects and initiatives, 2010.

HOFMANN, Wilhelm; PATEL, Paresh V. SurveySignal: A convenient solution for experience sampling research using participants’ own smartphones. Social Science Computer Review, v. 33, n. 2, p. 235-253, 2015.

KUKULSKA-HULME, Agnes; TRAXLER, John. Mobile teaching and learning. In: Mobile learning. Routledge, 2007. p. 41-60.

JEONG, Chang Won; JOO, Su Chong. The Implementation of Context-based Multi-agent Education Supporting System in Ubiquitous Computing Environments. KIPS Transactions on Computer and Communication Systems, v. 4, n. 4, p. 117-124, 2015.

LIMA, E.R; MOITA, F.M. A tecnologia no ensino de química: jogos digitais como interface metodológica. 1 ed. Campina Grande: Eduepb, 2011.

MARINAGI, Catherine; SKOURLAS, Christos; BELSIS, Petros. Employing ubiquitous computing devices and technologies in the higher education classroom of the future. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 73, p. 487-494, 2013.

MCCARTY, Steve. Ubiquitous computing and online collaboration for open education. 2013.

MORÁN, José. "Mudando a educação com metodologias ativas." Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens 2 (2015): 15-33.

NICHELE, A.G; SCHLEMMER, E. Mobile Learning em Química: uma análise acerca dos aplicativos disponíveis para tablets. Anais do 33º Encontro de Debates sobre Ensino de Química, 2013.

NORRIS, Cathleen; SOLOWAY, Elliot. Handhelds: Getting mobile. District Administration, v. 44, n. 8, p. 20-24, 2008.

SHARPLES, Mike; TAYLOR, Josie; VAVOULA, Giasemi. Towards a theory of mobile learning. In: Proceedings of mLearn. 2005. p. 1-9.

SILVA, P. F.; SILVA, T. P.; SILVA, G. N. StudyLab: Construção e Avaliação de um aplicativo para auxiliar o Ensino de Química por professores da Educação Básica. Revista Tecnologias na Educação, v. 13, p. 1-12, 2015.

TORI, Romero. Tecnologia e metodologia para uma educação sem distância. Em Rede-Revista de Educação a Distância, v. 2, n. 2, p. 44-55, 2016.

VALENTE, José Armando. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. UNIFESO-Humanas e Sociais, v. 1, n. 01, p. 141-166, 2014.

WAISELFISZ, Julio Jacobo; LÁPIS, Borracha. Mapa das desigualdades digitais no Brasil. UNESCO Brasil, 2007.

WISER, M. The Computer for the 21st Century—Scientific American Special Issue on Communications. Computers, and Networks, p. 94-104, 1991.

ZAHARAKIS, Ioannis D.; SKLAVOS, Nicolas; KAMEAS, Achilles. Exploiting Ubiquitous Computing, Mobile Computing and the Internet of Things to Promote Science Education. In: New Technologies, Mobility and Security (NTMS), 2016 8th IFIP International Conference on. IEEE, 2016. p. 1-2.

ZIRKEL, Sabrina; GARCIA, Julie A.; MURPHY, Mary C. Experience-sampling research methods and their potential for education research. Educational Researcher, v. 44, n. 1, p. 7-16, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.