OS JESUÍTAS NA GÊNESE DO CAPITALISMO: AS CONTROVÉRSIAS ENTRE O DOGMA RELIGIOSO, A ESCOLÁSTICA E A CIÊNCIA MODERNA

  • Silvino Areco Universidade Federal de Mato grosso do Sul
Palavras-chave: Ciência Moderna, Companhia de Jesus, Escolástica, Humanismo.

Resumo

A Companhia de Jesus, cujos seus membros são conhecidos como jesuítas, é uma ordem religiosa fundada em 1534 por um grupo de estudantes da Universidade de Paris, liderados pelo basco Inácio de Loyola. A Congregação foi reconhecida por bula papal em 1540. Essa Ordem eclesial ligada à Igreja Católica Romana é, até hoje, conhecida principalmente por seu trabalho missionário e educacional. Sendo responsável por duzentos anos da primeira educação brasileira. O objetivo geral deste artigo é fazer uma breve reconstituição histórica da gênese da Companhia de Jesus e apresentar as controvérsias que ocorreram naquele contexto histórico (1539-1600) acerca do debate entre a escolástica, o dogma religioso e a ciência moderna na gênese do capitalismo. O objetivo específico é apresentar o contexto histórico em que emerge a Companhia de Jesus e, consequentemente, elucidar as transformações que ocorriam em diversos campos da vida econômica, social, política e religiosa na Europa, daquele período. A metodologia da pesquisa foi fundamentada em fontes bibliográficas, após o levantamento dos dados foi efetivada a análise a partir do método e interpretação do capitalismo: o materialismo histórico e dialético. Vale a pena ressaltar que esse artigo se fundamenta em uma pesquisa efetivada quando da realização da tese de doutorado do autor.

Biografia do Autor

Silvino Areco, Universidade Federal de Mato grosso do Sul
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2003), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2008) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2013). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Ciência Política, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação, Sociedade, Instituições Religiosas, Politica e Companhia de Jesus.

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2003.

ANDERY. Maria Amália Pie Abib. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Gramond, 2007.

ARÉCO, Silvino. As reduções jesuíticas do Paraguai: a vida cultural, econômica e educacional. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Matogrosso do Sul. Campo Grande, MS, 2008. 247 f.

______, A acumulação primitiva nos domínios ultramarinos: educação e trabalho nas reduções jesuíticas do Paraguai (1549-1767), o caráter singular e o universal. 1. ed. Campo Grande: https://sistemas.ufms.br/sigpos/portal/trabalhos/download/1239/cursoId:76, 2013. v. 1. 372p.

AZEVEDO, Tales de. Igreja e Estado em tensão e crise: a conquista espiritual e o padroado na Bahia. São Paulo: Ática, 1978.

CERTAU. Michel. Suplemento á Vie chétienne, n. 147, p. 62-63, maio 1972.

Publicado
2019-10-31