A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA PRIVADA

Jean Ribeiro Silva, Fábio da Silva Rodrigues

Resumo


Considerando a acirrada competição no setor financeiro, as instituições financeiras, sejam elas públicas ou privadas, tem buscado ferramentas que possam auxiliar na melhora de seu desempenho institucional. Assim, os investimentos em inovação, tecnologia e principalmente no capital humano tem sido preponderantes. Esse trabalho se propõe a discutir a importância da implantação de programas de Gestão de Pessoas por Competências (GPC) em instituições financeiras privadas. Primeiro realizaremos uma revisão na literatura acerca do conceito de Gestão de Pessoas por Competências, sua utilização em organizações e o retorno que ela tem trazido. Em seguida através de um estudo de caso, com 4 gerentes bancários de instituições bancárias privadas da cidade de Naviraí-MS, apresentaremos os pontos que destacam a Gestão de Pessoas por Competências como sendo uma ferramenta importante no cenário competitivo, utilizando dados de um questionário semiestruturado. Como resultado da pesquisa, chegamos a conclusão que apesar dos gestores dissonarem em alguns pontos, a consenso entre eles sobre a importância da utilização do método de Gestão de Pessoas por Competência, porque o método aproveita e potencializa as competências já existentes no ser humano o que auxilia no cumprimento das metas e objetivos estabelecidos pelas instituições financeiras.


Palavras-chave


Liderança, Gestão Estratégica, Competência Humana, Competência Organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ADLER, Marcelo. Estratégia organizacional e competências gerenciais. 2002. 107f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

BAHRY, Carla Patricia; TOLFO, Suzana da Rosa. A gestão de competências e a obtenção de vantagem competitiva sustentável em organizações bancárias. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 5, n. 2, 2004.

BERGAMINI, C. Whitaker. O líder eficaz. São Paulo: Atlas, 2006.

BERTOLINI, Eni Aparecida Silveira. Competências: uma ferramenta para o desenvolvimento organizacional. Revista técnica das FIPEP (Faculdades Integradas do Instituto Paulista de Ensino). São Paulo, v. 4, n. 1, p. 73-84, jan.jun. 2004.

BITENCOURT, C. C. A gestão de competências gerenciais: a contribuição da aprendizagem organizacional. 2001. 320f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em 24 set. 2018.

BOYATZIS, R. E. The competent management: a model for effective performance. Nova York: John Wiley. 1982

BRANDÃO, H. P., GUIMARÃES, T. A., & BORGES ANDRADE, J. E. Competências emergentes na indústria bancária. Revista Comportamento Organizacional e Gestão, 8(2), 173-190. (2002).

BRESSAN, V.G.F; et.al. A Influência da Gestão de Pessoas por Competência no Índice de Rentabilidade de uma Instituição Financeira. Rio de Janeiro: RJ. 2007.

CAPPELLARI, N.; STEFANO, S.R; RAIFUR, L; GONÇALVES, D.M. A liderança e a gestão estratégica de pessoas nas instituições financeiras. R. Eletr. do Alto Vale do Itajaí – REAVI, v. 4, n. 6, p. I– F, mai., 2016. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/viewFile/2316419004062015014/5418. Acesso em 24 set. 2018.

CARBONE, P. P. Gestão por competência e gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

COLARES, B.M.C; RIBEIRO, S.M.S. Uma abordagem sobre a gestão de pessoas por competência em uma instituição financeira. Rev. Seer perspectiva online, vol. 01, n.01, 2011.

DUTRA, Joel. Gestão de pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.

___________. Competências, conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

DRUCKER, P.F. Fator Humano e Desempenho: O melhor de Peter F. Drucker sobre administração. São Paulo: Pioneir, 2002.

FEBRABAN. Relatório anual Febraban 2013. Disponível em: https://www.febraban.org.br/Febraban.asp?id_pagina=90. Acesso em 24 set. 2018.

FLEURY, A., & FLEURY, M. T. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 2001. São Paulo: Atlas.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. GIOVANELLA, R; MELLO, C.B.C; SEVERO, E.A; DORION, E.C.H. Aprendizagem organizacional e implicações paras as estratégias de internacionalização. In: Inovação e aprendizagem organizacional [recurso eletrônico] / Dusan Schreiber [Organizador]. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013. P.209-229. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/a88ed1b7-2826-4917-b632-4fba2a26cd29/Inova%C3%A7%C3%A3o%20e%20Aprendizagem%20Organizacional.pdf. Acesso em 24 set. 2018.

GRAMIGNA, M. R. Modelo de competências e gestão de talentos. São Paulo: Makron Books, 2002

HAIR Jr., J.F. et al. Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005

JAVIDAN, M. Core Competence: What Does it Mean in Pratice? Long Range Planning, v.31, n.1, pp.60-71, 1998.

KING, A W. FOWLER, S. W. e ZEINTHAML, C. P. Competências Organizacionais e Vantagem Competitiva: o desafio da gerência intermediária. Revista de Administração de Empresas. v.42, n.1, pp.36-49, 2002.

MARQUARDT, M.J. & ENGEL, D.W. Global Human Resource Development. PRENTICE-HALL, 1993. 320 p.

McClelland, D. Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist, 28(1), 1-14. 1973.

NOGUEIRA, A.J.F.M; SILVA, O.T. Transformações Organizacionais e Gestão de Pessoas no Setor Financeiro. RAD Vol.16, n.1, Jan/Fev/Mar/Abr 2014, p.105-129.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

PREE, Max de. Liderar é uma arte: vencendo a crise e a inércia com uma administração inovadora. 2.ed. São Paulo: Best Seller, 1989.

RABAGLIO, Maria Odete. Gestão por Competências-Ferramentas para Atração e Captação de Talentos Humanos. Editora Qualitymark-2008.

RIBEIRO, L.M.M; GUIMARÃES, T.A. Competências organizacionais e humanas de uma organização financeira estatal: O ponto de vista de seus gerentes.

ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. 8. Ed. São Paulo, SP: Prentice Hall, 2010.

RODRIGUES,J.L.K; BARBOSA, A. As competências necessárias a gestão e funcionamento das organizações: organização empresarial x organização educacional. 2014. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0110_8.pdf. Acesso em 24 set. 2018.

SAUPE, Rosita et al. Conceito de competência: validação por profissionais de saúde. Saúde em Revista, Piracicaba, v. 8, n. 18, p. 31-37, jan./abr. 2006.

SILVA, F. A. et. al. Análise da atuação do gerente bancário como líder de equipe em agências do interior paulista. 2014. Disponível em:http://www.revistarefas.com.br/index.php/RevFATECZS/article/download/102/122. Acesso em 24 set. 2018.

SOMBRIO, C.D.G. A importância da liderança na gestão de agências das instituições bancárias. Monografia do Curso de Especialização em Gestão de Negócios Financeiros apresentada ao Programa de Pós-Graduação de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2007. Disponível em: . Ace- sso em: 24 set. 2018.

ZARIFIAN, P. Objectif compétence: pour une nouvelle logique. Paris: Liaisons. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.