JOGO O "OUTRO": SUPORTE PARA O ENSINO DA ÉTICA

  • Pedro Ramão Rojas Coronel INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Joselma Barros Reis INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Guilherme Figueiredo. Terenciani INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Maximilian Jaderson de Melo INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Leonardo Pereira Kaiser INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Roberto Kenzo Silva Nakahara INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Emily Gabriely de Souza da Silva INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Palavras-chave: Jogo Educacional.Filosofia.Ética.Ensino

Resumo

Pensando na evolução e expansão do uso de dispositivos móveis como ferramenta para a aprendizagem, propomos a elaboração de um recurso estratégico para o ensino da ética, o jogo “O Outro” buscando despertar a motivação e permitindo associar conteúdos éticos com ludicidade.  Considerando as potencialidades dos jogos digitais educacionais e a necessidade de um recurso diferenciado para o desenvolvimento da formação moral dos educandos. Na proposta do jogo digital educacional, com referência de Conceitos Buberianos em relação a ética da reciprocidade. buscamos para um ensino interativo, lúdico e motivador, aliado também Informática na educação em uma metodologia ativa de ensino fundamentada na aprendizagem significativa.

 

Biografia do Autor

Pedro Ramão Rojas Coronel, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL

Professor do IFMS

Joselma Barros Reis, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Professor do IFMS
Guilherme Figueiredo. Terenciani, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Professor do IFMS
Maximilian Jaderson de Melo, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Professor do IFMS
Leonardo Pereira Kaiser, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Aluno do curso Técnico de Informática
Roberto Kenzo Silva Nakahara, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Aluno do curso Técnico de Informática
Emily Gabriely de Souza da Silva, INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Aluno do curso Técnico de Informática

Referências

ARAUJO, A. M.. A 'Força motriz' e a 'Comoção' da lei moral: um estudo crítico sobre o chamado 'formalismo' da proposta kantiana para a moralidade.. 1. ed. RIO DE JANEIRO: GRAMMA EDITORA, 2017. v. 1. 266p .

BATTISTELA, Paulo, E.; GRESSE, WANGENHEIM, Christiane; FERNANDES, João, M. Como Jogos Educacionais são Desenvolvidos? Uma Revisão Sistemática da Literatura. 22º Workshop sobre Educação em Computação/CSBC, Brasília/Brasil, 2014.

BATTISTELA, P., GRESSE VON WANGENHEIM, C. ENgAGED: Um Processo de Desenvolvimento de Jogos para Ensinar Computação. 27° Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Uberlândia/MG, 2016.

BUBER, M. Eu e tu. Tradução de Newton Aquiles von Zuben. 2. ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

BUBER, M. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva, 1982.

CHANDLER, Heatler M. Manual de produção de jogos digitais. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

GALLO, S.; KOHAN,W.O. (0rg).Filosofia no ensino médio: Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

GROS, Begoña. The impact of digital games in education. First Monday, v.8, n.7, jul. 2003. Disponível em: http://www.firstmonday.org/issues/issue8_7/xyzgros/index.html. Acesso em: 13 fev 2019

MATTAR, João. Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

SAVI, Rafael; ULBRICHT, Vania Ribas. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. RENOTE, v. 6, n. 1, 2008. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14405/8310%3E.%20. Acesso em 13 fev 2019.

VERISSÍMO, L. J. A ética da reciprocidade: diálogo com Martin Buber. Rio de Janeiro: UapÊ, 2010, 201p.

Publicado
2019-10-15