MULHERES EM CENA: do privado do lar ao trabalho remunerado

  • Luciana Codognoto da Silva UFMS/CPNA
  • Luciane Pacheco Nascimento Graduada em Gestão Financeira (UFMS/CPNA).
  • Luana Ferreira Silva Graduada em Gestão Financeira (UFMS/CPNA).
Palavras-chave: Mulher, Trabalho, Ambiente Familiar.

Resumo

O presente artigo analisa a importância da conciliação do trabalho profissional e doméstico da mulher, tendo em vista a dupla jornada de mulheres que, ao mesmo tempo, são profissionais, mães e esposas, diferente do homem que não tem tantas exigências em relação ao lar. Mesmo que se tenha tido uma ascensão profissional, a figura feminina não é desvinculada da imagem de quem deve administrar os encargos domésticos. Para a sociedade, a mulher nunca será completa se não tiver marido e filhos, mesmo que tenha uma carreira consolidada profissionalmente. O delineamento metodológico do estudo foi a pesquisa de campo, que buscou evidenciar relatos através de entrevista com mulheres. Desta forma, pode-se considerar que, apesar dos avanços, ao longo da história, ainda permanece a visão estabelecida de que é papel exclusivo da mulher a educação dos filhos e os cuidados com a casa. É algo que precisa ser contestado e desconstruído incessantemente.

Biografia do Autor

Luciana Codognoto da Silva, UFMS/CPNA

Doutora e Pós-Doutoranda em Psicologia (UNESP/Assis).

Professora Adjunta (UFMS/CPNA).

Referências

ABRAMO, L. Evolução do emprego feminino e equidade de gênero na América Latina: Avanços e permanências nos anos 90. In: COSTA, E. et al. (Orgs). Um debate crítico a partir do feminismo: reestruturação produtiva e gênero. São Paul: CUT, p.79-97, 2002.

ALVES, B. M., PITANGUY, J.O que é feminismo? São Paulo: Brasiliense, 1991.

ÁVILA, R. C. PORTES, É. A. A tríplice jornada de mulheres pobres na universidade pública: trabalho doméstico, trabalho remunerado e estudos. Estudos Feministas, Florianópolis, 20(3): 384, setembro-dezembro/2012 p. 809-832.

BILAC, E. D. Mãe certa, pai incerto: da constituição social à normatização jurídica da paternidade e da filiação. Grupo de Trabalho Família e Sociedade da XX Reunião Anual da ANPOCS, Caxambu, MG, 1996.

BRITO, L. M. P. et al. Mulheres gestoras: qual o perfil de competência profissional para conciliação vida pessoal e trabalho? Gestão & Planejamento, Salvador, v. 13, n. 1, p. 43-61, jan./abr. 2012.

BRUSCHINI, C; PUPPIN, A. B. O trabalho de mulheres executivas no Brasil no final do século XX. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, vol. 34, n.121, pp. 105-138, jan./abr. 2004. BRUSCHINI, C. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, vol. 37, n.132, pp.537-572, set./dez, 2007.

CALÇADA, A. Feminilidade e trabalho são conciliáveis? Revista Psique, n.87, 2013, p.42- 47.

CAPELLE, M. C. A. et al. Uma análise da dinâmica do poder e das relações de gênero no espaço organizacional. RAE-eletrônica, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 2-7, jul./dez. 2004.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COELHO, V. P. Trabalho e maternidade no cotidiano de professoras do ensino superior. São Paulo: Universidade de Santo Amaro 2002.

GONÇALVES, E, P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas: Editora Alínea, 2001.

IKEDA, M. Remuneração por Gênero no Mercado de Trabalho Formal: Diferenças e Possíveis Justificativas. Texto para Discussão n. 82. Rio de Janeiro. Set, 2000.

LAGO, M. C. S. Trabalho feminino, trabalho improdutivo? Revista de Ciências Humanas, 8, 129-133, 1986.

LOPES, M. N. et al. A multiplicidade de papeis da mulher contemporânea e a maternidade tardia. Temas em Psicologia, v. 22, n. 4, 2014, p. 917-958.

LYNCH, I.; TIEDJE, L.B. Working with multiproblem families in intervention model forcommunityhelth nurses. Public Health Nurs,v. 8, n. 3, p. 147-153, 1991.

MADALOZZO, R. et al. Participação no mercado de trabalho e no trabalho doméstico: homens e mulheres têm condições iguais? Estudos Feministas, Florianópolis, 18(2): 352maioagosto/2010. p. 547-566.

PROBST, E. R. A evolução da mulher no mercado de trabalho. Revista do Instituto Catarinense de Pós-Graduação, Blumenau, v. 1, n. 2, p. 1-8, jan./jun. 2003.

RAGO, M. Trabalho Feminino e Sexualidade. São Paulo: Contexto, 2001.

RAGO, L. M. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra: 1985.

REUSCH, P. T; SCHWINN, S, A. Novas tecnologias e trabalho: O Trabalho Feminino e o Direito à desconexão. Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 2015.

SAFFIOTI, H. I.B. A Mulher na Sociedade de Classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1979.

SILVA, Â. C; OLIVEIRA, L. H. Conciliando a realização pessoal, o trabalho e a família: Um estudo com mulheres do interior do Rio Grande do Sul. Revista Psicologia em Foco, v. 6, n. 2, 2014, p. 1-19.

SIMÕES, F. I. W; HASHIMOTO, F. Mulher, mercado de trabalho e as configurações familiares do século XX. Revista Vozes dos Vales, v. 2, 2012, p. 1-25.

VASCONCELOS. I.S. Mulher e mercado de trabalho no Brasil: nota de uma história em andamento, 2013.

VENTURINI, G. et al. As Mulheres Brasileiras no Início do Século XXI. In: VENTURINI, G. et al. A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004, p 15-30.

Publicado
2019-10-31