Análise comparativa entre o desempenho do setor de serviços e as taxas de emprego no MS

Monalisa Simone Alves Gomes, Marcelo da Silva Mello Dockhorn

Resumo


O número de empresas do setor de serviços triplicou nos últimos 10 anos e os índices de desempregados e desalentados mais do que dobrou entre 2014 e 2017. Outra variável importante é o aumento da informalidade no mercado de trabalho, que se desenvolve especialmente no setor estudado. O objetivo deste trabalho é realizar uma análise comparativa exploratória entre o setor de serviços e as taxas de desemprego e desalento no estado de Mato Grosso do Sul, através de uma perspectiva pragmática e interdisciplinar que contempla aspectos teóricos da Economia e do Marketing. Estas duas perspectivas convergem para o ciclo virtuoso de que a geração de empregos formais cria demanda por serviços, que por sua vez irão gerar mais empregos. A metodologia do trabalho foi direcionada por uma Orientação Exploratória que presumiu a correlação positiva entre os dados do setor de serviços e taxas de desemprego. Considerando a limitação de dados da série histórica, a análise estatística não gerou significância alta, porém o coeficiente de Pearson apresentou correlação positiva moderada corroborando com a possibilidade de validação da hipótese proposta. A análise deste trabalho permitiu compreender a relação positiva entre as variáveis e levantar possibilidades de estudos futuros.


Palavras-chave


Empregabilidade. Serviços. Desempregados. Desalentados. Mato Grosso do Sul.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERGONI, L. Economia. IESDE BRASIL SA, 2008.

BIRMAN, J. O sujeito na contemporaneidade: espaço, dor e desalento na atualidade. Civilização Brasileira, 2012.

BORGES, Bráulio et al. Recessão com inflação, combinação indigesta. 2016.

CHURCHILL JR, G. A. Marketing. Editora Saraiva, 2017.

GONZAGA, G. et al. Os efeitos trabalhador adicional e desalento no Brasil. Anais do XXXIII Encontro Nacional de Economia, p. 127-148, 2005.

GREMAUD, A. P. et al. Introdução à economia. Editora Saraiva, 2017.

JARDIM, F. AA. Explorando as fronteiras do desemprego: reflexões a partir da categoria" desemprego por desalento". Plural (São Paulo. Online), v. 12, p. 57-78, 2005.

KOTLER, P. Administração de marketing. 2000.

LAS CASAS, A. L.; GARCIA, T. M. Estratégias de marketing para varejo. Inovações e Diferenciações Estratégicas que Fazem a Diferença no Marketing de Varejo. São Paulo: Novatec, 2007.

LONG, C. D. Impact of effective demand on the labor supply. The American Economic Review, p. 458-467, 1953.

MANKIW, N. G.; MONTEIRO, M. J. C.. Introdução à economia: princípios de micro e macroeconomia. São Paulo, 2001.

MARCHESI, A. A família, entre o desalento e a despreocupação. A. Marchesi, O que será de nós, maus alunos, p. 137-158, 2006.

MEIRELLES, D. S. The concept of service. Revista de Economia Política, v. 26, n. 1, p. 119-136, 2006.

PINDYCK, R. S. & RUBINFELD, D. L. (2002), Microeconomia, 5 ed, Prentice Hall, São Paulo.

PMS/IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/servicos/9229-pesquisa-mensal-de-servicos.html?t=destaques. Acesso em: 29 out 2018.

PNAD/IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Acesso em: 29 out 2018.

SEMADE. Banco de Dados do Estado. http://bdeweb.semade.ms.gov.br/bdeweb/ Acesso em: 29 out 2018

TEIXEIRA, R. C. F. A passagem do “direito ao trabalho” para a “empregabilidade”: privatização do espaço público através das políticas sociais de emprego na contemporaneidade. Unimontes Científica, v. 5, n. 1, p. 85-94, 2008.

VELOSO, Fernando A. Desenvolvimento econômico brasileiro: desafios da transição para a renda alta. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.