DEMANDAS NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPO GRANDE- MS E CONTROLE DAS FILAS – discutindo a atuação dos fisioterapeutas das equipes NASF

  • Neilma Alves da Silva Pereira UFMS/ESAN
  • Marco Antonio Costa da Silva Universidade Federal de Mato Grosso do sul

Resumo

O atendimento à saúde da população constitui uma das tarefas mais complexas na atuação do poder público municipal. Estão a ele relacionado muitos fatores como por exemplo a escassez de recursos financeiros que se torna um desafio para sua gestão. Um problema recorrente no sistema de saúde pública são as filas extensas para atendimento de alta e média complexidade (cirurgias, procedimentos traumato-ortopédicos, exames, serviço de reabilitação e outros). Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar qualitativamente e quantitativamente a estratégia utilizada para triagem de pacientes, bem como os resultados alcançados com a implantação de uma ferramenta utilizada pela equipe do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF) da Prefeitura Municipal de Campo Grande – MS. Os resultados da pesquisa demonstram que a ferramenta de triagem utilizado pelos fisioterapeutas do NASF, têm apresentado resultados importantes para solucionar parte dos problemas de atendimento da demanda nos usuários nos serviços de fisioterapia.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.).2016 Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977)

BERNARDES, A., Cecilio, L., Évora, Y., Gabriel, C., & Carvalho, M. (2011). Modelo de gestão colegiada e descentralizada em hospital público: a ótica da equipe de enfermagem. Revista Latino-Americana De Enfermagem, 19(4), 1003-1010. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000400020

BRASIL, PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011.Ministério da saúde.

BRASIL, RESOLUÇÃO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL No 387 DE 08.06.2011, D.O.U: 16.06.2011 ;

BRASIL, RESOLUÇÃO COFFITO n. 444, de 26 de abril de 2014 – Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do MS -CREFITO -13;

CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA – 39, Núcleo de Apoio à Saúde da Família – Volume 1: Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano – MS, Brasília – DF, 2014;

CARVALHO, Ivo Antônio & BARBOSA, Pedro Ribeiro. Organização e Funcionamento do SUS Especialização em Gestão em Saúde – módulo específico, PNAP. 2ª ed. 2012;

GODOI, Christiane Kleinübing et al (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006. ISBN: 85-02-05948-3

LEMOS, COIMBRA, ALMEIDA, ARAÚJO e MOREIRA. Ações de regulação na área da reabilitação do SUS de Belo Horizonte – Secretaria Municipal de Saúde de BH – reabilita@pbh.gov.br ,2012.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007. 315 p.

MERHY, Emerson Elías. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. 2008.

MELO, Alves Eduardo, VIANNA e PEREIRA. Apoio Matricial na Atenção Básica com ênfase nos NASF – Caderno do curso EAD ENSP / FIOCRUZ.2ª ed. Ver- Rio de Janeiro, RJ. 2016;

PENEDO, Rafaela Mossarelli; GONCALO, Camila da Silva e QUELUZ, Dagmar de Paula. Gestão compartilhada: percepções de profissionais no contexto de Saúde da Família. Interface (Botucatu) [online]. 2019, vol.23 [citado 2019-06-30], e170451. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100201&lng=pt&nrm=iso>. Epub 16-Jan-2019. ISSN 1414-3283.ttp://dx.doi.org/10.1590/interface.170451.

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE CAMPO GRANDE – MS 2014-2017 Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande-MS, PMCG – MS, 2013.

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE CAMPO GRANDE – MS 2018-2021 Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande-MS, PMCG – MS, 2017.

BERNARDES, A. et al. Collective and decentralized management model in public hospitals: perspective of the nursing team. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 19, n. 4, p. 1003–1010, 1 ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692011000400020&lng=en&tlng=en>. Acesso em: 30 jun. 2019.

RIELLA, A. C. et al. REGULAÇÃO E GESTÃO DE FILAS DE ESPERA: uma experiência exitosa do Se rviço de Fisioterapia do Município de Florianópolis. n. Ii, p. 8–10, 2013.

SILVA, Mariana Antunes da; SANTOS, Mara Lisiane de Moraes dos; BONILHA, Laís Alves de Souza. Users’ perceptions of outpatient physiotherapy in the public healthcare system in Campo Grande (MS, Brazil): problem-solving capacity and difficulties. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 18, n. 48, p. 75-86, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000100075&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 30 jun. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0264.

TAVARES, L. R. C. et al. Inserção da fisioterapia na atenção primária à saúde: análise do cadastro nacional de estabelecimentos de saúde em 2010. Fisioterapia e Pesquisa, v. 25, n. 1, p. 9–19, mar. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502018000100009&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 30 jun. 2019.

VILELA, S. M. P. Relato de experiência: o problema da fila numa unidade de saúde – recife - pe. 2010 [36.]. Disponível em: <http://www.cpqam.fiocruz.br/bibpdf/2010vilela-smp.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2019.

Publicado
2019-10-09
Seção
Artigo completo - Gestão de organizações públicas, privadas e do terceiro setor