INFLUÊNCIA DA DIREÇÃO DE PLACA SOLAR NA GERAÇÃO DE ENERGIA

  • Guilherme Botega Torsoni IFMS/Naviraí
  • João Kikuta Miranda
  • Lucas Oliveira Aparecido
Palavras-chave: Energia Solar, Orientação, Rendimento.

Resumo

Nos últimos anos observou-se um grande aumento na utilização de energia elétrica tanto residencial quanto industrial. Com isso ficou impreterível a busca por outras formas de geração de energia, principalmente as renováveis. Neste fundamento a energia solar, que converte a luz do sol em energia elétrica, se destacou no Brasil e em algumas partes do mundo onde tem-se alta incidência de raios solares. Pesquisa da instalação de placas solares têm sido feitas para aumentar a geração de energia, e se tornar eficazes do ponto de vista econômico. A eficiência da placa solar é diretamente influenciada por sua orientação tanto azimutal quanto a inclinação. Fato este que se deve ao ângulo de inclinação alteram a radiação solar que atinge a superfície do coletor perpendicularmente. Neste trabalho investigou-se os parâmetros de orientação, otimizando o sistema para uma maior geração de energia. Ao final do trabalho a inclinação se mostrou divergente dos valores utilizados comercialmente na região de Naviraí. As orientações e o azimute que proporcionou a maior eficiência energética foram de 12°28’ e 50°01’, respectivamente. Com essa orientação houve um aumento no desempenho das placas instaladas, em 16%, quando se comparada com placas instaladas pela orientação utilizada comercialmente.

Referências

ANEEL, C. T. Micro e minigeração distribuída. Sistema de Compensação de Energia Elétrica. Brasília, DF, Brasil: Centro de Documentação–Cedoc, 2014.

BECKMAN, W.; DUFFIE, J. Solar engineering of thermal processes. 3rd ed. New York: Wiley and Sons. 1980.

CAMPOS, M. S.; ALCANTARA, L. D. S. Programa para o cálculo da variação da direção de incidência dos raios solares ao longo do ano. COBENGE. 2013.

COLLE, S.; PEREIRA, E. B. Atlas de Irradiação Solar do Brasil. Florianópolis: LABSOLARINMET, 1996.

DAVE, J. Validity of the isotropic distribution approximation in solar energy estimations. Solar Energy. V.19, 1977.

FADIGAS, E. A. F. A. Energia Solar Fotovoltaica: Fundamentos, Conversão e Viabilidade técnico-econômica. Grupo de Energia Escola Politécnica Universidade de São Paulo. 2012.

GOETZBERGER, A.; HEBLING, C.; SCHOCK, H.W. “Photovoltaic Materials, History, Status and Outlook,” Materials Science and Engineering. v.40, p.1-46, 2003.

GOPINATHAN, K. Solar radiation on inclined surfaces. Solar Energy. v.45, 1990.

GRANQVIST, C. G. Transparent conductors as solar energy materials: a panoramic review. Sol. Energy Mater. Sol. Cells. v. 91, p.1529–1598, 2007.

LIU, B.; JORDAN, R. Daily insolation on surfaces tilted towards the equator. Trans ASHRAE. V.67, 1962.

MORAN, J.M. Climate Studies. Introduction to Climate Sciences. Amer. Meteor. Soc. 525p. 2012.

QUEISSER, H. J.; WERNER J. H. Principles and Technology of Photovoltaic Energy Conversion, Solid-State and Integrated Circuit Technology, p. 146-150, 1995.

RÜTHER, R.; BRAUN, P. Solar Airports. Refocus, Inglaterra, p.30-34, 2005.

ZEILIK, M.; GAUSTAD, J. Astronomy - The Cosmic Perspective, John Wiley and Sons, New York. 1990.

Publicado
2019-09-01